O papel das Políticas Públicas na promoção de infraestrutura a Distritos Industriais para geração de Empregos / The role of Public Policies in the promotion of infrastructure to Industrial Districts for the generation of Jobs

Adilson Cascia Felix dos Santos, Bruno Cezar Silva

Resumo


A Política Industrial, Tecnológica e de fomentação das indústrias e geração de emprego do Brasil deve ser uma importante adição às recentes iniciativas públicas. Baseia-se em um modelo conjunto de medidas e instrumentos que visam aumentar a eficiência produtiva e elevar os padrões competitivos nas indústrias brasileiras. Ciente do futuro, seu foco principal é a inovação. Mudanças estruturais na economia do Brasil, através da adição de mercados estrangeiros às estratégias da empresa, fornecem outro exemplo do tipo de sinergia que a política industrial pode trazer. Isso tornou mais fácil competir em mercados mais exigentes e diferenciados e se mostrou uma maneira de dar novo ânimo à capacidade industrial instalada no Brasil.  O objetivo geral do trabalho é de mostrar a importância e contribuição das políticas públicas no Brasil, voltadas para o desenvolvimento de infraestrutura básica industrial. A revisão literária narrativa de nível exploratório foi adotada como metodologia do presente ensaio. Um diálogo mais estreito entre o Estado e o setor privado é, portanto, uma preocupação primordial, assim como a integração das ações do governo com as atividades de manufatura e o envolvimento da comunidade científica e tecnológica com a força de trabalho. O futuro que está sendo construído sobre essas iniciativas atuais é mais do que apenas promissor; já está gerando resultados substanciais para a sociedade brasileira.


Palavras-chave


Gestão Pública ;industrialização;mão de obra;politicas públicas

Texto completo:

PDF

Referências


CITAÇÕES

Além disso, as operações de IDE e de multinacionais tornaram-se parte integrante, explícita ou implícita, das políticas industriais contemporâneas em muitos países (RUA; AGUIAR, 2009).

Isso reflete uma mudança no escopo das políticas industriais, em comparação com aquelas utilizadas anteriormente no contexto da substituição de importações (GADELHA, 2006).

A evidente endogeneidade entre essas duas variáveis devido à simultaneidade pode confundir a análise, na medida em que os autores implementaram um número significativo de estratégias de identificação para obter resultados confiáveis. Identifica-se uma ligação razoavelmente forte entre o investimento em infra-estrutura e a produção (MUSSOLINI, 2010).

Em um dos mais importantes estudos recentes, os autores estabelecem empiricamente uma elasticidade de saída entre 0,07 e 0,1 para investimento em infra-estrutura (medido em termos físicos) em uma faixa de 88 países (BERTUSSI; ELLERY JUNIOR, 2012).

Como no caso dos esforços anteriores para combater a inflação, grupos empresariais (como a Confederação Nacional da Indústria), sindicatos e sociedade civil estavam em amplo acordo sobre a necessidade de enfrentar uma questão estrutural séria, enquanto o governo mostrou-se mais do que disposto a dar um passo em frente com uma solução pragmática que incluísse elementos de liberalização do mercado e investimento dirigido pelo Estado (DOMINGUES et al, 2011).

A inauguração de um complexo industrial de autopeças e eletrodomésticos no interior de São Paulo trouxe enorme progresso na capacidade de produção de bens duráveis (GOULART FILHO, 2011).

Em segundo lugar, a industrialização baseada na substituição de importações, sem plano estratégico para exportar e nacionalizar suas empresas (LAMONICA; FEIJÓ, 2011).

Uma importante vitória nesse processo foi o controle da inflação. A indústria, no entanto, ainda sofria com a concorrência internacional, e muitos sentiram a necessidade de políticas públicas destinadas a incentivar as manufaturas nacionais (SATO, 1997).

Acontece que os países situados em cada extremidade da escala estão mudando para as posições intermediárias, e há uma possibilidade muito real de que países próximos ao centro dessa escala possam perder seu lugar na economia global (NASSIF, 2008).




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1740

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: