Função Sexual e Qualidade de Vida de Mulheres Submetidas à Histerectomia

Jéssika Lange Castro dos Santos, Rosana Porto Cirqueira, Luciana Santos de Albuquerque, Thaís Dutra Rodrigues, Juliana Barros Ferreira

Resumo


Este estudo tem como objetivo analisar a qualidade de vida e a função sexual de mulheres histerectomizadas. Foi realizado um estudo do tipo observacional, transversal e analítico. Utilizou-se como instrumento de coleta de dados um questionário sociodemográfico, além do FSFI que avaliou a função sexual, e o questionário que avalia a qualidade de vida o WHOQOL- bref. A amostra foi composta por 28 mulheres histerectomizadas, casadas, com baixa renda, e idade média entre 40-50 anos. Verificou-se que a qualidade de vida geral foi regular e a maioria das participantes não apresentou disfunção sexual. Na correlação da qualidade de vida e função sexual, obtida através teste U Mann-Whitney, os domínios avaliados não apresentaram significância (p<0,005). Estudos com um acompanhamento de tempo maior são necessários para avaliar a QV e a função sexual destas mulheres submetidas à histerectomia

 

 


Palavras-chave


Disfunção sexual fisiológica. Sexualidade. Histerectomia. Qualidade de vida. Mulheres

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. DATASUS - Departamento de informática do SUS. Ministério da Saúde, 2013. Sistemas de informações hospitalares SUS (SIH/SUS). Disponível em: . Acesso em 28/09/2017.

CORREIA, L. S. et al. Função sexual e qualidade de vida de mulheres: um estudo observacional. Rev Port Med Geral Fam, Lauro de Freitas–BA, v.32, n.6, p.405, 2016.

FALEIROS, N. P. A sexualidade em mulheres submetidas à histerectomia total e subtotal. Rev. Bras. Ginecol. Obstet, São Paulo, vol.33, n.3, p. 151. 2011.

FARIA, K. PEDROSA, L. Avaliação da qualidade de vida e função sexual de mulheres com e sem incontinência urinária. Rev. Eletr. Enf. Uberaba, v.14, n.2. p. 73. abr./jun. 2012.

FRAM, K. M.; SALEH, S. S.; SUMREIN, I. A. Sexuality after hysterectomy at the Hospital of the University of Jordan: a teaching hospital experience. Arch Gynecol Obstet. p.287, v.4, n.8, abr. 2013.

FREITAS, C. B.; GOMES, N. P.; CAMPOS, L. M. Complicações Pós-cirúrgicas da histerectomia: Revisão integrativa. Revista Enferm UFPI, Salvador, v.4, n.3, p.86. jul./set. 2015.

FREITAS, C. B. et al. Complicações Pós-Cirúrgicas da Histerectomia: Revisão Integrativa. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v.30, n.2, p.1-11, abr./jun. 2016.

SBROGGIO, A. M. R. Auto percepção corpórea e sexual de mulheres submetidas à histerectomia. Grupo Editorial Moreira Jr, Campinas, p. 260, 2008.

HENTSCHEL, H. et al. Validation of the female sexual function index (FSFI) for portuguese language. Revista HCPA, v.27, n.1, p.10. 2007.

ILLIANO, E. GIANNITSAS, K.; COSTANTINI, E. Hysterectomy and Sexuality. First Published, Jun. 2016.

KLUIVERS, KB; et.al .Total laparoscopic hysterectomy versus total abdominal hysterectomy with bilateral salpingo-oophorectomy for endometrial carcinoma: a randomised controlled trial with 5-year follow-up.Gynecol Surg; v.8 n.4 p.427, 2011.

LEARMAN, L. A. et al. A randomized comparison of total or supracervical hysterectomy: surgical complications and clinical outcomes. Obstet Gynecol, v.102, p.453. 2003.

LUNELLI, B. P. O impacto da histerectomia abdominal no desempenho/ satisfação sexual. Acm Arq. Catarin. Med, Florianópolis, v. 43, n.1, p. 49-53, jan./ mar. 2014.

NAUGHTON, M. J.; MCBEE, W. L. Qualidade de vida relacionada à saúde pós-histerectomia. Grupo Editorial Moreira Jr, v.40, p. 947. 1997.

PECHORRO, P. et al. Validação portuguesa do Índice de Funcionamento Sexual Feminino (FSFI). Laboratório Psicol, v.7, n.1, p.33-44, 2009.

PEÑA, M. T. C. Histerectomia decorrente de complicações do parto em um grupo de mulheres mexicanas: uma visão sociocultural. Universidade de São Paulo Ribeirão Preto, p. 114, dez. 2004.

PORTELA, E.; SOBRAL, M..; SOTO, G. Problemas sexuais decorrentes da histerectomia. Clin Invest Ginecol Obstet, Espanha, v.42, n. 1, mar. 2015.

REAL, A. A. et al. Os efeitos da histerectomia sobre a sexualidade feminina. Revista Saúde, v.38, n.2, p. 123130, 2012.

SALIMENA, A. M.; SOUZA, I. Cotidiano Da Mulher Pos-Histerectomia à Luz do Pensamento de Heidegger. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasilia, v.63, n.2. 2010.

SILVA, P. L. N. Perfil das mulheres histerectomizadas: uma revisão bibliográfica. EFDeportes.com. Revista Digital, Buenos Aires, v.19, p.191, abr. 2014.

SILVA, C. M. C.; SANTOS, I. M. M.; VARGENS, O. C. A Repercussão da histerectomia na vida de mulheres em idade reprodutiva. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. p.76–82. 2010.

TEIXEIRA, MR. BATISTA, EC. Vivências Cotidianas da Mulher Histerectomizada: Narrativas e Contextos: Rev Enfermagem e Saúde Coletiva. v. 1, n. 2, p. 91, Faculdade São Paulo – FSP, 2016.

TOZO, I. M. et al. Avaliação Da Sexualidade em Mulheres Submetidas à Histerectomia para Tratamento do Leiomioma Uterino. Rev Bras Ginecol Obstet, v.31, n.10, p.503. 2009.

VILLAR, A. S. E.; SILVA, L. R. História de Vidas de Mulheres Submetidas à Histerectomia. Revista Ciência Cuidado em Saúde, v.9, n.3, p.479-486. jul./set. 2010.

YI, Y. X. et al. Laparoscopic-assisted vaginal hysterectomy vs abdominal hysterectomy for benign disease: a meta-analysis of randomized controlled trials. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol, n.1, v.18. p.159. jun. 2011.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i39.986

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: