Práticas Sociais que Direcionam o Desenvolvimento Sustentável na Agricultura Familiar

Tiago da Silva, Mariana Emídio Oliveira Ribeiro, Bianca Inez Antonioli, Edileuza Valeriana de Farias Venturin

Resumo


A agricultura familiar enfrenta grandes desafios no século XXI, oriunda das crises políticas, econômicas e sociais. Osaspectos sociais influenciam diretamente a população, refletindo assim, na produtividade, no modo de vida e na saúde das pessoas. Diante do exposto, este artigo procurou verificar quais as práticas sociais que os agricultores familiares rurais têm realizado, direcionadas ao desenvolvimento sustentável. Os métodos de estudos foram compostos pela pesquisa qualitativa e exploratória, foram estudos de casos múltiplos, com entrevistas semiestruturadas. Assim,práticas sociais que direcionamo desenvolvimento sustentável da agricultura familiar é fundamentalpara contribuir com meio social e ambiental, nesse âmbito, as famílias organizam-se para prosperarem em comunidade, enriquecendo o estimulo de todos para desenvolveremas atividades, e as melhorias desse núcleo são observadas na construção dos interesses coletivos. Dessa forma, a mobilização sustenta as características dos agricultores e fortalecem o enlace da sociedade,necessários para a agricultura familiar, sendo que a mesma é o alicerce da comunidade, já que é benéfica e tem papel fundamental na vivência de todos.

 

 


Palavras-chave


Agricultura Familiar. Desenvolvimento Sustentável. Práticas Sociais

Texto completo:

PDF

Referências


ALCÂNTARA, P. F. de. Concepções de resíduos sólidos em áreas rurais de Nova Friburgo (RJ, Brasil): do consumo ao manejo. 2010. 137 p. Dissertação (Mestrado em Ciências na área da Saúde Pública e Meio Ambiente) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2010.

Altieri M. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. 5. Ed. Universidade/UFRGS: Porto Alegre, 120p., 2009.

AYRES, R.U. Sustainability economics: Where do we stand? Ecological Economics, v.67, n.2, p.281-310, 2008.

BADUE, A. F. B. Inserção de hortaliças e frutas orgânicas na merenda escolar: as potencialidades da participação e as representações sociais de agricultores de Parelheiros, São Paulo. Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública. São Paulo, 2007. 265p. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo.

BARBOSA, V. IBGE: 58% dos domicílios rurais queimam lixo. 16 de novembro de 2011. Disponível em: http://exame.abril.com.br/mundo/perigo-58-dos-domicilios-rurais-queimam-lixo/. Acesso em: 17 de julho de 2017.

BARBOZA, Aldemir Dantas; SANTOS, Maria Rosalva. Da agricultura familiar convencional à agroecológica: estratégias de desenvolvimento rumo à sustentabilidade. In: 14º Encuentro de Geógrafos de América Latina. Perú, 2013.

BORGES, Judite Ângela Vieira; SANTO, Carlos Eduardo Ribeiro. O desenvolvimento sustentável nas pequenas propriedades agrícolas caracterizadas como agricultura familiar no brasil. XII semana de Economia UESB. 2013.

BOURDIEU, P. A Distinção: crítica social do julgamento. Tradução de Daniela Kern; Guilherme J.F. Teixeira. São Paulo: EdUSP; Porto Alegre: Zouk, 2008.

CHAVES, Adriana de Magalhães e CAMPOS, Ana Luiza Teixeira de (Orgs). Boas práticas em educação ambiental na agricultura familiar: exemplos de ações educativas e práticas sustentáveis no campo brasileiro. Ministério do Meio Ambiente (MMA). Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental.v1. Brasília, 2012.

CAJAIBA-SANTANA, G. 2014. “Social innovation: moving the field forward. A conceptual framework”. Tecnological Forecasting & Social Change, v.82, p.42-51.

CONWAY, G. R. & BARBIER, E. D. After the gere revolution: sustainable agriculture for development. London: Earthscan, 2013.

ELKINGTON, J. Towards the sustainable corporation: Win-win-win business strategies for sustainable development. Califórnia Management Review, v.36, n.2, p.90-100, 1994.

ELKINGTON, J. Cannibals with forks. Canada: New Society, 1999.

ELKINGTON, J. Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron Books, 2001.

FIORINO, D.J. Explaining national environmental performance: Approaches, evidence, and implications. Policy Sciences, v.44, n.4, p.367-389, 2011.

GONZALEZ DE MOLINA, M. Agroecology and politics. How to get sustainability? About the necessity for a political Agroecology. Agroecology and Sustainable Food Systems, v.37, n.1, p. 3-18, 2013.

IBGE. Instituto brasileiro de geografia e estatística. Indicadores de desenvolvimento sustentável: Brasil 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.Disponivel em < http:// www.ibge.gov.br>. Acesso em: 17 junho 2017.

IBGE. Instituto brasileiro de geografia e estatística. Indicadores de desenvolvimento sustentável: Brasil 2017. Rio de Janeiro: IBGE, 2017.Disponivel em < http:// www.ibge.gov.br>. Acesso em: 17 Outubro 2017.

IOV, Instituto Ouro Verde. Apoio ao processo de comercialização. 2017. Disponível em: http://www.iov.org.br/Programa/1/. Acesso em: 20 de junho de 2017.

LIMA, E. M. F. A.; OKUMA, D. G.; PASTORE, M. N. Atividade, ação, fazer e ocupação: a discussão dos termos na Terapia Ocupacional brasileira. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, v. 21, n. 2, p. 243-254, 2013.

LOZANO, R. Towards better embedding sustainability into companies’ systems: an analysis of voluntary corporate initiatives. Journal of Cleaner Production, v.25, n.0, p.14-26, 2012.

LONG, N. Development sociology: actor perspectives. Routledge, 285p., 2001.

MDA. Ministério de desenvolvimento agrário. Conselho nacional de desenvolvimento rural sustentável. Referências para um desenvolvimento territorial sustentável. BRASÍLIA: MDA/SDT, CONDRAF, 2012.

MDA. Ministério do Desenvolvimento Agrário. O que é a agricultura familiar. 6 de setembro de 2016. Adolfo Brito. Disponível em: http://www.mda.gov.br/portalmda/noticias/o-que-%C3%A9-agricultura-familiar. Acesso em: 10 de agosto de 2017.

MEDEIROS, M.; MARQUES, F.C. 2011. “Interfaces e transformações de práticas e conhecimentos na agricultura: um ensaio bibliográfico sobre a emergência das novidades”. Revista IdeAS, v.5, n.1, p.66-90.

MÉNDEZ, V. E.; BACON, C. M.; COHEN, R. Agroecology as a transdisciplinary, participatory, and action-oriented approach. Agroecology and Sustainable Food Systems, v.37, n.1, p. 3-18, 2013.

MELO, L. A. Injustiças de Gênero: o trabalho da mulher na agricultura familiar. Fundação Joaquim Nabuco. Trabalho apresentado no XIII Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, realizado em Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil de 4 a 8 de novembro de 2002.

NEUMAYER, E. The determinants of aid allocation by regional multilateral development banks and United Nations agencies. International Studies Quarterly, v.47, n.1, p.101-122, 2003.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, v.9 n.2, 2003.

PAULUS, G.; SCHLINDWEIN, S. L. Agricultura sustentável ou (re)construção do significado de agricultura? Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Porto Alegre, v. 2, n. 3, p. 44-51, 2001.

PORTAL MATO GROSSO. Geografia de Carlinda. 15/1/2017. Disponível em: http://www.portalmatogrosso.com.br/municipios/carlinda/dados-gerais/pib-produto-interno-bruto/geografia-de-carlinda/740. Acesso em: 30 de março de 2017.

SARTIN, Karla Roberto. Papel das instituições de apoio à economia solidária junto a agricultura familiar: Caso dos produtores agroecológicos do município de Cacoal-RO. In: XXXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, 15 a 18 de outubro de 2012.

SCHNEIDER, S.; GAZOLLA, M. 2011. “Os atores entram em cena”. In: SCHNEIDER, S.; GAZOLLA, M. (Org.). Os atores do desenvolvimento rural: perspectivas teóricas e práticas sociais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p.11-17.

SCHNEIDER, S.; MENEZES, M.A. 2014. “Inovação e atores sociais”. In: SCHNEIDER, S.; MENEZES, M.A.; SILVA, A.G. da. BEZERRA, I. (Org.). Sementes e brotos da transição: inovação, poder e desenvolvimento em áreas rurais do Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p.13-12.

SCHNEIDER et all S.; MENEZES, M.A.; SILVA, A.G. da; BEZERRA, I. 2014. “Semeando sementes e cultivando brotos”. In: SCHNEIDER, S.; MENEZES, M.A.; SILVA, A.G. da; BEZERRA, I. (Org.). Sementes e brotos da transição: inovação, poder e desenvolvimento em áreas rurais do Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p.07-12.

STUIVER, M. et all. The power of Experience: Farmers´ Knowledge and Sustainable Innovations in Agriculture. In: PLOEG, J. D. van der and WISKERKE, J. S. C. (Eds.) Seeds of transition: essays on novelty production, niches and regimes in agriculture. Royal Van Gorcum, 356p., 2004.

TINOCO, J. E. P.; KRAEMER, M. E. P. Contabilidade e gestão ambiental.São Paulo: Atlas, 2004.

VANDERMEER, J.; PERFECTO, I. Complex traditions: intersecting theoretical frameworks in agroecological research. Agroecology and Sustainable Food Systems, v.37, n.1, p. 3-18, 2013.

VIEIRA, P. F. Gestão de recursos comuns para o ecodesenvolvimento. In: VIEIRA, P.F.; BERKES, F. e SEIXAS, C.S. Gestão integrada e participativa de recursos naturais: conceitos, métodos e experiências. Florianópolis: APED e SECCO, 2005.

WEID, Jean Marc von der. Agricultura Familiar: sustentando o insustentável? Agriculturas: Experiência em Agroecologia. Leisa Brasil, v. 7, n. 2, p. 4-7, jul. 2010.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i39.993

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: