Secas no Sertão: Reflexões sobre o cenário das longas estiagens no semiárido nordestino através de tecnologias de convivência / Sections in the Sertão: Reflections on the scenario of the long droughts in the northeastern semi-arid region through technologies of coexistence

Juscelma Sodré Macêdo Souza, Anderson Kleber Vasconcelos Mendes

Resumo


RESUMO: O presente artigo tem por objetivo refletir sobre a problemática da água no Semíárido Nordestino a partir da análise documental acerca da seca no Nordeste nos anos de 2012/2013 que ficou conhecido como o mais longo período de estiagem dos últimos cinquenta anos, bem como tecnologias desenvolvidas por agricultores, associações, sociedade civil e poder público visando o aporte de políticas públicas para o fortalecimento de vinculo de sobrevivência. Como aporte teórico foram consultados os escritos de autores como Campos e Studart (2001), Alvarenga (2012), Malvezzi (2007;2010), Garzon (2010), Bursztyn (2008), além de órgãos como o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOC’S), Agência Nacional de Águas (ANA), dentre outros. Para tanto, faz-se necessário refletir sobre o contexto hídrico no Sertão Nordestino, marcado pelo estereótipo da escassez e as tecnologias de convivências adotadas na região.

 

 


Palavras-chave


Nordeste; Água; Semiárido.

Texto completo:

PDF

Referências


Referências bibliográficas

. A água em conflito. In: CANUTO, Antônio. LUZ, Cassia Regina da Silva. WHICINIESK, Isolete (Orgs.). Conflitos no campo no Brasil 2011, p.82-86., Goiânia: CPT Nacional, 2010.

. Agência Nacional de Águas (ANA). Atlas Brasil de abastecimento urbano de água. Brasília: ANA/SPR, 2010.

. Água potável no semi-árido: escassez anunciada (2006). Disponível em:

. Acesso em 26 mar. 2019.

. Águas Doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação.1. ed. São Paulo: Escrituras editora, 1999.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. A invenção do Nordeste e outras artes. Recife: FNJ, Ed. Massangana; São Paulo: Cortez, 1999.

ANDRADE, F. A. D. O secular problema das secas do Nordeste brasileiro. Boletim Cearense de Agronomia, p.39-49, 1970.

ANDRADE, M. C. A terra e o homem do Nordeste. Recife: Editora Universitária UFPE, 1998.

ANDRADE, Manoel Correia de. O homem e a terra no Nordeste. São Paulo: HUCITEC, 1985.

Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA) (2011). Disponível em: . Acesso em 02 fev. 2019.

. A verdadeira segurança hídrica do Semi-Árido nordestino (2004). Disponível em: . Acesso em 17 mar. 2019.

BAHIA. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) (2012). Disponível em: . Acesso em 01 abr. 2019.

BARROS, J. D. de S. Estoques de carbono e nitrogênio em vertissolo e condições socioeconômicas e ambientais na microbacia hidrográfica do Riacho Val Paraíso (PB). 2014. 152 f. Tese (Doutorado em Recursos Naturais) - Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande-PB, 2014.

BOUGUERRA, Mohamed Larbi. As Batalhas da Água: por um bem comum e da humanidade. Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

BRASIL. Agência Nacional de Águas (ANA). Atlas Nordeste abastecimento urbano: alternativas de oferta de água para as sedes municipais da Região Nordeste do Brasil e do Norte de Minas Gerais. Brasília: ANA/SPR, 2006.

BRASILEIRO, R. S. Alternativas de desenvolvimento sustentável no semiárido nordestino: da degradação à conservação. Scientia Plena, v.5, n.5, p. 1-12, maio. 2009.

BURSZTYN, Marcel. O poder dos donos. Planejamento e clientelismo no Nordeste,

ed., Rio de Janeiro/Fortaleza: Garamond/Banco do Nordeste, 2008.

Comissão Pastoral da Terra (CPT) (2012). Disponível em: http://www.cptnacional.org.br/. Acesso em 7 abr. 2019.

COSTA, A. A. V. M. R. Agricultura sustentável I: conceitos. Revista de Ciências Agrárias, v.33, n.2, p. 61-74, dez. 2010.

. Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS). Disponível em: . Acesso em 01 abr. 2019.

DOURADO, José Aparecido de Lima. Modernização da agricultura: expropriação camponesa e precarização do trabalho no agronegócio da manga em Livramento de Nossa Senhora (BA). 234f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Goiás, Catalão, 2010.

FRACALANZA, Ana Paula. Água: de elemento natural à mercadoria, Sociedade & Natureza, Uberlândia, v.17, n.33, p. 21-36, dezembro, 2005.

GARZON, Luis F. Novoa. Soberania empresarial versus soberania social. In: CANUTO, Antônio. LUZ, Cassia Regina da Silva. WHICINIESK, Isolete (Orgs.). Conflitos no campo Brasil 2009, p. 82-88, São Paulo: Expressão Popular, 2010.

GNADLINGER, J. Colheita de Água de Chuva em Áreas Rurais. Juazeiro – BA: IRPAA, 2000.40p

Instituto Brasileiro de Florestas (IBF) (2011). Disponível em: http://www.ibflorestas.org.br/pt/bioma-caatinga.html. Acesso em 22 mar. 2019.

. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo 2010 Disponível em: . Acesso em 02 abr. 2019.

MALVEZI, Roberto. Semi-árido – uma visão holística. Brasília: CONFEA, 2007.

MAY, S. Estudo da viabilidade do aproveitamento de água de chuva para consumo não potável em edificações. 2004. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Construção Civil) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo - SP, 2004.

.Ministério da Integração (MI). Disponível em: http://www.integracao.gov.br/. Acesso em 10 abr. 2019.

MDS/P1MC – ASA: impacto socioambiental do semiárido Brasileiro, Brasília, 2006.

Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) (2012). Disponível em: http://www.mabnacional.org.br/. Acesso em 13 mar. 2019.

OLIC, Nelson Bacic. Recursos hídricos nas regiões brasileiras: aspectos, usos e conflitos (2003). Disponível em: . Acesso em 17 mar. 2019.

Organização das Nações Unidas Para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Disponível em: . Acesso em 18 mar. 2019.

PETRELLA, Riccardo. O manifesto da água: argumentos para um contrato mundial. Petrópolis: Vozes, 2004

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Globalização da natureza e a natureza da globalização. São Paulo: Civilização Brasileira, 2006.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade, poder, globalização e democracia, Novos Rumos, Marília, v. 37, ano 17, p. 4-25, 2002.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do poder. São Paulo: Ática, 1980.

REBOUÇAS, Aldo. Água na Região Nordeste: desperdício e escassez. Estudos Avançados, São Paulo, v. 11, n. 29, p. 127-154, 1997.

RIBEIRO, Wagner da Costa. Geografia política da água. São Paulo: Annablume, 2008.

SANTOS, Boaventura de S. A crítica da razão indolente contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2009.

SILVA, José de Souza. Aridez mental, problema maior. Contextualizar a educação para construir o ‘dia depois do desenvolvimento’ no Semi-Árido Brasileiro. Campina Grande: UFPB, 2011.

SILVA, Roberto Marinho Alves da. Entre o combate à seca e a convivência com o semi-árido. Transições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2010.

SIQUEIRA, Ruben. Transposição para quem? (2007). Disponível em:. Acesso em 28 fev. 2019.

SOUZA PASSADOR, C.; LUIZ PASSADOR, J. Apontamentos sobre as políticas públicas de combate à seca no Brasil: cisternas e cidadania? Cadernos Gestão Pública e Cidadania v. 15, n. 56. São Paulo, 2010. ISSN 1806-2261. Disponível em: Acesso em 21 mar. 2019

SUASSUNA, João. Nordeste: oh, que lindo! (2002) Disponível em: . Acesso em 26 fev. 2019

. Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE). Disponível em: . Acesso em 21 fev. 2019.

THOMAZ JR, Antonio. Por uma “cruzada” contra a fome e o agrohidronegócio – nova

agenda destrutiva do capitalismo e os desafios de um tempo não adiado. Presidente Prudente, Revista Pegada, v.9, n.2, 2008.

TORRES, Avaní Terezinha. Hidroterritórios (novos territórios da água): os instrumentos de gestão dos recursos hídricos e seus impactos nos arranjos territoriais. 121f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2007.

VIANNA, Pedro C. Guedes. A água vai acabar? In: ALBUQUERQUE, E. S. (Org.).

Que país é esse? p. 217-334, São Paulo: Editora Globo, 2005.

VIEIRA, Vicente P. P. B. Desafios da gestão integrada de recursos hídricos no Semi-Árido. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, p. 7-17, v. 8, n. 2, abr/jun 2003.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1797

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: