Violência doméstica entre parceiros íntimos: Questões culturais e sociais acerca dos homens autores de violência

Marjane Bernardy Souza, Márcio dos Santos Silva, Gabriela Silva de Abreu

Resumo


O objetivo deste estudo foi o de identificar questões sociais e culturais que expliquem os altos índices de violência contra as mulheres, provocados por seus parceiros, assim como delinear o perfil dos agressores que cometem tais atos e entender os principais fatores que motivam o surgimento da violência. Utilizou-se como método uma revisão sistemática para levantar as produções científicas, através da base de dados LILACS – Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde, entre os anos de 2012 e 2016, no idioma português. As buscas foram realizadas através de palavras-chave, cinco artigos corresponderam aos critérios e objetivos. Inúmeros artigos focam nas consequências e formas de enfrentamento realizados por equipes multidisciplinares ao combate à violência e/ou diminuição do sofrimento causado por esta a essas mulheres. Em contrapartida, são poucos os trabalhos publicados que procuram explicar os motivos que levam os homens a cometerem tais tipos de violência contra suas companheiras.


Palavras-chave


violência doméstica, violência contra a mulher, violência de gênero, homens agressores.

Texto completo:

PDF

Referências


ACOSTA, Daniele Ferreira; GOMES, Vera Lúcia de Oliveira; FONSECA, Adriana Dora da; GOMES, Giovana Calcagno. Violência Contra A Mulher Por Parceiro Íntimo: (In)Visibilidade Do Problema. Revista Contexto Enfermagem, Florianópolis, Jan-Mar; 24(1), 2015.

ALVES, Rejane Aparecida et al. Men, victims and perpetrators of violence: the corrosion of public space and the loss of the human condition. Interface - Comunicação, Saúde e Educação, out./dez. - 2012.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. Roberto Raposo. 10ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

ARISTÓTELES. A Política. Editora EDIPRO – São Paulo, 2009. ISBN: 8572836128

BLUCHE, Fréderic; RIALS, Stéphane; TULARD, Jean. Revolução Francesa. L&PM Editores, Ed.1, 2009. ISBN: 8525418676

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

_______. Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (CEDAW, 1979) – promulgada pelo Decreto nº 89.460, de 20/03/1984. Coleção de Leis do Brasil - 1984, Página 323 Vol. 2. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1980-1987/decreto-89460-20-marco-1984-439601-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em 09 de outubro de 2016.

_______. Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006: cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal. Brasília (DF); 2006. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm. Acesso em: 12 de set. de 2016.

CAMPOS, Amini Haddad. Violência institucional de gênero e a novel ordem normativa: inovações processuais na Lei Maria da Penha. In: LIMA, Fausto Rodrigues de; SANTOS, Claudiene. (Coord.). Violência doméstica: vulnerabilidades e desafios na intervenção criminal e multidisciplinar. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

CASTRO, Roney Polato de. “O homem pode tudo”... “A mulher é um sexo inferior!”...: Discutindo Sexismo, Machismo E Violência Contra As Mulheres Na Formação em Pedagogia. Simpósio Internacional de Educação Sexual: Feminismos, identidades de gênero e políticas públicas. Paraná, 2015.

CONNELL Robert.; MESSERSCHMIDT James. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, Jan.-Abr, 2013.

CORSI, Jorge. Modelos de intervención con hombres que ejercen violencia en la pareja. Feminismo/s, Buenos Aires, 2005.

DATASENADO. Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Secretaria de Transparência, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 de outubro de 2016.

DOURADO Suzana de Magalhães; NORONHA Ceci Vilar. A face marcada: as múltiplas implicações da vitimização feminina nas relações amorosas. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 24 [ 2 ]: 623-643, 2014.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª.ed. São Paulo: Editora Atlas, 2010.

GOMES, Isabelle; CAMINHA, Iraquitan. Guia para estudos de revisão sistemática: uma opção metodológica para as Ciências do Movimento Humano. Revista Movimento - Porto Alegre, jan/mar, 2014. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/Movimento/article/viewFile/41542/28358. Acesso em: 01 de novembro de 2016.

IBGE - Pesquisa nacional de saúde. Brasil, grandes regiões e unidades da federação. – Rio de Janeiro : IBGE, 2011.

______. -Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2014. Breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. – Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

LACERDA, Larissa; COSTA, Nazaré. Relação entre comportamentos emocionais ciumentos e a violência contra a mulher. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, Vol. XV, nº 3, 2013.

LOPES, Paulo Victor (org.) Atendimento a homens autores de violência doméstica: desafios à política pública. Rio de Janeiro - Iser, 2013, ISBN: 9788576190165

MALLMANN, Cléo José. Ciúmes: do normal ao patológico. Estud. psicanal. Nº. 43 - Belo Horizonte, jul., 2015.

MOURA, Erly. Perfil da situação de saúde do homem no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz - Instituto Fernandes Figueira, 2012.

OLIVEIRA, Érika Cecília. "Eu também sei atirar"!: Reflexões sobre a Violência contra as Mulheres e Metodologias Estético Políticas. Revista PSICOLOGIA: CIÊNCIA E PROFISSÃO, 34(3), 2014.

OLIVEIRA, Elisa Rezende. Violência doméstica e familiar contra a mulher - um cenário de subjugação do gênero feminino. Revista do Laboratório de Estudos da Violência da UNESP/Marília - Revista LEVS/UNESP - Marília – Edição 9 – Maio, 2012.

ONU - ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Server Brasil. Disponível em https://nacoesunidas.org/brasil-a-cada-6-horas-uma-mulher-e-assassinada-por-um-agressor-conhecido-alerta-onu-mulheres/, 2016. Acesso em: 12 de set. de 2016.

____ - United Nations - UN. Convention on the Elimination of All Forms of Discrimination against Women. New York, 18 December, 1979. Disponível em: http://www.un-documents.net/cedaw.htm. Acesso em: 09 de outubro de 2016.

PENHA, Maria da. Sobrevivi... Posso Contar – Armazém da Cultura, ISBN: 9788584920099 – São Paulo, 2009.

PINAFI, Tânia. Violência contra a mulher: políticas públicas e medidas protetivas na contemporaneidade. Revista Histórica do Estado de São Paulo, 2012. Disponível em: http://www.historica.arquivoestado.sp.gov.br/materias/anteriores/edicao21/materia03/texto03.pdf. Acesso em: 09 de outubro de 2016.

ROCHA, Carmen Lúcia. O Direito a uma vida sem violência. In: LIMA, Fausto Rodrigues de; SANTOS, Claudiene (Coord.). Violência doméstica: vulnerabilidades e desafios na intervenção criminal e multidisciplinar. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

SAMPAIO, Rosana; MANCINI, Marisa Cotta. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev. bras. fisioter. 2007.

SEPARAVICH, Marco Antônio; CANESQUI, Ana Maria. Saúde do homem e masculinidades na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: uma revisão bibliográfica. Saude soc. vol.22 no.2 São Paulo Abr./Jun., 2013.

WAISELFISZ, Júlio Jacobo. Mapa da violência 2015. Homicídio de mulheres no Brasil. Instituto Sangari. Brasília - DF. 2015. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf . Acesso em: 29 de setembro de 2016.

________. Mapa da Violência 2015. Mortes Matadas por Armas de Fogo. Instituto Sangari. Brasília - DF. 2015, 2015. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/mapaViolencia2015.pdf . Acesso em: 29 de setembro de 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (2005). Multi-country study on women's health and domestic violence against women. Summary report of initial results on prevalence, health outcomes and women's responses. Disponível em: http://www.who.int/gender/violence/who_multicountry_study/summary_report/summary_report_English2.pdf . Acesso em: 14 de setembro de 2016.

________. (2012) World report on violence and health. Genebra: WHO. Acessado em 05/10/2016. Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/hq/2002/9241545615.pdf . Acesso em: 14 de setembro de 2016.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i38.897

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: