O Voluntariado e o Servidor Público: o Caso dos Técnicos-Administrativos em Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)

Dâmaris Yana Ribeiro, Francisco Alves Pinheiro, Leonardo Rodrigues Sampaio

Resumo


O voluntariado, apesar de não ser um fenômeno recente, passou a ter maior visibilidade e a fazer parte das políticas governamentais de vários países após o ano de 2001 ter sido eleito o Ano Internacional do Voluntariado. No Brasil, o governo federal reconhecendo a importância do voluntariado para a coesão e o desenvolvimento da sociedade, expediu o Decreto nº 9.149/2017, instituindo o Programa Nacional de Voluntariado (PNV) e enfatizando a necessidade de parceria entre Estado, sociedade e o setor privado para fomentar o trabalho voluntário. Entre outros objetivos do PNV, foi estabelecido que caberá aos órgãos da Administração Pública Federal estimular o voluntariado e incentivar os servidores a praticarem esse tipo de atividade.  Assim, o objetivo da pesquisa foi analisar a percepção do voluntariado a partir da perspectiva dos técnico-administrativos em educação (TAEs) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Para tanto, a metodologia adotada foi de abordagem quantitativa, utilizando um questionário e os instrumentos: Inventário de Funções do Voluntariado (IFV) e também a Bateria de Personalidade Pró-social (BPP), que são validados a nível nacional, contemplando uma amostra de 161 TAEs. Obteve-se com o resultado dados significativos para auxiliar a Univasf, e, possivelmente, outras universidades públicas, a formular políticas e ações de estímulo e incentivo a atividades voluntárias entre seus servidores públicos, atentando-se para as particularidades do público-alvo, desde a sua percepção até a motivação.


Palavras-chave


Voluntariado. Percepção. Motivação. Serviço Público Federal. Técnico-administrativo em educação. Universidade.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Kássia; SILVA, Alfredo; DIAS, Letícia. As relações simbólicas e a motivação no trabalho voluntário. RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 3, 2015.

AGOSTINHO, D. A. R. Voluntariado: uma abordagem às motivações dos voluntários do Banco Alimentar. 2011. Tese de Doutorado. Universidade da Beira Interior (UBI), Covilhã.

BRASIL. Decreto nº 9.149, de 28 de agosto de 2017. Cria o Programa Nacional de Voluntariado, institui o Prêmio Nacional do Voluntariado. Disponível em: Acesso em: 04 set. 2017.

BUSSELL, Helen; FORBES, Deborah. Understanding the volunteer market: The what, where, who and why of volunteering. International journal of nonprofit and voluntary sector marketing, v. 7, n. 3, p. 244-257, 2002.

CAVALCANTE, Carlos Eduardo. Motivação de voluntários. Appris Editora e Livraria Eireli-ME, 2016.

CAVERO SIBILLE, Eduardo Héctor. El voluntariado universitario en el Perú: el caso de Techo-Perú. 2015. Tesis para optar el grado de Magíster en Sociología. Pontificia Universidad Católica Del Perú (PUCP).

CLARY, E. Gil et al. Compreender e avaliar as motivações dos voluntários: uma abordagem funcional. Jornal de personalidade e psicologia social , v. 74, n. 6, p. 1516, 1998.

COUTINHO, Maria Chalfin; DIOGO, Maria Fernanda; JOAQUIM, Emanuelle de Paula. Sentidos do trabalho e saber tácito: estudo de caso em universidade pública. Psic: revista da Vetor Editora, v. 9, n. 1, p. 99-108, 2008.

FARIA, Renata Mercês Oliveira de; LEITE, Isabel Cristina Gonçalves; SILVA, Girlene Alves da. O sentido da relação trabalho e saúde para os assistentes em administração de uma universidade pública federal no Estado de Minas Gerais. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 27, p. 541-559, 2017.

FERRARI, Rachele. Voluntariado: uma dimensão ética. 1ª ed. São Paulo: Escuta, 2010.

FINKELSTIEN, Marcia A. Intrinsic vs. extrinsic motivational orientations and the volunteer process. Personality and Individual Differences, v. 46, n. 5-6, p. 653-658, 2009.

IBGE. Agência IBGE Notícias sobre o voluntariado no Brasil. 2018. Disponível em: Acesso em: 10 jul. 2018.

MARCOS, Vanessa; AMADOR, Cláudia. A gestão do voluntariado. Empreendedorismo social em Portugal, 2014.

MARQUES, Maria João Ribeiro. As motivações para o voluntariado: estudo exploratório numa amostra de estudantes do ensino superior politécnico. 2016. Tese de Doutorado. Instituto Politécnico de Coimbra.

MATSUBA, M. Kyle; HART, Daniel; ATKINS, Robert. Psychological and social-structural influences on commitment to volunteering. Journal of research in personality, v. 41, n. 4, p. 889-907, 2007.

NEVES, Nancy de Oliveira. O trabalho social voluntário: uma possibilidade para a formação profissional na universidade. 2006. Monografia de Especialização. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).

NOOR, Khairul Baharein Mohd. Case study: A strategic research methodology. American journal of applied sciences, v. 5, n. 11, p. 1602-1604, 2008.

PENNER, Louis A. Dispositional and organizational influences on sustained volunteerism: An interactionist perspective. Journal of social issues, v. 58, n. 3, p. 447-467, 2002.

PEREIRA, Gabriela Moreira. Análise económica da dimensão relacional do voluntariado. 2015. Tese de Doutorado. Instituto Universitário de Lisboa (IUL).

PILATI, Ronaldo; HEES, Maria Alexandra Gaiofatto. Evidências de validade de uma versão brasileira do Inventário de Funções do Voluntariado-IFV. Psico-USF, v. 16, n. 3, p. 275-284, 2011.

RABELO, André LA; PILATI, Ronaldo. Adaptação e evidências de validade da Bateria de Personalidade Prosocial no Brasil. Psico-USF, v. 18, n. 3, p. 455-468, 2013.

RAMOS, S. P. B. Voluntariado universitário: a solidariedade nos corredores de uma faculdade. 2012. Tese de Doutorado. Universidade da Beira Interior (UBI).

RIBEIRO, Carla Vaz dos Santos; MANCEBO, Deise. The public servant in the labor world Of The 21St century. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 33, n. 1, p. 192-207, 2013.

RODRIGUES, Kleberson Massaro et al. Voluntariado: um estudo bibliométrico e sociométrico da produção científica da temática da Revista Voluntas (1997-2012). Perspectivas Contemporâneas, v. 9, n. 2, p. 150-166, 2014.

SAPIRO, A.; MATTIELLO, R. Voluntariado: benefício a quem presta e a quem recebe. Scientia Medica, v. 26, n. 4, p. 1-5, 2016.

SARDINHA, Boguslawa Maria Barszczak. Voluntariado na economia: um recurso em valorização. Hospitalidade, n. 293, p. 16-21, 2011.

SELLI, L.; GARRAFA, V. Solidariedade crítica e voluntariado orgânico: outra possibilidade de intervenção societária. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 13, n. 2, p. 239-251, 2006.

SODRÉ, M. C. A. (Consult.). Produto 2 - Versão Final: Perspectivas para um sistema nacional de voluntariado. Brasília, 2012. Disponível em: Acesso em: 05 jan. 2018.

THIEL, Renato. Jovens universitários em projetos de voluntariado socioeducativo: perfil, motivações, impactos. 2012. Dissertação de mestrado. Universidade Católica de Brasília.

VITALIS, Aline. A atuação voluntária na administração pública como instrumento de cidadania ativa, à luz do direito português e brasileiro. Revista CEJ, v. 19, n. 66, p. 80-87, 2015.

WILSON, John.Volunteering. Annual Review of Sociology, 26, p. 215–240, 2000.

WILSON, John; MUSICK, Marc. The effects of volunteering on the volunteer. Law and contemporary problems, v. 62, n. 4, p. 141-168, 1999.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i42.1349

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: