As Relações entre o Self/Eu estendido e o consumo de marcas de Smartphones: um estudo com universitários da Região do Cariri cearense

Antônio Wilson dos Santos, Antoniel dos Santos Gomes Filho

Resumo


Entendendo que o consumo não consiste apenas na aquisição física de bens/produtos e partindo dos indicativos empíricos e literários das ciências administrativas sobre as relações entre o self/eu estendido e o consumo de marcas de smartphones, o estudo em tela teve como objetivo identificar se os aparelhos celulares/smartphones produzem uma relação de extensão do self/eu em estudantes universitários da região do cariri cearense. Em relação aos itinerários metodológicos o estudo possui abordagem quantitativa exploratória, tendo como ferramentas de pesquisa a aplicação de um questionário online com base e adaptação na Self Brand Connection Scale, elaborada por Escalas e Bettman’s (2003), cujo número amostral foi 40 participantes. Diante dos resultados e discussões do estudo considera-se que o grupo amostral sinalizou que a marca do celular/smartphone não é um indicativo “forte” de extensão do self/eu, sendo este produto percebido principalmente pela sua funcionalidade, porém há indicativos que uma parcela baixa da amostra possui relações mais intrínsecas com o celular/smartphone, sendo este representante uma possível extensão do self/eu. Esta baixa parcela amostral indica que há necessidade de ampliação nos estudos das relações de consumo e expansão do self/eu na Região do Cariri.

 


Palavras-chave


Self/Eu Estendido. Consumo. Smartphone. Região do Cariri.

Texto completo:

PDF

Referências


AHUVIA, A. C. Beyond The Extended Self: Loved Objects and Consumers’ Identity Narratives. Journal of Consumer Research. v. 32, p. 171-184, 2005.

BACHA, M. L.; SANTOS, J. F. S.; STREHLAU, V. I. RENDA BAIXA: O SELF ESTENDIDO NA POSSE DO CELULAR. In: XII Semead: empreendedorismo e inovação, 2009. Disponível em: < http://www.ead.fea.usp.br/semead/12semead/resultado/an_resumo.asp?cod_trabalho=667>. Acesso em. 30 Jun. 2017.

BACHA; M. L.; SCHAUM, A. A POSSE DE CELULAR E O SELF ESTENDIDO: UM ESTUDO LONGITUDINAL BASEADO EM ATITUDES DA BAIXA RENDA DE SÃO PAULO, BRASIL. In: Simpósio em tecnologias digitais e sociabilidades, Salvador, 2011.

BECK, C. G. et al. Meu Celular e Eu: mensurando a extensão do self. In: XXXIII Encontro da ANPAD, São Paulo, 2009.

BELK, R. W. Possessions and the extended self. In: Journal of Consumer Research, v. 15, n. 2, p. 139-168, Set. 1988.

BELK, R. W.; ASKEGAARD, S. The fire of disire: a multisider inquiry into consumer passion. In: Jornal of Consumer Research, v. 30, n. 3, 2003.

COHEN J. Na Over-Extended Self? In: Journal of Consumer Research. v. 16, n.1, p.-125-128, 1989.

DINO. Estatísticas de uso de celular no Brasil. 2016. Disponível em:< http://exame.abril.com.br/negocios/dino/estatisticas-de-uso-de-celular-no-brasil-dino89091436131/>. Acesso em: 09 Jun. 2017.

ESCALAS, J. E.; BETTMAN, J. R. You Are What They Eat: The Influence of Reference Groups on Consumer Connections to Brands. Journal of Consumer Psychology, v. 13, n. 3, p. 339-48. 2003.

GOMES FILHO, A. S. et. al. Relações de gênero e transformações das famílias: uma perspectiva sócio-histórica. In: MELO, M. A. S.; GOMES FILHO, A. S.; QUEIROZ, Z. F. (Orgs.). In: Epistemologias em confronto no direito: reinvenções, ressiginificações e representações a partir da interdisciplinaridade. Curitiba: CRV, 2017.

JUAZEIRO. Polo acadêmico. 2017. Disponível em: < http://www.juazeiro.ce.gov.br/Cidade/Polo-academico/ >. Acesso em: 20 Abr. 2017.

KLENIA. N. IBGE: uso de celular e internet cresceu mais de 100% no Brasil em seis anos. Tecmundo. Disponível em: : Acesso em: 09 Jun. 2017.

KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de marketing. 12. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.

LASSEN, A. Understanding mobile phone users and usage. Vodafone Group, 2005.

LIPOVETSKY. Gilles. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Editora Schwarcz LTDA, 2010.

MARKETING DIRETO. Lista de classe sociais IBGE. 2017. Disponível em: < http://www.datosmarketing.com.br/listas-detalhes-classes-sociais.asp >. Acesso em: 29 Jun. 2017.

PAZ, E, C. O Gerenciamento de impressões e o Eu estendido: um estudo netnográfico sobre o consumo de viagens a partir de uma rede social virtual. Dissertação (Mestrado em Ciências Administrativas) – Universidade Federal do Pernambuco, Programa de em Administração, Recife-PE, 2016.

PHILLIPS, C. How do consumers express their identity through the choice of products that they buy? In: University of Bath School of Management Working Paper Series, v.17, p. 1-20, 2003.

RAMALHO, R.; AYROSA, E. A. T.; Subcultura Tuning: a identidade estendida na personalização de automóveis. In: RCA, Revista de Ciências da Administração – UFSC. v.1, n.24, 2009.

REICHOW, L. D. K. Comprar para ser: uma análise da transcendência das marcas na atualidade. Anais do Congresso ANPTECRE, v. 05, 2015.

RICHINS, M. L. Measuring Emotions in the Consumption Experience. In: Journal of Consumer Research, February, 1997.

SILVA, S. R. “EU NÃO VIVO SEM CELULAR”: Sociabilidade, Consumo, Corporalidade e Novas Práticas nas Culturas Urbanas. In: Intexto, Porto Alegre: UFRGS, v. 2, n. 17, p. 1-17, 2007.

SIRGY, M. J. Self-Concept in Consumer Behavior: A Critical Review. In: Journal of Consumer Research. V. 9, n. 3, p. 287-300, 1982.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i38.876

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: