Timed Up and Go em Idosos Residentes na Comunidade

Rubiele Almeida Prado, Kleyton Trindade Santos, Luciana Araújo dos Reis, Karla Cavalcante Silva de Morais, Andressa Porto Dutra, Sabrina Almeida Porto

Resumo


Objetivo: avaliar os idosos segundo o Timed Up And Go verificando o tempo médio e classificação do risco de quedas. Materiais e Métodos: estudo transversal, descritivo, vinculado à pesquisa intitulada “Quedas e fatores associados em idosos”, aprovada através do CAAE: 62170516.4.0000.5578. Foi realizada em uma Unidade de Saúde da Família, no município de Vitória da Conquista/BA, e contou com uma amostra composta por 45 idosos. Os participantes responderam um questionário sociodemográfico, acrescido do Mini Exame do Estado Mental, e aplicação do Timed Up and Go. Resultados: a maioria dos idosos era do sexo feminino, e 51,1% apresentaram moderado risco de quedas. O tempo de realização do teste foi menor para homens e grupo etário de 60-69 anos. Conclusão: conclui-se que mais da metade dos idosos avaliados apresentaram moderado risco de quedas e que as mulheres e indivíduos acima dos 70 anos apresentam uma média maior de tempo para a realização do teste. 


Palavras-chave


Palavras-Chave: Acidentes por queda; Idoso; Locomoção.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, H.C.A et al. Incidência e fatores preditores de quedas de idosos hospitalizados. Cuiabá-MT: Rev Saúde Pública, 2015. 49-37 p.

ALVES, A.H.C et al. Ocorrência de quedas entre idosos institucionalizados: prevalência, causas e consequências. João Pessoa-PB: J. Res.: Fundam. Care. Online, 2016. 4376-4386 p. v. 8(2).

ANSAI, J.H et al. Revisão de dois instrumentos clínicos de avaliação para predizer risco de quedas em idosos. Rio de Janeiro: Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, 2014. 177-189 p. v. 17(1).

BRETAN, O et al. Risk of falling among elderly persons living in the community: assessment by the Timed up and go test. Distrito de Rubião Júnior: Brazilian Journal Of Otorhinolaryngology, 2012. v. 79(1).

COSTA, F.B.S; SOUSA, Brenda Rocha. Teste timed up and go como medida da mobilidade funcional e do equilíbrio em idosos: revisão de literatura. [S.l.]: Revista Eletrônica Acervo Saúde, 2016. 134-140 p. v. 4.

GASPAROTTO, L.P.R ; FALSARELLA, Gláucia Regina ; COIMBRA, Arlete Maria Valente . As quedas no cenário da velhice: conceitos básicos e atualidades da pesquisa em saúde. Rio de Janeiro: Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, 2014. 201-209 p.

LEITÃO, M.B et al. Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Atividade Física e Saúde na Mulher. Rio de Janeiro: Rev Bras Med Esporte, 2000. v. 6.

LUZ, E.P da et al. Perfil sociodemográfico e de hábitos de vida da população idosa de um município da região norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Rio de Janeiro: Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, 2014. 303-314 p. v. 17(2).

MELO, B.R.S; SANTOS, P.R.S; GRATÃO, A.C.M. Fatores de risco extrínsecos para quedas em idosos: uma revisão bibliográfica. [S.l.]: Revista Eletrônica Acervo Saúde, 2014. 695-703 p. v. 6(2).

PRESTA, S.A et al. Caracterização e condições de saúde dos idosos do município de passo fundo, no Rio Grande do Sul. [S.l.]: Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 2011. v. 29.

PODSIADLO D, RICHARDSON S. The timed “Up & Go”: a test of basic functional mobility for frail elderly persons. J AmGeriatr Soc. 1991;39(2):142-8.

SILVA, C.S et al. Relação dos testes timed up and go e velocidade de marcha nos estágios do envelhecimento. Pampa: Anais do 8º Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão – Universidade Federal do Pampa, 2015.

SILVA, I.A et al. Efeito de um protocolo de Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva (FNP) no equilíbrio postural de idosas. [S.l.]: Fisioter Pesqui., 2017. 62-67 p.

WAMSER, E.L et al. Melhor desempenho no teste timed up and go está associado a melhor desempenho funcional em idosas da comunidade. [S.l.]: Geriatr Gerontol Aging, 2013. 138-43 p. v. 9.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i38.926

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: