O Uso da Fitoterapia na medicina por Usuários do SUS, Uma Revisão Sistemática

Andréa Cristina de Freitas Rodrigues Valeriano, Edivaldo Xavier da Silva Júnior, Cheila Nataly Galindo Bedor, Mateus Matiuzzi da Costa

Resumo


O presente estudo teve como objetivo analisar a influência das políticas públicas na orientação de utilização e prescrição por médicos ou profissionais da saúde de medicamentos e produtos fitoterápicos disponíveis no SUS. É uma Revisão Sistemática da Literatura realizada nas Bibliotecas Campus Juazeiro – BA e Petrolina – PE, acessando o Portal de Periódicos CAPES/MEC durante os meses de agosto a outubro de 2016. Utilizando onze bases de dados, Banco de Teses CAPES, Cochrane Library, LILACS, PubMed/ MEDLINE, Repositório Digital da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Repositório Institucional da Fiocruz, Repositório Institucional da Universidade Federal de Lavras, ResearchGate, SciELO, ScienceDirect e Scopus com artigos originais publicados entre janeiro de 2004 a outubro de 2016. Na qual resultou em 07 estudos analisados de acordo com critérios pré-estabelecidos em que aponta um baixo interesse por parte dos médicos e/ou profissionais da saúde em que poucos conhecem, prescrevem e utilizam de fitoterápicos nas Unidades Básicas de Saúde.


Palavras-chave


Fitoterapia, plantas medicinais, SUS, medicina, Saúde Básica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, Neide Aparecida Titonelli et al. O uso de plantas medicinais como recurso terapêutico: das influências da formação profissional às implicações éticas e legais de sua aplicabilidade como extensão da prática de cuidar realizada pela enfermeira. 2006. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 14, n. 3, 2006.

ANTONIO, Gisele Damian. Fitoterapia na Atenção Primária à Saúde: interação de saberes e práticas de cuidado. 2013. 304f. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Florianópolis, 2014.

BENINI, Emanoelli Bassani et al. Valorização da flora nativa quanto ao potencial fitoterápico. 2010. Revista Destaques Acadêmicos - CCBS/UNIVATES, v. 2, n. 3, 2010/ ISSN: 2176-3070.

BLUM, Arina; MERINO, Eugenio Andrés Díaz; MERINO, Giselle Schmidt Alves Díaz. Método visual para revisão sistemática em Design com base em conceitos da Mineração de Dados. DAPesquisa, v. 11, n. 16, p. 124-139, 2016. Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC. ISSN: 1808-3129.

CANTARELLI, Ana Paula. Estudo da utilização das plantas medicinais pelos usuários do sus a as práticas dos profissionais de saúde de doutor Maurício Cardoso em relação a fitoterapia. 2012. 70f. Monografia (Especialização) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Administração. Curso de Especialização em Gestão em Saúde EAD. Três Passos – RS, 2012.

CARDOSO, C. R. P. Avaliação do potencial biológico de plantas pertencentes ao cerrado brasileiro e seus compostos de interesse farmacológico. 2009. 161f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista. “Júlio de Mesquita Filho”. Faculdade de Ciências Farmacêuticas. Programa de Pós Graduação em Biociências e Biotecnologia Aplicadas à Farmácia. Araraquara, 2009.

CAVALLAZZI, Mariângela Lunardelli. Plantas medicinais na atenção primária à saúde. 2006. 144f. Dissertação (Mestrado) - Centro de Ciências Médicas. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2006.

FERNANDES, Tania Maria. Plantas medicinais: memória da ciência no Brasil Rio de Janeiro: Ed. FIOCRUZ, 2004. 260 p.

FRANÇA, I.S.X. et al. Medicina popular: benefícios e malefícios das plantas medicinais. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 61, n. 2, p. 201-208, 2008. ISSN 1984-0446.

GADELHA, Claudia Sarmento. Utilização de fitoterápicos e plantas medicinais em diferentes segmentos da sociedade. 2015. 60f. Dissertação (Mestrado Profissional) - Universidade Federal de Campina Grande. Centro de Ciência e Tecnologia Agroalimentar. Programa de Pós-Graduação em Sistemas Agroindustriais. Pombal, 2015.

GOMES, Isabelle Sena; CAMINHA, Iraquitan de Oliveira. Guia para estudos de revisão sistemática: uma opção metodológica para as Ciências do Movimento Humano. Revista de Educação Física da UFRS – Movimento. v. 20, n. 1, p. 395-411, 2014.

GUILHERMINO, Jislaine de Fátima et al. Desafios e Complexidade para Inovação a partir da Biodiversidade Brasileira. Revista de Pesquisa e Inovação Farmacêutica, v. 4, n. 1 p.18-30, 2015. SSN: 2176-9532.

MARANHÃO, Denise Gomes. Análise situacional de Seis Programas de Fitoterapia Brasileiros. 2011. 47f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) – Fundação Oswaldo Cruz. Farmanguinhos. Complexo Tecnológico de Medicamentos. Rio de Janeiro. 2011.

MARQUES, Luciene Alves Moreira et al. Atenção Farmacêutica e Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde: Conhecimento e aceitação por parte da população Sãojoanense. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 21, n. 2, 2011.

MICCAS, Fernanda; BATISTA, Nildo; BATISTA, Sylvia. Metassíntese: Uma Experiência de Pesquisa sobre Educação Permanente em Saúde. Atas - Investigação Qualitativa em Educação Revista CIAIQ2016 , v. 2, 2016. ISBN:978-972-8914-59-2.

NASCIMENTO JÚNIOR, B. J. et al. Avaliação do conhecimento e percepção dos profissionais da estratégia de saúde da família sobre o uso de plantas medicinais e fitoterapia em Petrolina-PE, Brasil. 2015. Rev. bras. plantas med, v. 18, n. 1, p. 57-66, 2015. DOI: 10.1590/1983-084X/15_031.

NEVES, Rosália Garcia et al. O conhecimento dos profissionais de saúde acerca do uso de terapias complementares no contexto da atenção básica. Revista de pesquisa: cuidado é fundamental online. v. 4, n. 3, p. 2502-2509, Rio de Janeiro, 2012. ISSN 2175-5361.

OLIVEIRA, Ana Claudia Dias; ROPKE, Cristina. Os dez anos da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF) e os principais entraves da cadeia produtiva de extratos vegetais e medicamentos fitoterápicos no Brasil. 2016. Revista Fitos Eletrônica, Rio de Janeiro - RJ. v.10, n.2, p.185-198, 2016. ISSN: 2446-4775.

OSHIRO, Mariana Cardoso et al. A evolução do registro e prescrição de fitoterápicos no Brasil sob a perspectiva legal e sanitária. 2016. Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, v. 4, n. 4, p. 116-122. Rio de Janeiro – RJ, 2016. ISSN: 2317-269X.

OTANI, Márcia Aparecida Padovan; BARROS, Nelson Filice de. A Medicina Integrativa e a construção de um novo modelo na saúde. Ciência & saúde coletiva, v. 16, n. 3, p. 1801-1811, 2011. ISSN 1413-8123.

RIBEIRO, Rita Luzia Morais - A escolha entre terapias não convencionais e medicina convencional : uma análise sociológica das motivações e preferências dos doentes. 2010. 171 f. Tese (Mestrado) – Universidade de Coimbra. Faculdade de Medicina. Mestrado em Saúde Pública. Coimbra, 2010.

ROCHA, F. A. G., et al. O USO TERAPÊUTICO DA FLORA NA HISTÓRIA MUNDIAL. 2014 HOLOS, Ano 31, v. 1. 2015. ISSN 1807-1600.

ROSA, Ana Paula Costa da. Estudo da oferta e produção de atendimentos das práticas integrativas e complementares no SUS no município do Rio de Janeiro. 2013. 52f. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Centro Biomédico, Instituto de Medicina Social. Rio de Janeiro, 2013.

SILVA, Paulo Henrique da, et al. A Etnobotâmica e as plantas medicinais sob a perspectiva da valorização do conhecimento tradicional e da conservação ambiental. Revista de Ciências Ambientais, Canoas, v.9, n.2, p. 67-86, 2015/ISSN 1981-8858.

TAVARES, José Carlos. Formulário médico-farmacêutico de fitoterapia.

ed. São Paulo: Pharmabooks, 2012. 365 p.

TOMAZZONI, Marisa Ines; NEGRELLE, Raquel Rejane Bonato; CENTA, Maria de Lourdes. Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapeuta. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 15, n. 1, p. 115-121, 2006. ISSN 1980-265X.

VENTURA, Maria de Fátima et al. Uso de plantas medicinais por grupo de idosos de unidade de saúde de Campo Grande, Rio de Janeiro: uma discussão para a implantação da fitoterapia local. 2012. 52f. Monografia (Especialização) – Fundação Oswaldo Cruz – Farmaguinhos, Especialização em Gestão da inovação em Fitomedicamentos. Rio de Janeiro, 2012.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v10i33.631

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: