Riscos ocupacionais a que os trabalhadores da enfermagem referem estar expostos em central de material estéril

Henrique Eduardo Alves, Cecília Nogueira Valença, Dimitri Taurino Guedes, Aline Cristine do Rego Reis, Juliana de Freitas Vasconcelos Sugette, Symara Abrantes Albuquerque de Oliveira Cabral

Resumo


Objetivo: Identificar os riscos ocupacionais a que os profissionais de enfermagem referem estar expostos. Método: Trata-se de uma pesquisa exploratória, qualitativa, realizada junto à equipe de enfermagem da central de material estéril (CME) no Hospital Universitário Ana Bezerra e no Hospital Regional Aluízio Bezerra, em Santa Cruz/RN.  Os participantes foram entrevistados, tendo suas respostas gravadas, transcritas e analisadas de acordo com a análise de conteúdo temática. Resultados: Os trabalhadores de enfermagem na CME precisam utilizar medidas de controle para esses riscos, tais como os equipamentos de proteção individual adequados e ambiente seguro. Com base nas respostas dos participantes, foi identificado que não houve dimensionamento de recursos humanos para as atividades, falta de fornecimento de EPIs adequados, proporcionando grandes riscos à saúde dos profissionais. Conclusão: Os riscos ocupacionais presentes na CME geralmente compreendem: os riscos biológico,  ergonômico, físico, de acidentes e químico, que poderão causar a danos à saúde dos profissionais de enfermagem que atuam presentes na CME.

 

 


Palavras-chave


enfermagem; riscos ocupacionais; saúde do trabalhador.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, T. M. E.; SILVA, N.C. Acidentes perfurocortantes e medidas preventivas para hepatite B adotadas por profissionais de enfermagem nos serviços de urgência e emergência de Teresina Piauí. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 39, n.130, p. 175-183, 2014. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0303-76572014000200175&script=sci_arttext>. Acesso: 23 de ago de 2015.

BRASIL. RDC n.15. Dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providências. Brasília/DF, 2012.

BRASIL. Norma Regulamentadora 6. Dispõe sobre segurança e medicina do trabalho. Brasília/DF, 2001.

BRASIL. Norma Regulamentadora 9. Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Brasília/DF, 2014.

CÂMARA, P.F. et al. Investigação de acidentes biológicos entre profissionais da equipe multidisciplinar de um hospital. Revista de enfermagem da UERJ. v.19 n.4, p. 583-586, 2011. Disponível em:. Acesso: 23 de ago de 2015.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução nº 293/2004, 21 de setembro de 2004. Fixa e estabelece parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nas Unidades Assistenciais das Instituições de Saúde e Assemelhados. Rio de Janeiro, 2004.

DANIEL, K.C. Riscos ocupacionais durante a higienização de materiais em uma central de material de esterilização. 2011. 34 f. Trabalho de conclusão de curso (Monografia) - Universidade Federal do Rio grande do Sul. 2011. Porto Alegre , RS, 2011. Disponível em: . Acesso: 29 de julho de 2015.

DESLANDES, S.F.; GOMES, R.; MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

DUARTE, N.S.; MAURO, M.Y.C. Análise dos fatores de riscos ocupacionais do trabalho de enfermagem sob a ótica dos enfermeiros. Revista brasileira de saúde ocupacional. v.35, n.121, p. 157-167, 2010. Disponível em:. Acesso em 30 de julho de 2015.

ESPINDOLA, M.C.G.; FONTANA, R.T. Riscos ocupacionais e mecanismos de autocuidado do trabalhador de um centro de material e esterilização. Revista Gaúcha de Enfermagem. v.33, n.1, p.116-123, 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v33n1/a16v33n1.pdf >. Acesso em 30 de julho de 2015.

GIL, R.F.; CAMELO, S.H.; LAUS, A.M. Atividades do enfermeiro de Centro de Material e Esterilização em instituições hospitalares. Texto contexto – enfermagem. v.22, n.4, p. 927–934, 2013. Disponível em:. Acesso: 09 de dez de 2014.

OURIQUES, C.M.; MACHADO, M.E. Enfermagem no processo de esterilização de materiais. Texto contexto – enfermagem. v.22, n.3, p.695–703, 2013. Disponível em: . Acesso: 05 fev 2015

PENNA, P.M.M, et al. Biossegurança: uma revisão. Arquivos do Instituto de Biologia. v.77, n.3, p. 555-565, 2010. Disponível em: . Acesso 05 de fev de 2015.

PEZZI, M.C.S.; LEITE, .J.L. Investigação em Central de Material e Esterelização utilizando a Teoria Fundamentada em Dados. Revista Brasileira de Enfermagem. v.63, n.3, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672010000300007&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso: 02 de mar de 2015

RIBEIRO, R.P.; VIANNA, L.A.C. Uso dos Equipamentos de Proteção Individual entre trabalhadores das Centrais de Material e Esterilização. Ciência, Cuidado e Saúde. v.11, suplem, p.199-203, 2012. Disponível em: < http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/17076/pdf>. Acesso: 07 abril 2015.

SILVA et al. Acidente com material perfurocortante entre profissionais de enfermagem de um hospital universitário. Revista Gaúcha de Enfermagem. v. 31, n.4, p. 615-622, 2010. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v31n4/a02v31n4.pdf>. Acesso: 29 de julho de 2015.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENFERMEIROS DE CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO. Práticas recomendadas – SOBECC. 5.ed. São Paulo, 2009.

VALENÇA, C.N. et al. A produção científica sobre a saúde do trabalhador de enfermagem. Revista de pesquisa: cuidado é Fundamental. v.5, n.5, p.52-60, 2013. Disponível em:http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/1615/pdf_987>. Acesso: 02 mar de 2015.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i37.805

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: