Discentes com Deficiência Visual: Estudo de Caso com Cálculo Diferencial e Integral Adaptado / Students with Visual Disabilities: A Case Study with Adaptive Differential and Integrated Calculation

Jorge Carvalho Brandão, Miguel Ângelo da Silva, Elisângela Bezerra Magalhães

Resumo


 O presente trabalho mostra as estratégias utilizadas em uma disciplina de Fundamentos de Cálculo para Engenharias, a qual é equivalente ao Cálculo Diferencial e Integral com uma variável, contemplando em uma das disciplinas duas discentes com baixa visão. Como metodologia, usou-se a eclética, isto é, dependendo do conteúdo a ser abordado e das especificidades de cada discente (com necessidades educativas especiais – NEE) em determinadas situações iniciava-se apresentação de conteúdos por meio de problemas, analisando erros, intermediado pelo método Van Hiele. As avaliações passaram a ser contínuas e continuadas e o docente precisou reaprender a ensinar. Uma psicopedagoga auxiliou nas intervenções com discentes, fazendo leitura facial destes e analisando gestos e expressões e um colega matemático auxiliava ações usando WhatsApp. Como conclusões parciais, a mais significativa foi que demais discentes sem aparentemente ter NEE, e muitos sendo experientes (tendo pelo menos uma reprovação na referida disciplina), conseguiram entender a essência dos conceitos de derivação e integração.

 

 


Palavras-chave


Cálculo Diferencial; Deficiência visual; Adaptações.

Texto completo:

PDF

Referências


BARELL, J. Problem-Based Learning. An Inquiry Approach. Thousand Oaks: Corwin Press. 2007.

CURY, H. Análise de erros: o que podemos aprender com as respostas dos alunos. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2007.

BRANDÃO, J. Matemática e deficiência visual. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Ceará, UFC - Faculdade de Educação, 2010.

BRASIL. Programa Nacional de apoio à educação de pessoas com deficiência visual: Orientação e Mobilidade – Projeto Ir e Vir. Brasília: MEC/SEE, 2002.

______ Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais Da Educação Básica/ Lei 9394/96 Em 20 de dezembro de 1996. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 31. ed. - São Paulo: Paz e Terra, 2005.

GIL, M. (org.). Secretaria de Educação a Distância, BRASIL MEC. Deficiência visual, 2000.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação mito e desafio: uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Educação & Realidade, 2001.

LEE, C. Language for learning mathematics, assessment for learning in practice. Berkshire: Open University Press, 2006.

LIRA, A. K. & BRANDÃO, J. Matemática e deficiência visual. Fortaleza: Editora da UFC, 2013.

LUCKESI, C. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e criando a prática. 2 ed. Salvador: Malabares Comunicações e eventos, 2005.

VAN HIELE, P.M. Structure and insight: a theory of mathematics education. Academic Press, 1986.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

_______ Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução Ana Thorell; revisão Técnica Cláudio Damacena. – 4. ed.- Porto Alegre: Bookman, 2010.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1886

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: