Práticas Integrativas e Complementares no cuidado à saúde mental e aos usuários de drogas

Luís Paulo Souza e Souza, Fernanda Lílian Teixeira, Adriane Pinto Diniz, Antônia Gonçalves de Souza, Luiz Henrique Viana Delgado, André Marinho Vaz, Paulo Mauricio de Oliveira Vieira, Patrícia Silva Rodriguez

Resumo


Objetivou-se compreender o papel das práticas integrativas na promoção da saúde mental e no cuidado aos usuários de álcool e outras drogas. Revisão integrativa nas bases do Portal da CAPES e Biblioteca Virtual em Saúde. Selecionaram-se 18 artigos em português, disponíveis gratuitamente. As práticas contribuíram para a redução da ansiedade e sentimentos negativos; aumento do humor, prazer, estímulo para atividades laborais e interação usuário-profissional. Surgiram como estratégias que promovem melhor enfrentamento no uso abusivo de álcool e outras drogas; apoio nas recaídas; permitindo sentimentos que levem à diminuição da ansiedade e à redução do uso de drogas. Torna-se essencial a oficialização das discussões sobre as práticas integrativas, estimulando os profissionais a desconstruírem o velho conceito de que saúde só é feita a partir de práticas convencionais e socialmente aceitas, instituindo um pensamento novo e integral, indo de encontro aos preceitos do Sistema Único de Saúde.


Palavras-chave


Saúde Mental; Abuso de álcool; Abuso de drogas; Práticas integrativas e complementares; Medicina Complementar.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A.S.; SILVA, M.R. Os efeitos das atividades musicais como modalidade alternativa de cuidado em saúde mental. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde, v.2, n.1, p.13-20, 2013.

BACKES, D.S. et al. Oficinas de espiritualidade: alternativa de cuidado para o tratamento integral de dependentes químicos. Revista Escola de Enfermagem da USP, v.46, n.5, p.1254-1259, 2012.

BENEVIDES, I. A. Relato de desenvolvimento de política de medicina natural e práticas complementares. Art Med Ampl., v.24, n.3/4, p.38-40, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 145, de 11 de janeiro de 2017. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação Nacional de DST/Aids. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

CARNIEL, A.C.D.; PEDRÃO, L.J. Contribuições do acompanhamento terapêutico na assistência ao portador de transtorno mental. Revista Eletrônica de Enfermagem, v.12, n.1, 2010.

CLARO, H.G. et al. Uso de drogas, saúde mental e problemas relacionados ao crime e à violência: estudo transversal. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v.23, n.6, p.1173-1180, 2015.

FOLLADOR, E.C.R. Medicina antroposófica: um novo paradigma para as questões da medicina moderna. Revista de Medicina, v.92, n.3, p.166-172, 2013.

GOMES, A.M.S.; ABRAHÃO, A.L.; SILVA, A.P.A. Contribuições de uma pesquisa-intervenção para a assistência de enfermagem a usuários de drogas. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental, v.7, n.4, p.3487-3495, 2015.

GONÇALVES, A.M.S.; SANTOS, M.A.; PILLON, S.C. Uso de álcool e/ou drogas: avaliação dos aspectos da espiritualidade e religiosos. SMAD. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, v.10, n.2, p.61-69, 2014.

LUZ, M.T.; BARROS, F.B. Racionalidades Médicas e Práticas Integrativas em Saúde: estudos teóricos e empíricos. Rio de Janeiro: Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/ABRASCO; 2012. 452p.

MENDES, K.D.S.; SILVEIRA, R.C.C.P.; GALVÃO, C.M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, v.17, n.4, p.758-764, 2008.

NAGAI, S.C. Toque terapêutico. Revista SOBECC, v.7, n.4, p.9-12, 2002.

NOSOW, V.; PENICHE, A.C.G. Paciente cirúrgico ambulatorial: calatonia e ansiedade. Acta Paulista de Enfermagem, v.20, n.2, p.161-167, 2007.

OLIVEIRA, E.N. et al. Projeto terapêutico de usuários de crack e álcool atendidos no centro de atenção psicossocial. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v.16, n.3, p.434-41, 2015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. WHO Traditional Medicine Strategy 2014-2023. Geneva: World Health Organization, 2013.

PADILHA, C.S.; OLIVEIRA, W.F. Representação social do terapeuta comunitário na rede SUS. Ciência & Saúde Coletiva, v.18, n.8, p.2211-2220, 2013.

RANGEL, C.T.; MIRANDA, F.A.N.; OLIVEIRA, K.K.D. A terapia comunitária integrativa e a enfermagem: o fenômeno e seus contextos. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental, v.8, n.1, p.3770-3779, 2016.

RODRIGUES, J.A. et al. As práticas integrativas e complementares contribuindo para a promoção da saúde em doenças e agravos não transmissíveis - O equilíbrio emocional através das práticas integrativas e complementares. Cadernos Técnicos DANT - doenças agravos não-transmissíveis, v.20, n.2, p.35-37, 2009.

RODRIGUES-NETO, J.F. et al . Transtornos mentais comuns e o uso de práticas de medicina complementar e alternativa: estudo de base populacional. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v.57, n.4, p.233-239, 2008.

SANDOR, P. Técnicas de relaxamento. São Paulo: Vetor, 1974.

SANTOS, A.C.C. et al. Percepção dos usuários de um centro de saúde acerca de sua participação no grupo de ginástica chinesa – Lian Gong: uma análise compreensiva. Revista Mineira de Enfermagem, v.18, n.1, p.94-99, 2014.

SANTOS, M.M. et al. Associação entre características sociodemográficas e frequência de uso de álcool por gestantes. Revista Baiana de Enfermagem, v.30, n.2, p.1-9, 2016.

SCHLICHTING, S.; BOOG, M.C.F.; CAMPOS, C.J.G. Almoço como momento terapêutico: uma abordagem de educação em saúde com mulheres alcoolistas. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v.15, n.3, p.384-390, 2007.

SILVA, A.B. et al. O cuidado ao usuário de crack: estratégias e práticas de trabalho no território. Revista Gaúcha de Enfermagem, v.37, n.spe, p.e68447, 2016.

SILVA, C.S. et al. Relação entre prática religiosa, uso de álcool e transtornos psiquiátricos em gestantes. Archives of Clinical Psychiatry, v.37, n.4, p.152-156, 2010.

TELESI JUNIOR, E. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estudos Avançados, v.30, n.86, p.99-112, 2016.

TESSER, C.D.; SOUSA, I.M.C.. Atenção primária, atenção psicossocial, práticas integrativas e complementares e suas afinidades eletivas. Saúde e Sociedade, v.21, n.2, p.336-350, 2012.

VECTORE, C. Psicologia e acupuntura: primeiras aproximações. Psicologia: ciência e profissão, v.25, n.2, p.266-285, 2005.

VIEIRA, J.L.L.; PORCU, M.; BUZZO, V.A.S. A prática da hidroginástica como tratamento complementar para pacientes com transtorno de ansiedade. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v.58, n.1, p.8-16, 2009.

WILLIAMS, A.V.; MEYER, E.; PECHANSKY, F. Desenvolvimento de um jogo terapêutico para prevenção da recaída e motivação para mudança em jovens usuários de drogas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v.23, n.4, p.407-413, 2007.

ZORZANELLI, R.T. A emergência da cura pela palavra na medicina mental do século XIX. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v.14, n.2, p.298-308, 2011.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i38.775

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: