Perfil das Usuárias de Anticoncepcionais de Emergência: Uma Revisão Sistemática

Márcia Simone Almeida Galindo do Carmo, Stênio Fernando Pimentel Duarte

Resumo


O uso de métodos contraceptivos tem aumentado, junto com a Contracepção de Emergência (CE). A anticoncepção de emergência é ofertada para mulheres em idade reprodutiva em situações de caráter excepcional. O uso da pílula do dia seguinte requer algumas precauções, com o intuito de garantir sua eficácia, dentre essas, destaca-se o intervalo de tempo da relação sexual e a sua administração. O uso rotineiro compromete sua eficácia. Com isso, o estudo tem o intuito de avaliar o conhecimento das usuárias acerca do tema e agregar conhecimento sobre o mesmo. Metodologia: O estudo trata-se de uma revisão sistemática que reporta o uso de CE, o mecanismo de ação, as vantagens e desvantagens de seu uso. A pesquisa científica será feita nos sites de busca Scientific Eletronic Library Online (SciELO), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (Lilacs) e Google Acadêmico, utilizando os seguintes descritores: contracepção de emergência, pílula do dia seguinte, reprodução, mecanismo de ação de pílula do dia seguinte, risco do uso da contracepção de emergência; que sejam atuais e na língua portuguesa, preferencialmente. Resultados e discussão: A idade média das mulheres participantes encontrados em estudos sobre uso de anticonceptivo de emergência (AE) foi de 21 anos e a classe econômica de baixa a média. A maioria dos estudos recomendam a administração desta medida contraceptiva de urgência em até 120 horas após a relação sexual. A falta de conhecimento das usuárias sobre atuação da pílula no organismo, bem como, dúvidas sobre os efeitos abortivos destes medicamentos, foram aspectos frequentemente abordados nos trabalhos encontrados. Considerações finais: O estudo sobre o uso de métodos contraceptivos de emergência é de extrema importância, haja vista a quantidade de mulheres que utilizam este método como contraceptivo. Desta forma, destaca-se a importância do acesso a informação e orientação de um profissional (farmacêutico), para que o desconhecimento dos usuários sobre os contraceptivos de emergência seja evitado.


Palavras-chave


Contracepção de emergência, Pílula do dia seguinte, Reprodução humana

Texto completo:

PDF

Referências


ALANO, G. M. et al. Conhecimento, consumo e acesso à contracepção de emergência entre mulheres universitárias no sul do Estado de Santa Catarina. CienSaudeColet, v. 17, n. 9, p. 2397-404, 2012.

BATAGLIÃO, E. M. L. et al. Conhecimento e utilização da contracepção de emergência por acadêmicos de enfermagem. Esc Anna Nery, v. 15, n. 2, p. 284-90, 2011.

BRASIL. Lei nº 9.263, de 12 de Janeiro de 1996. Regula o §7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do regulamento familiar estabelece penalidades e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 1996.

______. MINISTÉRIO DA SAÚDE, SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Direitos sexuais, Direitos Reprodutivos e Métodos Anticoncepcionais. BRASÍLIA, 2006.

______. MINISTÉRIO DA SAÚDE, COMISSÃO DE CIDADANIA E REPRODUÇÃO. Contracepção de Emergência no Brasil e na América Latina: Dinâmicas Políticas e Direitos Sexuais e Reprodutivos. São Paulo, Oficina Editorial, 2010.

BORGES, A. L. V. et al. Práticas contraceptivas entre jovens universitários: o uso da anticoncepção de emergência. Cadernos de Saúde Pública, v. 26, n. 4, p. 816-826, 2010.

BRANDÃO, E. R. et al. " Hormone bomb": risks of emergency contraception from the perspective of pharmacy attendants in Rio de Janeiro, Brazil. Cadernos de Saúde Pública, v. 32, n. 9, 2016.

CAVALCANTE, M. S. et al. Perfil de utilização de anticoncepcional de emergência em serviços de atendimento farmacêutico de uma rede de farmácias comunitárias. Revista Eletrônica de Farmácia, v. 13, n. 3, p. 131-139, 2016.

CHOFAKIAN, C. B. N. et al. Conhecimento sobre anticoncepção de emergência entre adolescentes do Ensino Médio de escolas públicas e privadas. Cad Saúde Pública, p. 1525-1536, 2014.

DE ALMEIDA, F. B. et al. Avaliação do Uso de Anticoncepcionais de Emergência entre Estudantes Universitários. Revista Brasileira de Educação e Saúde, v. 5, n. 3, p. 49-55, 2015.

DE MORAIS PEREIRA, S. Rompendo preconceitos sobre a utilização da anticoncepção de emergência para as adolescentes. Adolescencia e Saude, v. 7, n. 1, p. 31-36, 2010.

DREZETT, J. et al. Mecanismo de ação da anticoncepção de emergência. ReprodClim, v. 26, p. 44-51, 2011.

HEVIA, M. The legal status of emergency contraception in Latin America. InternationalJournalofGynecology&Obstetrics, v. 116, n. 1, p. 87-90, 2012.

LUPIÃO, A. C.; OKAZAKI, E. Métodos anticoncepcionais: revisão. Revisão. Rev, 2011.

PAIVA, S. P.; BRANDÃO, E. R. Contracepção de emergência no contexto das farmácias: revisão crítica de literatura. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 22, n. 1, 2012.

RODRIGUES, Milena Freitas; JARDIM, Dulcilene Pereira. Conhecimento e uso da contracepção de emergência na adolescência: contribuições para a enfermagem. Cogitare Enfermagem, v. 17, n. 4, 2012.

SILVA, F. C. et al. Diferenças regionais de conhecimento, opinião e uso de contraceptivo de emergência entre universitários brasileiros de cursos da área de saúde. Cadernos de SaúdePública, 2010.

TILAHUN, D.; ASSEFA, T.; BELACHEW, T. Predictors of emergency contraceptive use among regular female students at Adama University, Central Ethiopia. Pan African Medical Journal, v. 7, n. 16, 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Media Center. Emergency Contraception. Fact sheet nº 244, 2016. Disponível em: Acesso em: 15 mai 2017.

ZUCCHI, R. M. et al. Gravidez ectópica após uso de contracepção de emergência: relato de caso. RBGO, v. 26, n. 9, 2004.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i35.736

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: