A Inclusão de Alunos com Altas Habilidades/Superdotação na Educação Básica: Um Desafio à Prática Pedagógica

Paula Renata Bezerra Xavier Sá

Resumo


O presente artigo discute os princípios básicos da Educação Inclusiva, mas especificamente de alunos com Altas Habilidades/Superdotação, no tocante à necessidade e desafios para formar cidadãos. Esta pesquisa é de caráter bibliográfico e qualitativo e tem por objetivo analisar, conhecer e entender como a inclusão de alunos com Altas Habilidades e/ou Superdotação na Educação Básica se concretiza, pois acredita-se que toda criança deve ter o direito de estar inserida num programa educacional, independente de suas possibilidades de aprendizagens. Vale ressaltar que esse documento apresenta-se com a base teórica e metodológica em: Alencar (2007), Guenther (2000), Gardner (2000), Renzulli (2001), dentre outros. Observou-se no presente estudo que as crianças com Altas Habilidades/Superdotação, são aquelas que têm uma inteligência aguçada, sabem coisas demais precocemente e são taxadas como esquisitas e estranhas. Deste modo, entende-se, que a função da escola e, a função do professor frente à essa inclusão, é buscar compreender como esta se efetiva.



Palavras-chave


Inclusão Escolar. Altas Habilidades/Superdotação. Desafios da Prática

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOWICZ, Jaqueline (org.) Para além do fracasso escolar. Campinas, SP: Papirus, 1997.

ALENCAR, E. M. L. S. Características sócio-emocionais do superdotado: questões atuais. Revista psicologia em estudo, Maringá, v. 12, n. 2, p. 371-378, maio/ago.2007.

BRANCHER, Vantoir Roberto e FREITAS, Soraia Napoleão de. Altas Habilidades/Superdotação: Conversas e Ensaios Acadêmicos/ Vantoir Roberto Brancher e Soraia Napoleão de Freitas. Jundiaí, Paco Editorial: 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Projeto Escola Viva: Garantindo o Acesso e Permanência de Todos Alunos na Escola: Alunos com Necessidades Educacionais Especiais. Brasília: MEC, SEE, 2002 b.

Brasil. Secretaria de Educação Especial. Política nacional de educação especial: livro 1. Brasília: MEC/SEESP, 1994.

__________________ (2001). Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica – Resolução nº 02 de 11 de setembro de 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

GARDNER, H. Estruturas da mente: a teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

GUENTHER, Z.C. Desenvolver capacidades e talentos: um conceito de inclusão. Petrópolis: Vozes, 2000.

LANDAU, E. A coragem de ser superdotado. Tradução de Sandra Miessa. São Paulo: CERED, 1990.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Diário Oficial, nº 248, de 23/12/1996.

MANTOAN, M. T. E. (org.). Pensando e Fazendo Educação de Qualidade. São Paulo: Moderna, 2001.

Ministério da Educação (1995). Diretrizes gerais para o atendimento educacional aos alunos portadores de altas habilidades/superdotação e talentos. Brasília: Secretaria de Educação Especial.

MITTLER, Peter. Educação Inclusiva: Contextos Sociais. Edditota: Artmed, São Paulo, 2003.

RENZULLI, J.S. Os fatores da excepcionalidade, in Anais do XIV Congresso Mundial de Superdotação e Talento, Espanha: Barcelona, 2001.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 8ª Ed. Rio de Janeiro: WVA, 2010.

______.Secretaria de Educação Especial. Subsídios para a organização e funcionamento de serviços de educação especial: Área de Altas Habilidades. Brasília: MEC/SEESP, 1995.

______.Secretaria de Educação Especial. Diretrizes gerais para o atendimento dos alunos portadores de altas habilidades, superdotação e talento. Brasília: MEC/SEESP, 1996.

_______.Secretaria de Educação Especial. Programa de capacitação de recursos humanos do ensino fundamental: superdotação e talento vols.1 e 2. Brasília: MEC/SEESP,1999.

UNESCO & MEC-Espanha. Declaração de Salamanca e linha de ação. Brasília: CORDE,

WERNECK, Cláudia. Quem cabe no seu “Todos”? Rio de Janeiro: WVA, 1999.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i38.914

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: