O Idoso e as Dores Crônicas: como Viver com Elas

Aline Dantas Carvalho, Érika Pereira de Souza

Resumo


Atualmente existe uma grande preocupação em preservar a saúde e o bem-estar global da população idosa. Com isso, essa pesquisa teve o objetivo avaliar a qualidade de vida das pessoas idosas que apresentam dores crônicas. O estudo Trata-se de uma pesquisa de campo, exploratória, com abordagem quantitativa, realizada nas unidades de saúde do município de Jussiape-Ba, Brasil. Os instrumentos utilizados foram: questionário de qualidade de vida WHOQOL-Bref. Verificou-se que existem quanto à prevalência da dor crônica por local, tabela 1 prevaleceu a coluna lombar com 40%, enquanto a Intensidade da dor foi avaliada na tabela 2, cujo dor insuportável 38,33% dos entrevistados, segundo a tabela 3. a energia que tem é muito suficiente para 63,33%, aparência física, 56,67% muito satisfeito, 73,33% está com suficiência média em dinheiro, 38,33% avalia media disponibilidade das informações e a oportunidades de atividade de lazer 60% diz ser pouca. Foi discutido também sobe o analgésico mais usado para aliviar a dor musculoesquelética. Portanto, mesmo com as obscuridades que rondam a complexidade de se avaliar a dor no idoso, cabe à enfermagem assumir papel preponderante relacionado a esta questão.

 


Palavras-chave


qualidade de vida, dor crônica, relação social

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, L. G; et al. Escala de Locus de controle da dor: adaptação e confiabilidade para idosos. Revista Brasileira Fisioterapia. 2010.

BALBINOT, S.; VELASQUEZ, P.G; DUSMAN, E. Reconhecimento e uso de plantas medicinais pelo idosos do Município de Marmeleiro-Paraná. Rev. Bras. Plantas. med., Botucatu, v. 15, n. 4, supl. 1, 2013.

BASBAUM, A.I; et al. Cellular and molecular mechanisms of pain. Cell, v. 139, n. 2, p.267 – 284. 2009.

Disponível em Acesso em 11 Setembro 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União, 2013.

BRASIL. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico, 2014. Disponível em Acesso em 04 Setembro 2017.

CELICH, K. L. S.; GALON, C. Dor crônica em idosos e sua influência nas atividades da vida diária e convivência social. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 2009.

CUNHA, L. L. MAYRINK W. C. Influência da dor crônica na qualidade de vida em idosos São Paulo, 2011. Disponível em Acesso em 30

Março 2017.

FLECK, M. P. A.; et al. Aplicação da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde WHOQOL-100/Bref. 2000. Disponível em Acesso em 11 Setembro 2017.

MERSKEY, N. B. Classification of chronic pain: descriptions of chronic pain syndromes and definitions of pain terms prepared by the International. Association for the Study of Pain. 2nd ed. Seattle: IASP Press; 1994. Disponível em Acesso em 02 Outubro 2017

OMS – Organização Mundial da Saúde, 7 de Abril de 2012.

PENA, R. F. A. Pirâmide Etária da População Brasileira. Brasil Escola, 2017. Disponível em Acesso em 29 Março 2017.

SANTOS, C. C; et al. Aplicação da versão brasileira do questionário de dor Mcgill em idosos com dor crônica acta fisiátrica, 2006. Disponível em Acesso em 29 Março 2017.

ZIMERMANN, G. I. Velhice: aspectos biopsicossociais. Porto Alegre: Artmed Editora S.A., 2000.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i38.966

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: