O Direito Internacional Humanitário Frente à Problemática da Mutilação Genital Feminina

José Humberto de Alencar Filho, Miguel Melo Ifadireó, José Antônio de Albuquerque Filho

Resumo


A presente pesquisa apresenta-se como uma tentativa de ampliação das perspectivas sobre as interações simbólicas – culturais, sociais e jurídicas - do ser humano, no rastro das mais distintas formas de sociabilidade. De modo que, o trabalho tem como objetivo a tentativa de compreender e acolher a complexidade das abordagens jusfilosóficas edificadas em cima de experiências entre meninas e mulheres vítimas da mutilação genital e as normativações em sociedade. O estudo fez uso da metodologia de pesquisa de revisão bibliográfica como instrumento de análise. Quanto à abordagem, esta se caracterizou por fazer uso de procedimentos metodológicos, predominantemente, qualitativos, oriundos da intepretação de ideias, categorias, signos e discursos, buscando assim, entender os problemas apresentados e procurando racionalizar a questão sob o foco da multiculturalidade. Os resultados permitiram a propositura de uma análise crítico-reflexiva sobre a mutilação genital feminina e seus reflexos no direito internacional humanitário. Além do mais, os resultados permitiram observar que na atualidade ainda persistem práticas culturais que carecem de reflexões e ressignificações por parte da Teoria Geral dos Direitos Humanos. Finalmente, conclui-se que a prática da mutilação genital feminina constitui uma notória violação aos direitos e garantias fundamentais da humanidade, em que os motivos sustentados para a continuidade dessa prática, demonstram um maciço e enviesado conteúdo de domínio masculino, cujo o objetivo é deter a coisificação da mulher submissa, objeto de exposição masculino.

 

 


Palavras-chave


Violência. Violações aos Direitos Humanos. Mutilação Genital Feminina. Globalização. Teoria dos Direitos Humanos

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Decreto nº 4.377, de 13 de setembro de 2002. Promulga a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, de 1979, e revoga o Decreto no 89.460, de 20 de março de 1984. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4377.htm> Acesso em: 03 mar. 2018.

_________,. Diário da República, 1.ª série — N.º 253 — 31 de dezembro de 2013. III Programa de acção para a prevenção e eliminação da mutilação genital feminina, 2014-2017. Disponível em: acessado em: 10 de maio de 2018.

CEREJO, Dalila; TEXEIRA, Ana Lúcia; LISBOA, Manuela. Mutilação genital feminina. Contextos socioculturais, discursos e percepções sobre a mutilação genital feminina. 2017 p. 83-103.

CORTINA, Adela. Cidadãos do Mundo – Uma teoria da cidadania. São Paulo: Loyola, 2005.

CRESWELL, J. W. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

CUNHA, Manuela Ivone. Género, cultura e justiça: A propósito dos cortes genitais. Análise Social. Edição 4. Lisboa, Portugal: 2013. Disponível na Internet: < http://www.ics.ul.pt> Acesso em: 07 mai. 2018

GONÇALVES, Yasmina. Mutilação genital feminina. Associação para o Planeamento da Família. Lisboa. 2015.

_________,. Mutilação Genital Feminina – um retrato possível. p. 25-67. In: FRADE, Alice (Org.). Por Nascer Mulher... um outro lado dos Direitos Humanos. Associação para o Planeamento da Família. Lisboa, 2007.

_________,. Mutilação genital feminina. Associação para o Planeamento da Família. Lisboa. 2005

MAZZUOLI, Valério Oliveira. Curso de Direito Internacional Privado. 10 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.

_________,. Curso de Direitos Humanos. São Paulo: Método, 2014.

NUNES, Rizzatto. O princípio constitucional da dignidade da pessoa humana: doutrina e jurisprudência. ed. 3, São Paulo: Saraiva, 2010. Disponível em: Acesso em: 06 mai. 2018.

OMS; ADPF. Ace ONU (1997) Convenção Sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra as Mulheres. Eliminação da mutilação Genital Feminina: Declaração conjunta OHCHR. ONUSIDA, PNUD, UNECA, Unesco, UNFPA, ACNUR, UNICEF, UNIFEM, (2008). Lisboa.

Disponível em: < http://www.instituto-camoes.pt/images/cooperacao/eliminacao_mgf_declarconjt.pdf> Acesso em: 07 mai. 2018

ONU. Eliminação da Mutilação genital feminina, 2014. Declaração conjunta OHCHR, ONUSIDA, PNUD, UNECA UNESCO, UNFPA, ACNUR, UNICEF, UNIFEM, OMS. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2017.

_________,.. Assembleia Geral das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em . Acesso em 11 mai. 2018.

OTTO-OYORTEY, Naana. Mutilação Genital Feminina. Uma preocupação da Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos. p. 10-15. In: FRADE, Alice (Org.). Por Nascer Mulher... um outro lado dos Direitos Humanos. Associação para o Planeamento da Família. Lisboa, 2007.

PORTELA, Paulo Henrique Gonçalves. Direito Internacional Público e Privado. 8ª edição, revistado e atualizado. São Paulo: Editora Saraiva, 2016.

PIOVESAN, Flávia. Direitos Humanos e o direito constitucional internacional. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

_________,. Direitos humanos: desafios da ordem internacional contemporânea. In: PIOVESAN, Flávia (Coord.). Direitos humanos. Curitiba: Juruá Editora, 2006. Vol. 1. pp. 15-37.

PIACENTINI, Dulce de Queiroz. Direitos Humanos e Interculturalismo: Análise da Prática Cultural da Mutilação Genital Feminina. Dissertação (Mestrado em Direito) – Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. NUNES, João Arriscado. Introdução: para ampliar o cânone do reconhecimento, da diferença e da igualdade. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003 (Série reinventar a emancipação social: para novos manifestos, v.3).

_________,. Para uma concepção multicultural dos Direitos Humanos. 2001. Disponível em: Acesso em: 04 mai. 2018.

SARLET, Ingo Wolfgang. As dimensões da dignidade da pessoa humana: construindo uma compreensão jurídico-constitucional necessária e possível. Revista Brasileira de Direito Constitucional, n. 9, jan-jul, 2007. Disponível em: Acesso em: 06 mai. 2018.

SILVEIRA. Vladmir Oliveira da. Direitos Humano: conceito, significados e funções / Valdir de Oliveira Silveira; Maria Mendez Rocasolano. São Paulo. Saraiva. 2010.

SILVEIRA. Vladmir Oliveira da; ROCASOLANO, Maria Mendez. Direitos Humanos: conceito, significados e funções. São Paulo: Saraiva. 2010.

UNICEF, Convenção sobre os Direitos da Criança, Adotada em Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 de novembro de 1989. Disponível em: Acesso em: 05 mai 2018

VERGARA, Sylvia Constant.Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i43.1487

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 José Humberto de Alencar Filho, Miguel Melo Ifadireó, José Antônio de Albuquerque Filho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A ID on line. Revista de psicologia (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: