A Avaliação no Sistema Educacional Brasileiro: Um resgate historiográfico

Ronaldo Bezerra dos Santos

Resumo


Inicialmente tratar-se-á do objeto de estudo deste artigo – avaliação externa no sistema educacional brasileiro, sua importância, seus fundamentos, sua aplicabilidade, o que não impede que se trate de forma introdutória, na verdade um resumo historiográfico, do percurso da educação brasileira, com ênfase nas inúmeras reformas ao longo dos anos que se seguem desde a sua introdução no território brasileiro, a cargo dos padres jesuítas – portanto um início de cunho confessional – alcançando as duras medidas empreendidas pelo Primeiro Ministro português Marquês de Pombal, que culminaram com a expulsão daqueles sacerdotes dos domínios da Coroa portuguesa, seguindo-se um breve período da estada da família real no Brasil, observando-se as medidas engendradas por el-rei de Portugal D. João VI, de características até certo ponto descentralizadoras, adentrando no período imperial, em cujas ações dos imperadores reflete-se o pouco caso com a educação voltada para os súditos pobres do império, e finalmente desembocando na República, visualizando um pouco de cada uma de suas fases: República Velha, onde a educação sempre esteve relegada a segundo plano, e a política era o principal assunto nas rodas sociais; República ditatorial e populista de Vargas, com pouca descentralização e maior atenção ao ensino técnico-profissionalizante;  República do regime ditatorial militar, promovendo a racionalização da educação, principalmente universitária, para impedir a coesão para a subversão; e por fim uma introdução superficial na fase de redemocratização, do país, a partir de 1985, alcançando todos os ex-presidentes, com um levantamento rápido sobre suas reformas no sistema educacional brasileiro.    


Palavras-chave


Educação. República. Governo. Reforma. Sistema Educacional

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Fernando de. A transmissão da cultura: a cultura brasileira. São Paulo: Melhoramentos; Brasília: INL, 1976

AZEVEDO, Reinaldo. Investimento de 10% em educação não passa de uma caríssima demagogia barata; sem uma profunda reforma no sistema haverá só aumento da ineficiência; o Brasil já gasta uma fábula na área. Disponível em: . Acesso em: 22 mai. 2016.

CASTRO, Maria Helena Guimarães de. Avaliação do Sistema Educacional Brasileiro. Tendências e Perspectivas. Disponível em: . Acesso em 17 mai. 2016

GONÇALVES, A.C.O.L.; OLIVEIRA, R.T.P. Avaliação docente em questão: tendências e estratégias. Id on Line Revista de Psicologia, Set-Out., vol.10, n.31, Supl 2, p. 291-304, 2016.

MACHADO, Cristiane. Políticas Públicas. Avaliar as escolas para que? Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2016

OLIVEIRA, Maria Auxiliadora Monteiro; ROCHA, Glady. Avaliação em Larga Escala no Brasil nos Primeiros Anos do Ensino Fundamental. Disponível em: . Acesso em 19 mai.2016

QUEIROZ, Roberto. A Educação Brasileira: o pior ranking da América do Sul. Recanto das Letras. Disponível em: . Acesso em: 19 mai. 2016

ROMANELLI, Otaiza de Oliveira. História da Educação no Brasil: 1930-1973. 27 ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

VIEIRA, Sofia Lerche; Albuquerque, Maria Glaucia Menezes. estrutura e funcionamento da educação básica. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, UECE, 2001. 144p.

VIEIRA, Sofia Lerche; Farias, Isabel Maria Sabino de. Política Educacional no Brasil – introdução histórica. Brasília: Liber Livro Editora, 2007, 188p.

XAVIER, Maria Elisabete; Ribeiro, Maria Luisa; Noronha, Olinda Maria. História da Educação – A escola no Brasil. São Paulo: FTD, 1994. – Coleção Aprender & Ensinar.

Avaliação Educacional. EDUCACIONAL, Avalia. Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2016

Educação nos 8 anos de Lula. Disponível em: . Acesso em: 23 mai. 2016

Políticas Educacionais Para Educação Básica no Governo de luiz I. Lula da Silva. Disponível em: . Acesso em: 23 mai. 2016




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i34.670

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line é indexada nas seguintes bases de dados: