Percepção dos Idosos Acerca da Atividade Física na Terceira Idade

Naiara Santiago Ferraro, Aldrina da Silva Confessor Cândido

Resumo


O presente estudo teve como objetivo conhecer a percepção dos idosos acerca da atividade física na terceira idade. Trata-se de um artigo de Revisão Integrativa da Literatura de 15 artigos selecionados mediante os seguintes critérios de inclusão: abordar a temática proposta, estar entre os anos de 2011 e 2017, publicados na integra, em português e gratuitos. Os resultados apontaram que, quem mais pratica atividade física são idosos entre 60 e 70 anos, com patologias associadas; a principal atividade é a caminhada, numa rotina de realização de três vezes semanais, tendo a saúde como principal motivação para aderir à atividade física e as condições financeiras como o principal motivo para não aderir. Os benefícios mais citados se referem à socialização e qualidade de vida. Considerou-se queos idosos percebem que,quanto mais aderem a prática de atividade física,melhor é sua qualidade de vida, considerando os aspectos fisiológicos e psicossociais.

 

 


Palavras-chave


Saúde.Qualidade de vida. Terceira idade. Idosos. Atividade física

Texto completo:

PDF

Referências


BUENO, Denise et al. Caminhada e Orientação Profissional: associações com conhecimento das recomendações internacionais e Motivo auto – referido. Educação Física em Revista, v. 7, n. 3, p. 74-85, 2013

CARVALHO, Jessica Belem et al. Motivação na Prática de Atividade Física para IdososParticipantes do Programa Vida Saudável em Parintins/AM. Coleção Pesquisa em educação Física, v.15, n. 2, p.135 – 142, 2016.

CONSTANTINI, Amanda et al. Exercícios Físicos e Fatores de Quedas em Idosos. VOOS Revista Polidisciplinar Eletrônica da Faculdade Guariacá, v.3, n. 2, p.17-30, 2011.

DALVINO, Jéssica Cristrina et al. Os Benefícios da Atividade Física para a Qualidade de Vida dos Idosos e a Interação social. Simpósio de TCC e Seminário. p. 900-908 IC,2016/1º.

FELICIANO, Angelica Fernanda. et al. Bullying na Terceira Idade: Ocorrência na Prática de Atividade Física? Coleção Pesquisa em Educação Física, Várzea Grande - Sp, v. 15, n. 4, p.41-50, 2016.

FERREIRA, Taciany Karine de Almeida et al. Atividade Física na Velhice: Avaliaçãode um Grupo de Idosassobre seus Benefícios. Revista Enfermagem Integrada, Ipatinga - Mg, v. 1, p.1303-1313, 2015.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. Edição 5. Editora Atlas, 2010.

JUNIOR, José Roberto Andrade do NAscimento et al. Impacto na Prática de Atividade Física no Estresse Percebido e na Satisfação de Vida de Idosos. Rev.Educ. Fis/UEM, v. 23, n. 4, p. 647-654, 2012.

JÚNIOR, Vicente F. F. G.; BRANDÃO, Athus B.; ALMEIDA, Francisco J. M. de;

OLIVEIRA, Janaísa G. D. de. Compreensão de Idosos sobre os Benefícios da Atividade Física, Volume 19, Número 3, Páginas 193-198, 2015. ISSN 1415-2177.

LAKATOS, E; MARCONI,M. Metodologia Cientifica.São Paulo: Atlas, 2007.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Atividade física – Folha Informativa n.385. 2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Physical Activity and Older Adults. 2017. Disponível em: http://www.who.int/dietphysicalactivity/factsheet_olderadults/en/

PEREIRA, Diogo Fagundes. Relação entre Atividade Física e Depressão em Idosos: Uma Revisão de Literatura. Corpoconsciência, Cuiabá – MT, v.20, n.03, 22-28, 2016.

PETRY, Ana Laura Nicoletti et al. Influência da Atividade Física em grupos na qualidade de vida e variáveis cardiorespiratórias em idosos institucionalizados. Fisisinectus, São Paulo, v. 1, n. 4, p.23-31, 2016.

PINTO, Lelia Lessa et al. Nível de Atividade Física Habitual e Transtornos Mentais comuns entre Residentes em Áreas Rurais. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p. 819-828, 2014.

REIS, Camila Cristina et al. Prevalência da Prática de Atividade Física e Correlação com a saúde de idosos de uma Cidade no Sul do Brasil.Revista Brasileira de Reabilitação e Atividade Física, Vitória, v. 5, n. 01, p. 27-32, 2016.

ROSSI, Paulo Giusti. et al. Abandono do Idoso á Atividade Física: uma revisão de literatura. Revista Saúde e Desenvolvimento, São Paulo, v. 11, n. 6, p.259-263, 2017.

SÁ, Paulo Henrique Vilela Oliveira de. et al. Atividade Física de Idosos a Promoção de Saúde nas Unidades Básicas.Trabalho Educacional, Rio de Janeiro, v. 2, n. 14, p.545-558, 2016.

SEPULCHRO, Breno do Nascimento et al. Fatores Motivacionais que levam a Prática do Voleibol de Quadra Adaptado á Terceira Idade. Revista Carioca de Educação Física – Rio de Janeiro, v. 12, n. 01, p. 43-51, 2017.

SILVA, Agnes Navarro et al. Fatores Motivacionais Relacionados á Prática de Atividade Física em Idosos. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 21, n. 04, p. 677-685, 2016.

SOUZA, William C. de; MASCARENHAS, Luis P. G.; GRZELCZAK, Marcos T.; JUNIOR, Douglas T.; BRASILINO, Fabrício F.; LIMA, Valderi A. de. Exercício físico na promoção da saúde na terceira idade, Saúde Meio Ambient. v. 4, n. 1, p. 55-65, jan./jun. 2015 ISSN 2316-347X.

TORRES, Ayslan Goncalves et al. Efeitos da Prática de Caminhada de Idosos em Grupo: um olhar do protagonista. J Manag Prim Health Care, v. 4, n. 1, p. 19-26, 2013.

VARGAS, Liane da Silva et al. Influência da Diabetes e a Prática de Exercício Físico e Atividades Cognitivas e Recreativas sobre a Função Cognitiva e Emotividade em Grupos de Terceira Idade. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4,p. 867-878, 2014.

WINTER, Julia et al. Qualidade de Vida de Pessoas Idosas Praticantes ou não Praticantes de Atividades Físicas. PSI UNISC, Santa Catarina do Sul, v.1,n.1, 89- 96, 2017.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i38.973

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Naiara Santiago Ferraro, Aldrina da Silva Confessor Cândido

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A ID on line. Revista de psicologia (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: