Práticas Integradoras: Ações pedagógicas na educação básica / Integrative Practices: Pedagogical Actions in Basic Education

Ana Paula Lima Andrade, Joelson Rodrigues Miguel

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo conhecer as práticas pedagógicas desenvolvidas pelos professores dos anos iniciais nas escolas municipais de Ribeirópolis. A pesquisa buscou identificar como os professores dos anos iniciais trabalham as práticas pedagógicas, descrever elementos/eixos pedagógicos que constituem estas práticas e explicar sua importância nos processos de ensino e de aprendizagem dentro do contexto escolar dos professores nas escolas municipais. O estudo foi exploratório e qualitativo, realizado em três escolas municipais da cidade de Ribeirópolis/SE, com coordenadores, professores, alunos e pais/responsáveis que trabalham e estão inseridos nos anos/séries inicias. O instrumento de coleta de dados foi a entrevista ­estruturada, e a análise de dados feita a partir da análise de conteúdo proposta por Bardin (2016). Os resultados levaram a crer que, para educar é preciso que professores, pais e alunos estejam envolvidos suficientes para que os desafios do dia-a-dia possam ser superados. O professor precisa estar preparado para cumprir seus objetivos e conquistar seus saberes.Cada aluno precisa se comprometer com o processo de aprendizagem de alfabetização e letramento e, com relação às famílias,  deve-se ter um maior e melhor envolvimento e participação nas ações realizadas no contexto escolar. Cocluiu-se que, dessa forma, é possível atingir maior qualidade na educação, com práticas educacionais que utilizem diferentes metodologias e que sejam trabalhadas de forma conjunta entre os envolvidos.

 


Palavras-chave


Práticas pedagógicas. Planejamento. Alfabetização e Letramento. Saberes docentes

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Sara Caetano de. É preciso ter paixão para ser professora? História de vida. 2015. 33f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015. Disponível em: Acesso em: 12 out. 2018.

ASSOLA, C.F.D.; BORGES, E. V.; MARQUES, I. V. Metodologias de Alfabetização e Letramento em Turmas do 1º E 2º ano do Ensino Fundamental. INTERLETRAS, Dourados, v.4, nº.22, p.1-17, 2015. Disponível em: Acesso em: 14 jul. 2018.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70. 2016.

BASTOS, S. F. Desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Sociedade e a Pedagogia das Competências. In: VII ESOCITE.BR, 2017, Brasília. Anais. 2017. P. 1-11. Disponível em: Acesso em: 25 jul. 2018.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura, Parâmetros curriculares nacionais: Língua Portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: 1997.

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1996/lei-9394-20-dezembro-1996-362578-publicacaooriginal-1-pl.html> Acesso em: 26 de outubro de 2018.

CARVALHO, M. H. O. C. Projeto Político-Pedagógico: definições da escola ou para a escola? EPENN, 2009.

COSTA, M. L. P. As práticas pedagógicas de professores de educação infantil do município de Santa Inês. 2013. 173 f. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual do maranhão. São Luís, 2013.

FRESCHI, Elisandra Mottin. Relações Interpessoais: a construção do espaço artesanal no ambiente escolar. Revista de Educação do IDEAU, v. 8, n. 18, p. 1-13, jul. /dez 2013. Disponível em: < https://www.ideau.com.br/getulio/restrito/upload/revistasartigos/20_1.pdf> Acesso em: 15 ago. 2018.

FREIRE, Paulo; FAUNDEZ, Antonio. Por uma Pedagogia da Pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1985.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d'Água, 1997.

FLORES, A. S. et al. Perspectivas da Educação Inclusiva a partir do Projeto Politico-Pedagógico. InFor, v. 3, n. 1, p. 20-34, 2017.

FROES, T.; CARDOSO, A. Práticas pedagógicas utilizando um ambiente virtual de aprendizagem para construção colaborativa do conhecimento. Rev Ciênc Info, v. 9, n. 2, p. 2, 2008.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22ª ed. São Paulo: Cortez, 2014.

MARCHESI, A. O que será de nós, os maus alunos? Porto Alegre: Artmed, 2006.

MOREIRA, M. A. Teorias de Aprendizagem. Porto Alegre: E.P.U., 2004.

MORAIS, Artur Gomes de; ALBUQUERQUE, Eliana Borges Correia de. Alfabetização e letramento. Construir Notícias, Recife, v. 7, n. 37, p. 5-29, nov/dez, 2007.

PERRUDE, Marleide Rodrigues da Silva. Participação da Família na Escola: uma integração necessária. Londrina: Cadernos em PDE, 2013. Disponível em: < http://www.diaadiaeducacao.pr. gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_uel_gestao_artigo_cristina_aparecida_silveira_ferreira.pdf> Acesso em: 25 ago. 2018.

ROCHA, Selma Maria de Lima. Leitura como ato social: uma analise do processo no Ensino Médio na modalidade de Jovens e Adultos. João Pessoa, 2007. 50f. Monografia (Especialização em Educação) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2007.

SANTOS, M. J. R.; OLIVEIRA, V. S. A Contribuição da Consciência Fonológica para o Desenvolvimento da Leitura e da Escrita. Nativa-Revista de Ciências Sociais do Norte de Mato Grosso, v. 4, n. 2, 2015.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. 19. ed. Campinas, SP: Papirus, 2005.

______. A pratica do professor de didática. 3 ed. Campinas: Papirus 1994.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1798

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: