Motivação e Evasão na Carreira Militar: um estudo de caso no Exército Brasileiro

João Nelson Raimundo, José da Silva Correia Neto

Resumo


Os estudos sobre a motivação humana no ambiente de trabalho remontam ao início dos estudos organizacionais, sejam eles em organizações públicas ou privadas. Neste sentido o presente estudo versa sobre motivação em um tipo de instituição pública, o Exército Brasileiro, tendo em vista que a desmotivação de profissionais desse tipo de instituição pode ensejar na perda de investimentos feitos ao longo de anos. Num estudo de caso no 9º Grupo de Artilharia de Campanha – MS estudamos a categoria de sargentos, numa pesquisa qualitativa onde via grupo focal buscamos identificar o que motiva essa categoria e ainda sugerir ações para diminuir a evasão. Os resultados apontaram que estabilidade, transferências, valorização do militar perante a sociedade civil, missões no exterior, por exemplo, são grandes motivadores, mas a questões salariais e do plano de carreira desmotivam. Também foram apontadas sugestões de melhoria.


Palavras-chave


Motivação, Evasão, Exército, Administração Pública.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. C.; SILVA, A. V. L.; E. M. J., OLIVEIRA. Motivação e Recompensas: uma investigação com base nas Teorias da Hierarquia das Necessidades e da Expectativa. Id on Line Revista de Psicologia, v.11, n. 35, maio/2017.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.

BERGAMINI, C. W. Psicologia aplicada à Administração. São Paulo: Atlas, 1982.

BERGAMINI, C. W. Motivação nas organizações. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

BRASIL (a). Constituição (1998). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF.

BRASIL (b). Estado Maior do Exército. R-3: Regulamento de Administração do Exército. Brasília, 1990.

BRASIL (c). Estado Maior do Exército. R-4: Regulamento Disciplinar do Exército. Brasília, 2004.

BRASIL (d). Exército Brasileiro. Estado Maior. IP 20-10: Instruções Provisórias IP 20-10 – LIDERANÇA MILITAR – Brasília, DF, 1991.

BRASIL (e). Lei Complementar nº 97/1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. Diário Oficial da União. Brasília, 10 jun. 1999. Acesso em: 30 jul. 2016. Disponível em:

CAFFÉ FILHO, H. P.; GONÇALVES, M. C. A.; SANTOS, N. L. Motivação no serviço público: a relação entre a motivação e a qualidade do serviço público sob uma perspectiva geral. Id on Line Revista de Psicologia, v.11, n. 36, julho/2017.

CARVALHO, J. M. Forças Armadas e política no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 2005. 1939-C324f.

CORADI, C. D. O comportamento humano em administração de empresas. São Paulo: Pioneira, 1985.

EUGÊNIO, M. Pirâmide de Maslow: A importância da teoria para o seu negócio. Disponível em: Acesso em: 09 jul. 2017. 2016.

EXÉRCITO BRASILEIRO. 9º GRUPO DE ARTILHARIA DE CAMPANHA – GRUPO MAJOR CANTUÁRIA. Histórico. Disponível em: Acesso em: 09 jul. 2016. 2015.

FERREIRA, A. A.; REIS, A. C. F.; PEREIRA, M. I. Gestão Empresarial: de Taylor aos nossos dias – Evolução e Tendências da Moderna Administração de Empresas. São Paulo: Thomson Learning, 2002.

GIL, A. C. Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, 2001.

HERZBERG, F. I. One more time: how do you motivate employees? Harvard Business Rewiew, Boston, v. 46, 1968.

HERZBERG, Frederick. Novamente: como se faz para motivar funcionários? Biblioteca Harvard de Administração de Empresas, São Paulo: v.1, n. 13, 1975.

JONES, Gareth R.; GEORGE, Jennifer M. Fundamentos da Administração Contemporânea. 4. ed. Porto Alegre: AMGH Editora, 2012.

LACOMBE, Francisco José M. Recursos humanos: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, 2005.

LEWIN, K. Principles of Topological Psychology. New York: McGraw-Hill Book Company, 1936.

MAGILL, R. A. Aprendizagem motora: conceito e aplicações. São Paulo: Edgard Blücher. 1984.

MASLOW, A. H. A theory of human motivation. Psychological Review, v. 50, p. 390-6, 1943.

MAXIMIANO, A. C. A. Teoria Geral da Administração. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

McGREGOR, D. O lado humano da empresa. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

MINAYO, M. C. S.; SANCHES, O. Quantitativo-Qualitativo: Oposição ou Complementaridade? Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, jul/set 1993.

MORGAN, D. L. Focus group as qualitative reseach. London: Sage, 1997.

PORDANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas de Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. Novo Hamburgo, 2. ed. 2013. Disponível em: www.faatensino.com.br/wp-content/2014/11/2.1-E-book-Metodologia-do-Trabalho-Cientifico-2.pdf. Acesso em: 09 jul. 2016.

REGO, Gen Ex Luiz Edmundo Montedônio. Valores Observados no Exército Brasileiro. Revista da Cultura – Edição 19. Janeiro, 2012. Acesso em: 09 jul. 2016. Disponível em: www.defesanet.com.br/doutrina/noticia/19229/Valores-Observados-no-Exército-Brasileiro.

RESERVAER. Clube Virtual dos Militares da Reserva e Reformados da Aeronáutica. Disponível em: Acesso em: 29 jul. 2017. 2017.

ROBBINS, S. P. Comportamento organizacional. 9. Ed. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

SM. Sociedade Militar. Acesso em: 29 jul. 2016. Disponível em:

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2004.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i37.870

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: