Esino de Língua Portuguesa e o Gênero Redação: Uma análise do Discurso do Professor

Francisca Ilani Alves Maia, Henrique Miguel de Lima Silva, Sayonara Abrantes de Oliveira Uchoa, Symara Abrantes Albuquerque de Oliveira Cabral, Maria Carmem Batista de Alencar, Stephanny Batista de Alencar Roberto, Jalder Alison da Silva Maciel

Resumo


Trata-se de pesquisa sobre como o professor trabalha o ensino de língua portuguesa em sala de aula, utilizando o gênero redação nas séries do ensino médio. Pressupõe-se que uma das maiores dificuldades da produção textual do gênero redação seja decorrente de um ensino metalinguístico e que desconsidere a finalidade da língua enquanto prática de interação social. Considerando a importância da língua no processo de interação social e a necessidade de mudanças significativas na prática pedagógica, surge a oportunidade de trabalhar-se com os gêneros textuais, tendo em vista que os mesmos fazem parte das necessidades do aluno a todo momento. Sendo assim, foi desenvolvido um estudo de caso, sobre o ensino dos gêneros textuais, com foco na redação e a partir de questionários aplicados analisou-se o discurso do professor de língua portuguesa e as suas práticas de ensino, fechando a última parte do artigo.

 

Palavras-Chave: Gêneros Textuais. Ensino. Professor.


Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Maria Irandé Costa Morais. Língua, gêneros textuais e ensino: considerações teóricas e implicações pedagógicas. Perspectiva: Revista do Centro de Ciências da Educação. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Educação – v. 20, n 1. Florianópolis, 2002. 65-75.

_____. Aula de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

_____. Lutar com palavras: coesão e coerência. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

BAKHTIN, M. [VOLOCHÍNOV, V.N.] (1986). Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem, 3ª edição. Traduzido por M. Lahud & C. H. D. Chagas Cruz. São Paulo, SP: Hucitec. (Trabalho original publicado 1929).

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

________. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec. 1999

________. A Estética da Criação Verbal. Trad. Mª Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BAKHTIN, M. (VOLOCHINOV). Marxismo e Filosofia da Linguagem. Trad. De M. Lahud e Y. F. Vieira. 12ª ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BAZERMAN, C. Gêneros textuais, tipificação e interação. Org.: Â. Paiva Dionísio e J. C. Hoffnagel. São Paulo: Cortez, 2005.

_________. Gênero, Agência e Escrita. Org.: A P. Dionísio & J. C. Hoffnagel. São Paulo: Cortez, 2006.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Ensino Médio: Linguagens, códigos e suas tecnologias/Ministério da Educação. – Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Média e Tecnologias, 1998.

CHOMSKY, N. Aspectos da teoria da sintaxe. Trad.: J. A. Meireles e E. P. Raposo. Coimbra: Armênio Amado Editora, 1965.

MARCUSCHI, Luiz Antonio. Gêneros textuais: configuração, dinamicidade e circulação. In: KARWOSKI, Acir Mário; GAYDECZKA, Beatriz & BRITO Karim Siebeneicher (Orgs.) Gêneros textuais: reflexões e ensino. 2a ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

_____. Gêneros textuais no ensino de língua. In: Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

PEREIRA, Regina Celi Mendes (Org.) Ateliê de gêneros acadêmicos. João Pessoa: Ideia, 2014.

SAUSSURE, F. de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 1916.

SILVA, Camilo Rosa (Org.) Ensino de português: demandas teóricas e práticas. João Pessoa: Ideia, 2013.

SWALES, J. M. Genre Analysis: english in Academic and Research Settings. Cambridge, 1990.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v10i31.545

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: