Violência Obstétrica e suas Influências na Vida de Mulheres que Vivenciaram essa Realidade

Mágda Jardim Rocha, Erika Porto Grisi

Resumo


Este estudo objetiva analisar as consequências da violência obstétrica na vida de mulheres que vivenciaram essa experiência. Trata-se de um estudo descritivo-exploratório com abordagem qualitativa, realizado com sete mulheres participantes do grupo Cirandeiras - Apoio ao Parto Humanizado e à Maternidade Ativa, no município de Vitória da Conquista- BA. A coleta de dados foi realizada através de entrevista gravada, contendo 14 perguntas abertas. Posteriormente os dados foram transcritos e analisados segundo o referencial de Bardin. A maioria das puérperas entrevistadas relataram ter conhecimento acerca da violência obstétrica e sofreram violência durante o parto. Os sentimentos desencadeados mencionados foram de frustação, impotência e revolta em relação aos profissionais. Apesar das situações vivenciadas ter afetado negativamente suas vidas, a grande maioria não desenvolveu traumas. Somente duas mulheres afirmaram se sentir traumatizadas em relação à episiotomia, por esta afetar sua vida sexual e emocional, não conseguindo ver com bons olhos essa experiência.

 

 


Palavras-chave


violência obstétrica; conhecimento de puérperas; consequência da violência; saúde da mulher

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, E. M; RODRIGUES, M. S. Violência obstétrica durante o processo de parturição: relato de mulheres de uma unidade de saúde do interior de Minas Gerais. Revista Brasileira de Ciências da Vida. v. 5, n. 2, p. 1-29, jul. 2017.

ANDRADE, B. P.; AGGIO, C. M. Violência obstétrica: a dor que cala. In: SIMPÓSIO GÊNERO E POLÍTICAS PÚBLICAS, 3, 2014. Anais... Universidade Estadual de Londrina, 2014. p.27- 29.

BARDIN L. Análise de conteúdo. Lisboa: Ed. 70, 2011.

COSTA, L. M. et al. Episiotomia no parto normal: incidência e complicações. Revista Cultural e Científica, UNIFACEX, v. 13, n. 1, p. 173- 187, 2015.

CUNHA, C. C. A. Violência obstétrica: uma análise sob o prisma dos direitos fundamentais. 2015. 46 f. Monografia (Bacharelado em Direito) - Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

ESTUMANO, V. K. C. et al. Violência obstétrica no Brasil: casos cada vez mais frequentes. Revista Recien. São Paulo, v. 7, n. 19, p. 83-91, 2017.

JUÁREZ, D. et al. Violencia sobre Lasmujeres: herramientas para eltrabajo de los equipos comunitarios. Buenos Aires: Ministerio de Salud de la Nación, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2017.

LOPES, C.V; et al. Experiências vivenciadas pela mulher no momento do parto e nascimento de seu Filho. Cogitare enferm. v. 14, n. 3, p. 484-90, jul./set. 2009.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal.Conitec. Relatório de Recomendação. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Jan./2016. Disponível em:. Acesso em: 10 out. 2017.

MEDEIROS, N. C. M. et al. Violência obstétrica: percepções acerca do parto normal. Rev. Tem em Saúde, João Pessoa, v. 16, n. 3, p. 503-528, 2016.

¬¬¬¬¬¬MUNIZ, B. M. V.; BARBOSA, R. M. Problematizando o atendimento ao parto: cuidado ou violência? In: Memorias convención internacional de salud pública. Cuba Salud, 2012.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. Genebra, Suíça: OMS, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2017.

PALMA, C. F.; DONELLI, T. M. S. Violência obstétrica em mulheres brasileiras. Psico, Porto Alegre, v. 48, n. 3, p. 216-230, 2017.

PEREIRA, J. S. et al. Violência obstétrica: ofensa à dignidade humana. Braz. Journal Surg. Clin. Res., v. 15, n.1, p.103-108, jun./ago. 2016.

PÉREZ, B. O.; OLIVEIRA, E. V.; LAGO, M. S. Percepções de puérperas vítimas de violência institucional durante o trabalho de parto e parto. Rev Enferm Contemporânea, v. 4, n.1, p. 66-77, jan./jun. 2015.

PROGIANTI, J. M.; ARAUJO, L.M.; MOUTA, R. J. O. Repercussões da episiotomia sobre a sexualidade. Esc. Anna Nery [online], v. 12, n.1, p.45-49, 2008.

REDE PARTO DO PRINCÍPIO. Violência Obstétrica “Parirás com dor”: dossiê elaborado para a CPMI da violência contra as mulheres. Brasília: Senado Federal, 2012.

SCHWAB, W.; MARTH, C.; BERGANT, A.M. Post traumatic stress disorder post partum. Geb. Fra. Science, v. 72, p. 56-63, 2012.

SOARES, P. B. et al. Violência obstétrica e suas implicações. Revista Norte Mineira de Enfermagem, p. 93-94, 2015.

SOUZA, K. J. Violência institucional na atenção obstétrica: proposta de Modelo preditivo para depressão pós-parto. 2014. 106 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) -Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

SOUZA, K.J.; RATTNER, D.; GUBERT, M.B. Institutional violence and quality of service in obstetrics are associated with pospartum depression. Rev. Saúde Pública. 2017.

SOUZA, A. C.A.; VALENTE, M.B.B. Violência Obstétrica: Um desafio para psicologia. Rev Humanae. Questões controversas do mundo contemporâneo, v. 10, n. 1, 2016.

TESSER, C. D. Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Revista Bras. Med. Fam. Comunidade. Rio de Janeiro, p. 1-12, 2015.

ZAMBALDI, C. F.; CANTILINO, S, A.; SOUGEY, E. B. Parto traumático e transtorno de estresse pós-traumático: revisão da literatura. J. bras. psiquiatr. [online], v. 58, n. 4, p. 252-257, 2009. Disponível em: www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v58n4/a06v58n4.pdf>. Acesso em: 10 out. 2017.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i38.931

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: