Relevância da Pesquisa Científica para a Formação de Professores de Biologia e a Prática Docente / The Relevance of Scientific Research for Biology Teachers Training and Teaching Practice

Luzinete Oliveira Souza, Pâmala Évelin Pires Cedro, Lorena Lôbo Brito Morbeck

Resumo


O exercício da docência exige do profissional da educação uma formação sólida e plena para que sejam capazes de formar indivíduos capacitados a encarar a realidade da sociedade atual. A pesquisa científica além de contribuir com conhecimentos torna o pesquisador um sujeito investigador e instigado pela dúvida. Nesse sentido, o presente trabalho busca compreender os aspectos da formação e prática docente e as repercussões do conhecimento e da pesquisa científica para com a qualidade do ensino de professores da área da biologia. Como objetivo, foi realizada uma revisão de literatura descritivo-discursiva, narrativa, utilizados meios virtuais e impressos com informações relevantes na área de estudo. As análises das informações coletadas permitiram observar e considerar que a pesquisa científica pode tornar os docentes em biologia profissionais mais críticos, competentes e com perfil inovador, além disso, trás conhecimentos mais concisos, o que é relevante principalmente para o campo da biologia.

Palavras-chave


Docência em Biologia. Formação Docente. Pesquisa Científica

Texto completo:

PDF

Referências


ALCÂNTARA, Mauro Henrique Miranda. Os desafios da docência no ensino superior: a particularidade do curso de tecnologia em laticínios do instituto federal de Rondônia. Revista Labirinto, v. 15, p. 76-108, 2011.

ASSIS, Geovaní Soares de. Contribuição da Pesquisa à docência em Ciências Biológicas. João Pessoa: Editora da UFPB, 2015.

BETTI, Mauro. Educação física como prática científica e prática pedagógica: reflexões à luz da filosofia da ciência. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 19, n. 3, p. 183-197, 2005.

BERNSTEIN, B. (1990). Class, codes and control, Vol. IV: The structuring o pedagogic discourse. Londres: Routledge.

BERNSTEIN, B. (2000). Pedagogy, symbolic control and identity: Theory, research, critique. Londres: Rowman & Littlefield.

DATTEIN, Raquel Weyh; GULLICH, Roque Ismael da Costa; ZANON, Lenir Basso. Escritas reflexivas compartilhadas como estratégia de formação inicial: a pesquisa no ensino e na iniciação à docência em ciências. Ensino & Pesquisa, v. 16, n. 1, 2018.

DOSSE, F. História do estruturalismo. Trad. de Álvaro Cabral. Bauru, SP: EDUSC, 2007. v. I (Col. História).

FERNANDES, Érik Álvaro; LIMA, Carlos Eduardo; VIEIRA, Saulo Fabiano Amâncio. O desenvolvimento da pesquisa científica no Brasil envolvendo organizações e sustentabilidade: evolução e estruturação do campo na área de administração. Anais... II Encontro Latino Americano de Universidades Sustentáveis. Porto Alegre, 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessário à prática educativa. Rio de Janeiro: Revista Paz e Terra, 1999.

GATTI, Bernardete A. Formação de Professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, Centro de Estudos Educação e Sociedade, Campinas, vol. 31, núm. 113, pp. 1355-1379, 2010.

GONÇALES FILHO, M.; CAMPOS, F. C. DE; ASSUMPÇÃO, M. R. P. Revisão sistemática da literatura com análise bibliométrica sobre estratégia e Manufatura Enxuta em segmentos da indústria. Gestão & Produção, v. 23, n. 2, p. 408–418, 2016.

HABERMAS, J. Comentários a ética do discurso. São Paulo: Instituto Piaget, 1991.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

JUNG, Karen Maria. A pesquisa na formação do professor, 2017. Disponível em: . Acesso em 02 de fevereiro de 2019.

KUENZER, Acacia Zeneida. Conhecimento e competências no trabalho e na escola. Boletim técnico do SENAC, v. 28, n. 2, p. 2-11, 2018.

LIBANIO, João Batista. A arte de formar-se. 2 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

LIMA, KênioErithon Cavalcante; VASCONCELOS, Simão Dias. Análise da metodologia de ensino de ciências nas escolas da rede municipal de Recife. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 52, p. 397-412, 2006.

MARCONI, M.; LAKATOS, E. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: 2003.

MAINARDES, Jefferson; STREMEL, Silvana. A teoria de Brasil Bernstein e algumas de suas contribuições para as pesquisas sobre políticas educacionais e curriculares. Revista Teias v. 11, n. 22. Ponta Grossa, 2010.

MENDES, Katia Mosconi. A pesquisa na formação continuada de professores: possibilidades e limites. Revista Triângulo, v. 6, n. 1, 2013.

NÓVOA, Antônio. Formação de professores e formação docente. In: Os professores e a sua formação, do mesmo autor. Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1992.

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores - saberes da docência e Identidade do professor. Nuances, vol. III, 1997, p. 5-14.

PIRES, Delmina; MORAIS, Ana Maria; NEVES, Isabel. Desenvolvimento científico nos primeiros anos de escolaridade: Estudo de características sociológicas específicas da prática pedagógica. Revista de Educação em Educação, v. 12, n. 2, p. 129-157, 2004.

SARTI, Flávia Medeiros. Parceria intergeracional e formação docente. Educação em revista, p. 133-152, 2009.

SILVA, Rosiane Viana. PANORAMA DA PESQUISA UNIVERSITÁRIA NO BRASIL: ANGÚSTIAS E PROPOSIÇÕES. Olhares & Trilhas, 2014.

VÁZQUEZ, Ángel; MANASSERO, Maria Antônia;ACEVEDO, José Antônio;ACEVEDO, Pilar. Consensos sobre lanaturaleza delaciencia: La comunidadtecnocientífica. Revista Electrónica de Enseñanza de lasCiencias, 6(2), 331-363, 2007.

VYGOTSKY, L. Pensamento e linguagem. 3.ed. São Paulo: M. Fontes, 1991.

ZAGO, Marco Antônio. Perfil da Produção Científica Brasileira. FAPESP, Universidade de São Paulo, 2011. Disponível em: . Acesso em 03 de fevereiro de 2019.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1726

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: