Relação entre os Sinais de Fragilidade e a Capacidade do Idoso Viver Só

Yara Neves dos Santos, Aldrina Da Silva Confessor Cândido

Resumo


A metodologia utilizada consistiu na Revisão Integrativa da Literatura. Organizou-se a revisão seguindo as etapas propostas pelas mesmas autoras, as quais foram: 1ª etapa: seleção da temática e das questões de pesquisa; 2ª etapa: estabelecimento dos critérios de inclusão e exclusão dos estudos; 3ª etapa: definição das informações a serem obtidas e categorização dos estudos; 4ª etapa: avaliação dos resultados; 5ª etapa: interpretação dos resultados e 6ª etapa: descrição da síntese dos conhecimentos. O presente trabalho tem como objetivo geral de relacionar os sinais de fragilidade nos idosos e a capacidade de permanecer vivendo só. Como resultados apresentados identifica-se O envelhecimento pode ser temporariamente uma fase da vida que começa em algum período indeterminado, que segue a maturidade  havendo o momento de fragilidade que se sente isolado não querendo preocupar ou interromper a vida social de algum familiar, outra coisa a frisar é Causas que levam o idoso a viver só Sendo identificados Dificuldades enfrentadas pelos idosos principalmente os processos fisiológicos e patológicos, desenvolvendo estratégias sociais e surgindo sinais de impactos de fragilidade. Acredita-se que os resultados desse estudo possam estar contribuindo para uma melhor garantia na atenção ao idoso no momento de fragilidade.

 

 


Palavras-chave


Idosos. Capacidade funcional. Fragilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, F. S; SILVA, P. S. Envelhecendo Para Viver Só. Memorialidades, n. 19, p. 117, 2013.

COLAÇO, L. V et al., prevalência e fatores associados à síndrome da fragilidade em idosos. Anais CIEH (2015) – V. 2, N.1.

CALDAS, C. P et al., Rastreamento do risco de perda funcional: uma estratégia fundamental para a organização da Rede de Atenção ao Idoso. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 12. 2013.

CAUDURO, A; GONÇALVES, A. J; CAUDURO, M. H. F. Fatores associados a morar sozinho e suas diferenças regionais em idosos. Estud. interdiscipl. envelhec., Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 349-365, 2013.

COSTA, M. F. Estratégias desenvolvidas pelos idosos para viverem só. Documento saúde, ano 2013.

DIAS, D. S. G; CARVALHO, C. S; ARAÚJO, C. V. Comparação da percepção subjetiva de qualidade de vida e bem-estar de idosos que vivem sozinhos, com a família e institucionaliza- dos. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. n.16n . 1, p. 127-138, 2013.

GOULART, L. C. Levantamento e planejamento de uma abordagem para o cuidado a idosos que vivem sozinhos na Estratégia de Saúde da Família. Monografia. Rio de janeiro, 2016. 15 folhas.

JUNIOR, E. P. P et al., Prevalência e fatores associados ao fenótipo da fragilidade em idosos brasileiros: uma revisão de literatura. Revista Kairós Gerontologia, v. 18, n. 3, p. 353-366. 2013.

LIMA, P; FAJARDO, A. P. Aspectos Do Autocuidado Em Saúde Bucal De Idosos Hipertensos E Diabéticos Que Vivem Sozinhos. Rev.Aten. Saúde, São Caetano do Sul, v. 14, n. 50, p. 56-62, out./dez., 2016.

QUEIROZ, A. S. Diagnostico Da Fragilidade Em Idosos De Vitoria De Santo Antão-Pe. Monografia. Vitória de Santo Antão, 2017. 25 folhas.

LANA, L. D; SCHNEIDER, R. H. Síndrome de fragilidade no idoso: uma revisão narrativa. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, n. 17, n. 3, p. 673-680, 2014.

LAKATOS, E .M.; MARCONI, M. A. Técnicas de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas. 2006. 289 p.

MACIEL, G. M. C. Avaliação da fragilidade e intervenções de enfermagem indicadas para idosos. v.13 (suppl I): p. 402-4, 2014.

PEREIRA, I. F. S; SPYRIDES, M. H. C; ANDRADE, L. M. B. Estado nutricional de idosos no Brasil: uma abordagem multinível. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32 n. 5. 2016.

RAMOS, J. L. C.; MEIRA, E. C.; MENEZES, M. do R. Idosos sozinhos: razões para o envelhecer em domicílio UNIPES. Memorialidades, n. 19, p.19-28, 2013.

TESTON, E. F; MARCON, S. S. A constituição de domicílios unipessoais em condomínio específico para idosos. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro, n.22, v. 5, p. 610-4, 2014.

SANTOS, A. M; LEITE, M. T. Modificações Ocorridas Na Vida De Familiares Que Cuidam De Idosos No Ambiente Doméstico. Revista Contexto & Saúde, v. 6 n. 12. 2007.

SILVA, L. O; CORONAGO, V. M. M. O. Etnografia de Idosos que moram sozinhos: desafios e possibilidades. Rev. Psic. V.10, N. 32, p. 1179, 2016.

SANTOS, H. S et al., Perfil de fragilidade e fatores associados em idosos cadastrados em uma Unidade de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, n. 20, v. 6, p. 1917-1924, 2015.

VIEIRA, R. A et al. Prevalência de fragilidade e fatores associados em idosos comunitários de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil: dados do Estudo FIBRA. Cad Saude Publica 2013; 29(8):1631-1643.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i35.749

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: