Prevalência Relacionada à Dor Lombar em Funcionários de uma Empresa Privada

Virgilio Santana Júnior, Eloar Barros Gigante

Resumo


A dor lombar é a segunda maior causa de visita de pacientes aos médicos, atingindo mais de 80% da população mundial e representando prejuízos financeiros para as empresas, para o governo e para os que sofrem com o problema. A maioria da população tem ou já teve alguma dor na região lombar, sendo considerada uma das principais causas de afastamentos de trabalhadores no Brasil. O objetivo pro presente estudo foi identificar a prevalência de dor lombar não específica e os fatores de riscos associados às mesmas. A pesquisa trata-se de um estudo do tipo descritivo, exploratório, com delineamento transversal e abordagem quantitativa. A pesquisa foi realizada em uma empresa privada na cidade de Vitória da Conquista – BA, no setor do Call Center e Atendimento. A amostra foi composta por funcionários com idade maior ou igual a 18 anos, de ambos o sexo, que apresentou em algum momento dor lombar em seu local de trabalho. Para coleta de dados foi utilizado um questionário sociodemográfico, o questionário de dor de MacGill e a Escala Visual Analógica – EVA. Os dados foram tabulados em forma de gráficos e tabelas e serão analisados de forma descritiva simples a partir da média e desvio padrão. A tabulação será realizada no programa Microsoft Excel 2010. A pesquisa demonstrou que a grande predominância, foi o gênero feminino contendo praticamente 73,3% da amostra. A grande maioria com 71% da amostra queixou-se de dor na região da lombar no período da pesquisa. 98% relataram que a dor lombar não e o motivo principal para se afastar do trabalho. A respeito da avaliação do padrão da dor através do questionário MacGll, 1 (n=22) sendo pulsante a alternativa mais assinalada com 68%; 2. (n=11) pontada com 73%; 3 (n=10) agulhada com 60%; 4 (n=11) fina com 100%; 5 (n=15) aperto com 87%; 6 (n=26) fisgada com 100%; 7 (n=16) queimação com 100%; 8 (n=7) formigamento com 57%; 9 (n=18); dolorida com 72%; 10 (n=6) Esticada com 100%; no que diz respeito no caráter Afetivo os descritores mais escolhidos foram: 11 (n=0); 12( n=0); 13 (n=3) castigante com 3%; 14  (n=3) maldita com 100%; 15 (n=0); Na parte de descritores avaliativos o que mais teve significância foi 16 (n=28) chata com 71%; e nos descritores miscelânea foi 17(n= 3) espalhada com 67%; 18 (n=9) aperta com 78%;19 (n=0); 20 (n=0). Desta maneira, no presente estudo foi possível analisar que na empresa, pela qual foi à base da pesquisa, demonstra que há uma predominância no sexo feminino e que a grande maioria relatou sentir algum tipo de dor nos dias da pesquisa no mês de julho. Muitos relatam que a dor lombar não e o motivo principal para se afastar do trabalho e que na maioria das vezes não procuram um profissional capacitado para diagnosticar e nem tratar tal situação quando sentem.

 

 


Palavras-chave


Lombar, Unimed e Funcionário

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO M. L. G. R, Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalgia crônica. Acta Ortop Bras. 2013.

ALMEIDA, T. R. S. H. et al. (In: Memo) Hérnia de disco lombar: Riscos e prevenção, 2014.

AMARAL, João J. F. Como fazer uma pesquisa bibliográfica. Ceará: UFC, 2007. p 1

ANJOS, G. C. M.; PASSOS, V.; DANTAS, A. R. Fisioterapia aplicada à fase gestacional: uma revisão da literatura. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Fisioterapia) – Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco, 2015.

BASTOS, A. V. B., RODRIGUES, A. C. A., MOSCON, D. C. B., SILVA, E. E. C., & PINHO, A. P. M. Comprometimento no trabalho: Fundamentos para a gestão de pessoas. In L. O. Borges, & L. Mourão (Orgs.), O trabalho e as organizações: Atuações a partir da psicologia (pp. 279-310). Porto Alegre: Artmed. 2013.

BRASIL, INSS, LER/ DORT Programa de Prevenção. São Paulo – SP, 2016.

BRITO, Maria Inês Meira Santos. (In:memo) Sustentabilidade e Meio Ambiente. 2014.

FERREIRA, M. S, NAVEGA, M. T. Efeitos de um programa de orientação para adultos com lombalgia. Acta Ortop Bras. 2014.

FERREIRA P, FERREIRA M, MAHER C et al. – Changes in recruitment of transversus abdominis correlate with disability in people with chronic low back pain. Br J Sports Med, 2010:605-614.

FRASSON, Viviane Bortoluzzi . Dor lombar: como tratar? ISBN: 978-85-7967-108-1 Vol. 1, Nº 9 Brasília, junho de 2016.

HOY D, March L, BROOKS P, WOOLF A, Blyth F, Vos T, et al. Measuring the global burden of low back pain. Best Pract Res Clin Rheumatol 2010;

KUIJPERS T, VAN MIDDELKOOP M, RUBINSTEIN SM ET AL. – A systematic review on the effectiveness of pharmacological interventions for chronic non-specific low-back pain. Eur Spine J, 2011

LEMOS, L. C.; MARQUEZE, E. C.; MORENO, C. R. C. Prevalência de dores musculoesqueléticas em motoristas de caminhão e fatores associados. Rev.

Bras. Saúde Ocup. v. 39, n. 129, p. 26-34. 2014.

LÜDKE, M. & ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU, p.45, 1986.

NASCIMENTO PRC, COSTA LO Prevalência da dor lombar no Brasil: uma revisão sistemática Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 31(6):1141-1155, jun, 2015.

MACEDO E, BLANK VLG. Processo de trabalho e prevalência de dor lombar em motoristas de caminhões transportadores de madeira no sul do Brasil. Cad Saúde Coletiva. 2006;14:435-50.

MACIEL ACC, FERNANDES MB, MEDEIROS LS. Prevalência e fatores associados à sintomatologia dolorosa entre profissionais da indústria têxtil. Rev Bras Epidemiol 2006

MARTINEZ, J. E.; GRASSI, D. C.; MARQUES, L. G. Análise da aplicabilidade de três instrumentos de avaliação de dor em distintas unidades de atendimento: ambulatório, enfermaria e urgência. Rev. Bras. Reumatol. v. 51, n. 4, p. 299- 308. 2011.

MELZACK, R. The short-form of McGill pain questionnaire, Pain, v.30 , p. 191-7, 1987.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 6. ed. Petrópolis: Editora Vozes. 2007.

TEIXEIRA, M. J.; FIGUEIRÓ, B. J. A. Dor - Epidemiologia, Fisiopatologia, Avaliação,Síndromes Dolorosas e Tratamento. São Paulo: Grupo editorial Moreira Júnior, 2013.

TEIXEIRA, Daniella Stefany Soares. Análise da mobilidade da cintura pélvica na redução da lombalgia em pacientes com hérnia de disco. FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE – FAINOR. Monografia do Curso de Fisoterapia. Vitória da Conquista, BA, 2016.

TOMÉ F, FERREIRA C. B, CORNELLI, R. J. B., CARVALHO, A. R. Lombalgia crônica: comparação entre duas intervenções na força inspiratória e capacidade funcional. Fisioter Mov. 2012

REIS PF, MORO ARP, CONTIJO LA. A importância da manutenção de bons níveis de flexibilidade nos trabalhadores que executam suas atividades laborais sentados. Rev Prod On Line 2003.

SACCO ICN, ALIBERTI S, QUEIROZ BWC, PRIPAS D, KIELING I, KIMURA AA et al. A influência da ocupação profissional na flexibilidade global e nas amplitudes angulares dos membros inferiores e da lombar. Rev Bras Cineantropom Desempenho Humano 2009.

THORBJORNSSON CB, ALFREDSSON L, FREDRIKSSON K, MICHELSEN H, PUNNET L, VINGARD E, et al. Physical and psychosocial factors related to low back pain during a 24-year period. A nested case-control analysis. Spine 2000.

TOSCANO, J.J.O and EGYPTO, E. P.A influência do sedentarismo na prevalência de lombalgia. Rev Bras Med Esporte[online]. 2001.

VAN MIDDELKOOP M, RUBINSTEIN SM, VERHAGEN AP Et al. – Exercise therapy for chronic nonspecific low-back pain. Best Practice Res Clin Rheumatol, 2010.

XAVIER, T.T; TORRES, G.V and ROCHA, V. M.Qualitative and quantitative aspects of pain in lateral posterior thoracotomy patients. Rev. LatinEnfermagem [online]. 2006.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i38.958

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: