Avaliação Glicêmica de Pacientes Diabéticos Atendidos na Estratégia Saúde da Família na Cidade de Assaré – CE / Glycemic Evaluation of the Diabetic Patients in the Family Health Strategy in the City of Assaré, State of Ceará

Maria Thayane Pinto Freire, José Marcio Andrade, Helenicy Nogueira Holanda Veras

Resumo


Diabetes mellitus é uma doença crônica não transmissível que estabelece uma série de limitações aos seus portadores. O estudo teve como objetivo conhecer o perfil e o controle glicêmico de pacientes diabéticos atendidos na Estratégia Saúde da família (ESF) da sede do município de Assaré-CE. Foram avaliadas variáveis sociodemográficas, estilo de vida e clinicas através de resultados dos exames laboratoriais descritos nos prontuários, em 123 pacientes. A coleta dos dados foi realizada nos meses de setembro a novembro de 2018, e os participantes que aceitaram participar da pesquisa responderam ao questionário no momento da entrevista.Os dados demonstram maior proporção de pacientes do sexo feminino com 71,5% (n=88); 57% (n=70) possuíam idade entre 61 a 80 anos; 41% (n=50) com o ensino fundamental incompleto.A respeito dos fatores de risco 19% (n=23) já foram fumantes; 61% (n=75) possuíam familiares de primeiro grau com diabetes, e 123 foram pacientes com diabetes tipo 2; 38% (n=47) tinham mais de 10 anos de diagnóstico; 84% (n=103) faziam uso somente de hipoglicemiante oral. Em relação às características clinicas os resultados também apontaram que a presença de níveis alterados de glicemia e hemoglobina glicada pode ser associada ao tempo de duração da doença. As alterações lipídicas mais comuns no Diabetes mellitus Tipo 2 são a hipertrigliceridemia e a redução do HDL Entre as complicações decorrentes da doença, a grande maioria era hipertensa 67% (n=82). Sugere-se a adesão de medidas promocionais a saúde ao local da pesquisa, visando orientação aos pacientes sobre o auto cuidado. De forma que esses possam somar hábitos saudáveis aos seus conhecimentos, e portanto possam continuadamente obter melhor qualidade de vida.

 


Palavras-chave


Diabetes mellitus. Estratégia Saúde da família.Controleglicêmico. Perfillipídico

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. N. F. Qualidade de vida de pacientes com diabetes mellitus. Estudo comparativo de dois programas assistenciais da unidade básica de saúde da Universidade Federal do Amapá, no município de Macapá. 2012. 123 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Fundação Universidade Federal do Amapá, Macapá. 2012.

ALVES, et al., Nefropatia diabética: avaliação dos fatores de risco para seu desenvolvimento. Ver BrasClinMed, São Paulo, v.9, n.2, p. 97-100. 2011.

AMBROSIO, J et al., Dental management considerations for thepatientwith diabetes mellitus. The Journal of the American Dental Association, v. 132, n. 10, p. 142532, 2001.

AMERICAN DIABETES ASSOCIATION. Standards of medical care in diabetes. Diabetes Care, v. 35, s. 1, p. S11-S63, 2012.

BATISTA, M. C. R. et al. Avaliação dos resultados da atenção multiprofissional sobre o controle glicêmico, perfil lipídico e estado nutricional de diabéticos atendidos em nível primário. Rev. Nutr., Campinas, v. 18, n. 2, p. 219-228, 2005.

BAQUEDANO, I. R et al., Fatores relacionados ao autocuidado de pessoas com diabetes mellitus atendidas em serviço de urgência no México. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 44, n. 4, p. 1017-1023, 2010.

BAZOTTE, R. B. Paciente diabético: Cuidados Farmacêuticos. Rio de Janeiro. MedBook, 2010.

BORRÉ, T et al., Perfil farmacoterapêutico dos pacientes diabéticos atendidos em um programa de Estratégia de Saúde da Família (ESF) no município de São Luiz Gonzaga – RS. Infarma ciências farmacêutica, V. 25, Nº 3, 2013.

BOSI, P.Let al., Prevalence of diabetes and impaired glucose tolerance in the urban population of 30 to 79 years of the city of São Carlos, São Paulo. Arq. Bras. Endocrinol. Metab. V.53, n.6, p.723-32. 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. Brasília. Ministério da Saúde, 2013.

CAROLINO, I.D.R etal., Fatores de risco em pacientes com diabetes mellitus tipo 2. Rev. Latino Am. Enfermagem, v.16, n.2, p. 238-244, 2008.

CAUZA, E et al., The relative benefits of endurance and strength training on the metabolic factors and muscle function of people with type 2 diabetes mellitus. Arch. Phys. Med. Rehabil., v. 86, p. 1527–1533, 2005.

CIMINO, R et al., Avaliação e controle através da glicemia em jejum e hemoglobina glicada. Revista Univap, Brasil, v. 20, n. 35, jul.2014.

DIAS, Viviane et al.,Influência do índice glicêmico da dieta sobre parâmetros antropométricos e bioquímicos em pacientes com diabetes tipo 1. ArqBrasEndocrinolMetab vol.54 no.9 São Paulo Dec. 2010

DIRETRIZES DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Métodos para avaliação do controle glicêmico. Sociedade brasileira de diabetes, 2015.

FERREIRA, C. L. R. A.; FERREIRA, M. G. Características epidemiológicas de pacientes diabéticos da rede pública de saúde: análise a partir do sistema HiperDia. Arquivos Brasileiro de Endocrinologia Metabólica, Cuiabá-MT, v. 53, n. 1, p. 80-86, 2009.

FIDELIS, L.Cetal.,Prevalência de Diabetes Melitus no Município de TeixeirasMG. Rev. Bras. Atividade Física & Saúde, v.14, n.1, 2009.

GIMENES, H et al., O conhecimento do paciente diabético tipo 2 acerca dos antidiabéticos orais. Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá, v. 5, n. 3, p. 317-325, set/dez. 2006.

Instituto Brasileiro de geografia estatística (IBGE), disponível em Acessado em 16 de maio. de 2017;

MAGALHAES, et al., Pé Diabético e Doença Vascular Cerebral – Entre o Conhecimento Acadêmico e a Realidade Clínica. ArqBrasEndocinolMetab, Rio de Janeiro, v. 52 n. 7, p. 1073-1075, 2008.

MAIA, M. A. et al., Associação do tempo de contato no programa educativo em diabetes mellitus no conhecimento e habilidades de autocuidado. RevEscEnferm USP, 2016.

MIRANZI, S. S. C et al., Qualidade de vida de indivíduos com diabetes mellitus e hipertensão acompanhados por uma equipe de saúde da família. Enferm., Florianópolis, v. 17, n. 4, dez, 2008.

PAN, M et al., In Artigo original Associação da Cor da Pele com Diabetes Mellitus Tipo 2 e Intolerância à Glicose em Mulheres Obesas de Salvador, Bahia, p. 478, 2001.

PEREIRA, L et al., Avaliação das prescrições de medicamentos para pacientes com Diabetes Mellitus atendidos por uma unidade básica de Saúde. RevCienFarm Básica e Aplicada. 2005.

PEREIRA, R et al., A relação entre Dislipidemia e Diabetes Mellitus tipo 2. Cadernos UniFOA Edição nº 17- Dezembro/2011.

PINHEIRO, D et al., Avaliação do nível de controle glicêmico dos pacientes diabéticos tipo 2 atendidos em um Hospital Universitário. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 10, n. 2, p. 03-11, ago./dez. 2012.

QUEIROZ, P. C et al., Prevalência das complicações micro e macrovasculares e de seus fatores de risco em pacientes com diabetes mellitus e síndrome metabólica. RevBrasClin Med. São Paulo, v.9, n.4, p.254-258, 2011.

RODRIGUES, F. F. L. Conhecimento e atitudes de usuários com diabetes mellitus em uma Unidade Básica Distrital de Saúde de Ribeirão Preto, SP. Dissertação (Mestrado). P.120, 2011.

RODRIGUES, J et al., Atuação do enfermeiro com pacientes com diabetes mellitus na melhoria da qualidade de vida. Revista de Atenção à Saúde, v. 13, no 45, jul./set. 2015.

SAMPAIO, C.F. Práticas de autocuidado de pessoas com diabetes mellitus tipo 2: implicações para o cuidado clínico e educativo de enfermagem. Dissertação (mestrado em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde), Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza-CE, 2012.

SANTOS, D.M.C. Perfil epidemiológico de pacientes com diabetes mellitus tipo 2 assistidos pelo PSF rural do município de Palmácia-CE. 2008. 64 f. Monografia (Especialização em Diabetes Mellitus e Hipertensão Arterial) - Escola de Saúde Pública do Ceará. Fortaleza, 2008.

SCHNEIDER, et al., Níveis glicêmicos de pacientes diabéticos segundo estudo comparativo entre duas técnicas. RevCiêncFarm Básica Apl.,2009.

SILVA, Fet al., Papel do índice glicêmico e da carga glicêmica na prevenção e no controle metabólico de pacientes com diabetes melito tipo 2. ArqBrasEndocrinolMetab. 2009.

SOUZA, C et al., Pré-diabetes: Avaliação de Complicações Crônicas e Tratamento. ArqBrasEndocrinolMetab, Porto Alegre, v. 56, n. 6, p. 275-284, jul. 2012.

VARGAS, L et al., Influência da diabetes e a prática de exercício físico e atividades cognitivas e recreativas sobre a função cognitiva e emotividade em grupos de terceira idade. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, Rio de Janeiro, 2014.

VIEGAS-PEREIRA, A. P. F. Aspectos sócio-demográficos e de saúde dos idosos com diabetes auto-referido: um estudo para o estado de Minas Gerais, 2003. Tese de Doutorado, Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Faculdade de Ciências Econômicas, UFMG, Belo Horizonte, 2006.

ZANDONÁ, T et al., Perfil dos pacientes diabéticos tipo 2 que utilizam antidiabéticos orais. Rev. Bras. Farm. V.93, n.4, p.476-480. 2012.

ZANETTI, M. L.; MENDES, I. A. C. Analise das dificuldades relacionadas ás atividades diárias de crianças e adolescentes com diabetes mellitus tipo 1: Depoimento de mães. Rev. Latino-Am. Enfermagem. São Paulo, v.9, n.6, p.25-30, Nov./2001.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i44.1604

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: