Degradação Ambiental: Exploração de Gipsita no Polo Gesseiro do Araripe

Camila Victória Alencar Granja, Érica Pereira Cavalcante, Hesler Piedade Caffé Filho, Maírla Silva Siqueira, Willian do Nascimento

Resumo


O Artigo trata dos efeitos decorrentes da exploração de gipsita no Polo Gesseiro do Araripe, maior exportados de gesso de todo o Brasil.

Sendo a principal fonte de renda da região, as atividades gesseiras necessitam ter suas ações com caráter sustentável. A matéria energética para a fabricação de gesso nas fábricas desta região é extraído da lenha do Bioma Caatinga, este bioma único do Brasil, corre o risco de desertificação, comprometendo espécies da fauna, flora, além de gerar impactos nas atividades gesseiras, ocorrendo um circulo de impactos, afetando a economia, o desenvolvimento e a sociedade.

Com o intuito de explanar e alertar sobre os efeitos da degradação ambiental nesta APL, este artigo traz uma entrevista com a Secretária Executiva de Meio Ambiente de Araripina, informações sobre o Bioma Caatinga, a importância da exportação de gipsita na economia da região, além de deveres e ações de Instituições Públicas.


Palavras-chave


Administração Pública; Meio Ambiente; Caatinga; Polo Gesseiro; Região do Araripe; Degradação Ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, J. de L. Diagnóstico ambiental e questões estratégicas: Uma análise considerando o polo gesseiro do Sertão do Araripe - estado de Pernambuco. Acervo Digital. Universidade Federal do Paraná, 2002. 01 e 18p. Disponível em: . Acesso em: 08 de março de 2017.

ARAUJO, S. M. S de. A ação do estado e o meio ambiente no polo gesseiro do Araripe-PE nos anos de 1990 e 2000. Rios Eletrônica - Revista Científica da FASETE. 2013. Ano 7, n. 7, 101p.

ARAUJO, S. M. S.; MARTINS, L. A. M. A Indústria Extrativa Mineral do Polo Gesseiro do Araripe e seus Impactos Sócio Ambientais. Revista de Geografia (UFPE), Recife, v. 29, n. 1, 111p, 2012. Disponível em: Acesso em: 08 de março de 2017.

BALTAR, C. A. M.; BASTOS, F. de F.; LUZ, A. B. da. Minería y calcinación en el polo yeserode Pernambuco (Brasil), 2005. 701p.

BRASIL. Convenção das Nações Unidas de Combate a Desertificação. .Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Recursos Hídricos. Ed. 3, 7p. Disponível em: .Acesso em 20 de abril de 2017.

BRASIL. Decreto n. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Palácio do Planalto Presidência da República. Brasília, DF, 31 ago. 1981. Disponível em: . Acesso em: 06 de março de 2017.

BRASIL. IBAMA. Carta de Serviço ao Cidadão. Licença de Operação. Disponível em:< https://servicos.ibama.gov.br/index.php/licencas/licenca-de-operacao>. Acesso em 13 de março de 2017.

BRASIL. IBAMA. Manual de Recuperação de áreas Degradadas pela Mineração. Técnicas de Revegetação. 1990, 13p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Apresentação. Apresenta informações a respeito do Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: . Acesso em: 06 de março de 2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Biomas. Caatinga. Disponível em: . Acesso em 09 de março de 2017

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Cartilha A3P. 2009. Ed.5. 59p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Operação Mata Nativa combate a exploração predatória da Caatinga. Disponível em: Acesso em 08 de março de 2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Pacto pela sustentabilidade em Araripe, 2016. Disponível em: . Acesso em 10 de março de 2017.

BRASIL. Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário. Sistema de Informações Territoriais. Caracterização do Território do Sertão do Araripe. Disponível em: . Acesso em 12 de março de 2017.

BUENO, W.; OLIANA, F.; BORINELLI, B. Economia e Região. O estudo do gasto público em meio ambiente. 2013, vl. 1, n.1, 129p.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. A Indústria Brasileira no Caminho da Sustentabilidade. Encontro da Indústria para a Sustentabilidade. 2012, 19p.

COUTINHO, G. de A. Políticas públicas e a proteção do meio ambiente. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XI, n. 51, mar 2008. Disponível em: . Acesso em 07 de março de 2017.

DELLAGNELO, E. H. L.; SILVA R. C. da. Pesquisa Qualitativa em Administração. Análise de Conteúdo e sua aplicação em pesquisa na administração, 2005. 97 e 99p.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. ABC da Agricultura Familiar. Preservação e uso da Caatinga. 2007, 11p.

FARIAS, T. Q. Evolução histórica da legislação ambiental. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, X, n. 39, mar 2007. Disponível em: . Acesso em 10 de mar 2017.

FILHO; J. A de M.; LIMA, J. P. C. de. Manejo Ambiental: O aprofundamento dos conhecimentos específicos e a visão holística. Floresta e ambiente. V. 7, n. 1, 2000. 293p. Disponível em: . Acesso em 13 de março de 2017.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUIZ ROESSLER – RS. Licenciamento Ambiental. Disponível em: . Acesso em 13 de março de 2017.

GIL, A. C. Todos e Técnicas de Pesquisa Social. 6 ed. São Paulo: Editora Atlas, 2007. 27p.

GIULIETTI, A. M et al. Diagnóstico da vegetação nativa do Bioma Caatinga. Parte II. Universidade Federal de Pernambuco. Ministério do Meio Ambiente, 2003. 49 e 50p. Disponível em: . Acesso em 09 de março de 2017.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Informações socioeconômicas. Microrregião de Araripina. Disponível em Acesso em: 07 de março de 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISA ESPACIAIS. Notícias. Centro do INPE avança no mapeamento da Caatinga. 2016. Disponível em: . Acesso em 10 de março de 2017.

LASTRES, H. M. M.; CASSILATO, J. E. Glossário de Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais. Arranjos produtivos locais: uma nova estratégia de ação para o Sebrae. Rede de Pesquisa e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais, 2003. 03 e 04p.

MACHADO, P. A. L. Direito Ambiental Brasileiro. 21 ed. São Paulo: Malheiros, 2013, 81 e 82p.

MEDEIROS, A. M. Políticas Públicas de Meio Ambiente. 2015. Disponível em: Acesso em 07 de março de 2017.

MENDES, D. Ministério do Meio Ambiente. Pesquisa mostra crescimento da consciência ambiental no Brasil. 2006. Disponível em: . Acesso em 14 de março de 2017.

MORAIS, K.; FRANÇA, F. A Produção de Gesso no Araripe. Coleção Ecoexpedições. Disponível em . Acesso em 08 de março de 2017.

PERNAMBUCO. Agência Estadual de Meio Ambiente. Missão, Visão, Valores. Apresenta informações a respeito da Agência Estadual de Meio Ambiente. Disponível em: . Acesso em: 06 de março de 2017.

PERNAMBUCO. Associação Instituto de Tecnologia de Pernambuco. Laboratório de Geoprocessamento. Mapa de situação. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente. Regiões de desenvolvimento. Arquivo Gráfico Municipal (Agência CONDEPE/FIDEM – FIAM – IBGE), 1998. Escala 1:1.800.000. Disponível em: . Acesso em 09 de março de 2017.

PERNAMBUCO. Associação Instituto de Tecnologia de Pernambuco

Laboratório de Geoprocessamento. Mapa de situação. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente. Divisão Regional de Pernambuco. Arquivo Gráfico Municipal (Agência CONDEPE/FIDEM – FIAM – IBGE), 1998. Escala 1:1.800.000. Disponível em: . Acesso em 09 de março de 2017

PERNAMBUCO. Banco de dados do Estado de Pernambuco. Disponível em: . Acesso em 12 de março de 2017.

PERNAMBUCO. Base de Dados do Estudo. Disponível em: . Acesso em 12 de março de 2017.

PINHO, J. G. dos S.; ELOI, W. M. Reflexões sobre a. gestão pública e o meio ambiente. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIX, n. 152, set 2016. Disponível em: . Acesso em 06 de março 2017.

QUINTAS, J. S. Educação no processo de gestão ambiental: uma proposta de educação ambiental transformadora e emancipatória. Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. 113 p.

SINDUSGESSO. Crescimento econômico do polo gesseiro nos últimos seis anos. 2014. Disponível em: . Acesso em 09 de março de 2017.

SOBRINHO, A. C. P. L. et al. Ministério de Minas e Energia. Balanço Mineral Brasileiro. Departamento Nacional de Produção Mineral. Gipsita. Arquivos. 2001, 1, 2 e 3p.Disponível em: . Acesso em 11 de março de 2017.

SOTERO, R. Sertão do Araripe: Onde o gesso vale mais que ouro. Fernando Clímaco, 2010. Disponível em: Acesso em: 08 de março de 2017.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Editora Atlas, 1987. 137p.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Ações no Polo Gesseiro do Araripe são abordadas em simpósio na UFRPE. Disponível em . Acesso em 08 de março de 2017.

VASCONCELOS, Jorge. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Departamento de conservação da Biodiversidade. Plano de Divulgação do bioma Caatinga. Núcleo do Bioma Caatinga.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i36.782

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: