Sistematização da Assistência de Enfermagem em Mulheres com Sintomatologia Depressiva: Uma Revisão Sistemática

Thainá Emí Barreto Gomes, Olguimar Pereira Ivo

Resumo


A depressão, mais conhecida como o mal do século, é uma doença de caráter público que tem crescido no decorrer dos anos. Metodologia: Trata-se de uma revisão sistemática da literatura baseada em evidências científicas, elencadas por meio de publicações, com informações que validam originalmente os resultados de pesquisas qualitativas ou quantitativas. Os bancos de dados utilizados foram: Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), LILACS e Google Acadêmico. Resultados: as assistências de enfermagem aplicadas em mulheres com depressão encontradas nesta revisão encontradas foram: escuta qualificada, musicoterapia, terapia cognitiva comportamental, biodança e auxilio na terapia medicamentoso. Conclusão: Entende-se que os resultados dos estudos analisados mostram a importância do profissional da enfermagem no cuidado e acolhimento dessas pacientes.

 

 


Palavras-chave


Depressão; Mulheres; Sistematização da assistência de enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, Bárbara P.; MENDES, Maria M. R.; JORGE, Maria S. B.; RODRIGUES, Maria S. P. Significado da Biodança como fonte de Liberdade e Autonomia na auto-reconquista no Viver Humano. Revista Texto & Contexto Enfermagem. Florianópolis, p 48 – 54, n. 15, 2006.

American PsychiatryAssociation. DiagnosticandStatistical Manual of Mental disorders - DSM-5. 5th.ed. Washington: American PsychiatricAssociation, 2013.

American PsychologicalAssociation. Policystatementonevidence-basedpractice in psychology. American PsychologicalAssociation; 2005.

ANDERSON CA; LIESER C. Prenatal depression: Early intervention. The Nurse Practitioner. Vol. 40, No. 7. 2015.

Associação Brasileira de Psiquiatria - ABP. OMS: depressão será a doença mais comum do mundo em 2030 [Internet]. Teresina PI, 2014. Disponível em:

http://www.capitalteresina.com.br/noticias/saude/oms-depressao-sera-a-doenca-mais-comum-do-mundo-em-2030-21064.html

Beckie, T. M.; Beckstead, J. W.; Schocken, D. D.; Evans, M. E.; Fletcher G. F. The effects of a tailored cardiac rehabilitation program on depressive symptoms in women: A randomized clinical trial. International Journal of Nursing Studies 48 (2011) 3–12. 2011.

CÂMARA, Yzy Maria Rabelo; CAMPOS, Maria dos Remédios Moura. Musicoterapia como recurso terapêutico para a saúde mental. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/BrazilianJournalof Mental Health, v. 5, n. 12, p. 94-117, 2013.

CARDOSO AJS. A utilização da música como coadjuvante terapêutico na Saúde Mental e Psiquiatria. Universidade Fernando Pessoa; Faculdade de Ciências da Saúde. 2010

DE ALMEIDA, Mariana Figueiredo Inez et al. Depressão do idoso: o papel da assistência de enfermagem na recuperação dos pacientes depressivos. Revista Eletrônica Interdisciplinar, v. 1, n. 11, 2014.

DE CARVALHO DRS. Redescobrindo a Enfermagem de Saúde Mental. Instituto Politécnico de Leiria- Escola Superior de Saúde. 2015.

Dias MMG. Intervenção em Enfermagem de saúde mental e Psiquiátrica num centro de dia do concelho de Oeiras. Universidade Católica Portuguesa Instituto de Ciências da Saúde. 2011.

DOMINGUES HED. Reabilitação Psicossocial do Doente com Depressão. UNIVERSIDADE DE ÉVORA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM SÃO JOÃO DE DEUS. 2016.

DUAILIBI, Kalil; DA SILVA, Anderson Sousa Martins. Depressão: critérios do DSM-5 e tratamento. Rev. Bras. Clin. Terap, v. 40, n. 1, p. 27-32, 2014.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila

Elias MTMNC. As Técnicas de Relaxamento como Instrumento Terapêutico de Enfermagem em Pessoas com Sofrimento Mental. Escola Superior de Enfermagem de Lisboa. 2014.

Fontes, F. S.; Silva, I. A.; Ribeiro, I. B.; Lima, G. P. V.; Guida, N. F. B. O cuidado de enfermagem e sua contribuição para prevenir a depressão pós-parto na adolescência. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online. 2010

GONÇALVES, RMDA. Ações dos Enfermeiros em Saúde Mental na Estratégia Saúde da Família. Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP) (Biblioteca Frei Eugênio, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, MG, Brasil). 2009

GUEDES, C.R; ALVARENGA, B.D.D; ROTELLA, I; VILELLA, D.V.A.L. Habilidades do Enfermeiro no Diagnóstico e Cuidado ao Portador de Depressão. Revista Ciências em Saúde v5, n 4, 2015. Minas Gerais, Brasil

HOFMANN SG, ANU ASNAANI MA, HINTON DE. Cultural aspects in social anxietyand social anxietydisorder.DepressAnxiety 2010; 27(12): 1117-27.

MENDES AMOC; EUFRÁSIO MLP. Análise compreensiva de uma intervenção na ansiedade e depressão em doentes hospitalizados com insuficiência cardíaca. Revista de Enfermagem Referência. 2013.

Métodos de pesquisa / [organizado por] Tatiana Engel GERHARDT e Denise Tolfo

SILVEIRA; coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Republicada em 21 de maio de 2013. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, 2011.

OPAS/OMS. Programa de Salud Mental, División de Promócion de Salud. Modelo para lacapacitación de laenfermeria general en al identificación y manejo de los transtornos afectivos. Generalista I; 1997.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

PEREIRA, I. F; FARIA, L. C; VIANNA, R. S. M; CORRÊA,P. D. S; FREITAS,D. A;

SOARES, W. D. Depressão e uso de medicamentos em profissionais de enfermagem. Arq. Ciênc. Saúde. 2017 jan-mar; 24(1) 70-74

REIS LA; BRITO FR; MOREIRA VS; AGUIAR ACSA. Atuação do Enfermeiro do Programa de saúde da Família frente ao indivíduo portador de transtorno mental. C&D-Revista Eletrônica da Fainor, Vitória da Conquista, v.6, n.2, p.175-187, jul./dez. 2013.

RODRIGUES VMSF. PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL DAS PROFESSORAS DO ENSINO BÁSICO: Contributos do Enfermeiro Especialista nos Cuidados de Saúde Primários. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. 2017.

Santiago A, Holanda AF. Fenomenologia da depressão: uma análise da produção acadêmica brasileira.RevAbordagemGestált. 2013;19(1):38-50.

SANTOS MLF. Dançar a vida em Saúde Mental: A biodanza enquanto estratégia em reabilitação Psicossocial. Internacional Biocentric Foundation Escola de Biodanza SRT de Portugal. 2017.

SEQUEIRA, C. Editorial: Consensos em Saúde Mental – Diagnósticos, Intervenções e Resultados. 2014.

Silva MCF, Furegato ARF, Costa ML Júnior. Depressão: pontos de vista e conhecimento de enfermeiros da rede básica de saúde.Rev Latino-am Enfermagem 2003 janeiro-fevereiro; 11(1):7-13.

SMITH M. Collaborative Care Models for Late-Life Depression and Anxiety. Journal of Gerontological Nursing. Vol. 36, No. 9, 2010. 2010

SOUTHWICK SM, CHARNEY DS. The Science ofresilience: implications for thepreventionandtreatmentofdepression.Science 2012; 338(6103): 79-82

Souza AJF, Matias GN, Gomes KFA, Parente ACM. A saúde mental no Programa de Saúde da Família. Ver Bras. Enfermagem 2007 julho-agosto; 60(4):391-5.

Waidman MAP. Marcon SS, Pandini A, Bessa JB, Paiano M. Assistência de enfermagem às pessoas com transtornos mentais e às famílias na atenção básica.Acta Paul Enferm. 2012;25(3):346-51.

ZAMMIT S, OWEN MJ. Stressfullifeevents, 5-HTT genotypeandriskof depression.Br J Psychiatry 2006; 188: 199-201

ZARAGOZA LG. Proposta de intervenção para qualificar a atenção a pessoas com transtornos de saúde mental na área de abrangência da equipe de Saúde da Família Cruzeiro do Sul. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. 2017.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i38.957

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: