As Políticas Curriculares que se desdobram nos espaços da Escola e na Formação de Professores

Aparecida Garcia Pacheco Pacheco Gabriel, Eduardo José Freire, Sidney da Silva Chaves, Marlize Reffatti Zinelli, Marcelino de Jesus, Mariana Emídio Oliveira Ribeiro

Resumo


O presente trabalho tem por finalidade promover reflexões e questionamentos a partir de um estudo de revisão bibliográfica sobre as Políticas Públicas Educacionais. O referido estudo teve por foco as problemáticas das políticas públicas educacionais criadas pela sociedade na modernidade e pós-modernidade, que,por sua vez, influenciam a formação e o papel do educador. As políticas curriculares constituem uma inquietação expressiva para as autoridades governamentais, gestores, formadores e professores que precisam implementar um currículo que tenha significado para os educandos. Políticas que são elaboradas sem a colaboração dos diversos sujeitos do processo educativo têm menores chances de serem abraçadas pelas escolas. Muitos dos pesquisadores que são contratados para gestarem as reformas e as propostas curriculares estão muito longe das práticas escolares e dos alunos contemporâneos.Os saberes da experiência dos professores são construídos na prática e validados pela prática. Portanto esses profissionais devem ser respeitados em suas condições de produtores de conhecimentos e não como meros executores de políticas.A construção curricular precisa ser dinâmica, participativa, flexível para que seus significados sejam sempre renovados para atender os anseios dos sujeitos do processo educativo e da sociedade. Autores como Brandão (2008), Formosinho (2007), Pacheco (2003 e Tardife (2012) fazem parte do quadro teórico, contribuindo para destacar que, nesse processo de conferir maior coerência e efetividade às políticas públicas curriculares, é necessário, também, intensificar forças na educação para envolver a família e a comunidade na escola, fortalecer o uso de didáticas participativas, ampliar a oferta de espaços físicos que possibilitem múltiplas aprendizagens, aprimorar o trabalho cooperativo, entre outras.

 


Palavras-chave


Políticas Curriculares, Espaço Escolar, Pós-Modernidade

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, Carlos da Fonseca. Política educacional e organização da educação brasileira. São Paulo: Cultura Acadêmica; Universidade Estadual Paulista;Pró-Reitoria de Graduação, 2008.

BRUNER, J. A cultura da educação. Porto Alegre: Artmed. 2001

DELORS, Jacques et al.Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Prefácio. 2. ed. São Paulo: Cortez;Brasília: MEC/UNESCO, 2003.

FREINET, C. As técnicas Freinet da Escola Moderna. Tradução: Silva Letra. Lisboa: Editorial Estampa, 1973.

FORMOSINHO, Júlia Oliveira. (Org.).Modelos Curriculares para a Educação de Infância: Construindo uma práxis de participação.Porto, Portugal: Porto Editora, 2007.

PACHECO, José Augusto. Políticas Curriculares: referências para análise. Porto Alegre: Artmed, 2003.

PIAGET, J. A evolução social e a pedagogia nova. In: ___. Sobre a pedagogia: textos inéditos. Org. e introd. S. Parrat-Dayan e A. Tryphon. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente.2ª ed. Brasileira. São Paulo: Martins Fontes, 1988.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i37.834

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: