As Políticas Públicas para o Desenvolvimento do Território Médio Rio das Contas: Potencialidades e Desafios

João Sotero do Vale Júnior, Ionara Menezes de Alencar Gondim, Juliana Bispo dos Santos, Carolina Maria Itaparica Nascimento Neves

Resumo


A divisão da Bahia em Territórios de Identidade é um dos temas desta pesquisa. Essa política pública do Estado da Bahia tem apresentado bons resultados ao identificar potencialidades e pontos de convergência entre os municípios baianos. O presente estudo tem como objetivo geral estudar as políticas públicas de fomento à economia criativa para o Território Médio Rio das Contas. O aporte teórico foi sustentado Souza (2006); Fonseca (2009); Lambertucci, (2009); Rodrigues (2011); Ministério da Integração, (2004) dentre outros. Trata-se de um artigo teórico-empírico, de caráter exploratório, qualitativo, que utilizou o método descritivo. Nos resultados, sugerimos como política pública para os municípios dos Territórios baianos que apoiem os movimentos populares (econômicos, artístico-culturais, identitários, etc.). A criação de comissões permanentes de diálogo com a população e seus representantes; buscar o apoio dos governos estadual e federal; capacitar a população para captar recursos através de editais existentes em apoio à cultura e economia.

 

 


Palavras-chave


Políticas Públicas. Território de Identidade. Economia Criativa

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, E. Econometria espacial aplicada. Campinas, SP: Editora Alínea, 2012. In: SOUZA, Thiago Cavalcante de. A dinâmica e os efeitos de transbordamento da economia criativa no nordeste do Brasil. Ilhéus, BA: UESC, 2015. 180 f. (Dissertação de Mestrado)

BAHIA. Territorialização da Cultura. Disponível em: < https://territoriosculturaisbahia.wordpress.com/divisao-territorial/> Acessado em 02/05/2017.

BARRETO, R. M. (org.) Bahia 2000-2013. São Paulo : Editora Fundação Perseu Abramo, 2014. 152 p.: il. ; 23 cm – (Estudos Estados Brasileiros).

CAVES, R. Creative Industries. Harvard: Harvard University Press, 2000

FONSECA, J. F. R. O Orçamento Participativo e a Gestão Democrática de Goiânia. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial). Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da Universidade Católica de Goiás. Goiânia, 2009.

HOWKINS, J.. The Creative economy – How people make money from ideas. London: Penguin Books, 2001.

HOSPERS, G. Creative Cities: Breeding Places in the Knowledge Economy, Knowledge, Technology, & Policy, Vol. 16, Nº. 3, pp. 143-162, 2003. In: CATELA, Eva Yamila da Silva. O potencial criativo das cidades brasileiras: uma análise multidimensional. Espacios. Vol. 37 (Nº 12) Año 2016. Pág. 12

LAMBERTUCCI, A. R.. A participação social no governo Lula. In: AVRITZER, Leonardo (org.). Experiências nacionais de participação social. São Paulo: Cortez, 2009. (Coleção Democracia Participativa)

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL. Programa Nacional de Desenvolvimento Regional – PNDR. Brasília: 2004.

REIS, A. C. F. Economia criativa como estratégia de desenvolvimento: uma visão dos países em desenvolvimento / organização. – São Paulo : Itaú Cultural, 2008. 267 p.

RODRIGUES, M. M. A. Políticas Públicas. São Paulo: Publifolha, 2011. (Coleção Folha Explica).

SOUZA, T. C. A dinâmica e os efeitos de transbordamento da economia criativa no nordeste do Brasil. Ilhéus, BA: UESC, 2015. 180 f. (Dissertação de Mestrado)

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Scielo. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-45222006000200003> Acessado em 01/04/2017.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i37.863

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: