A Importância do ensino de Libras: Relevância para Profissionais de Saúde

Tâmara Silva Ramos, Maria Antonieta Pereira Tigre Almeida

Resumo


A audição é o sentido por meio do qual se percebem os sons e a deficiência auditiva por sua vez deve ser tema de discussão, pois embora seja direito da pessoa surda ter acesso a serviços de saúde de qualidade, são por muitas vezes, atendidos de maneira incorreta e desrespeitados em sua condição, pois a área de saúde não possui profissionais capacitados para um atendimento aprimorado. Assim este estudo teve por objetivo analisar a importância do estudo de Libras para uma melhor preparação profissional de saúde para atuar junto à comunidade surda, conforme questionários aplicados em um Universidade particular da cidade cm alunos de 5 tipos de áreas de saúde (Enfermagem, Farmácia, Odontologia, Fisioterapia e Estética) e por isso trata-se de uma pesquisa qualitativa onde o caráter é de maneira exploratória realizada com alunos dos cursos da saúde. Nota-se que Enfermagem, Fisioterapia, Farmácia, Estética e Odontologia.  A maioria dos alunos cursam Enfermagem (n=22), 32 dos participantes sabem o que é Libras e não se comunicam por Libras. 36 participantes declararam ter esse interesse em estudar LIBRAS. E embora o cuidado e contato com algum paciente com problema auditivo, nesta pesquisa ter sido baixo (n-5), (n=40) consideraram importante o estudo da libra na área de saúde e (n=39) acreditam que todas as áreas de saúde deveriam ter disciplina de LIBRAS na grade curricular. Já que 34 deles disseram que o atendimento aos deficientes auditivos feito por sua classe é ruim. Chegando a conclusão de que as garantias e direitos dados às pessoas com deficiência devem existir como forma de inclusão e integração social.

 

 


Palavras-chave


Surdo; Libras; Estudantes. Inclusão

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Fernanda S.; MARCUCCI, Rosa Maria B. Uso da linguagem brasileira de sinais na comunicação enfermeiro paciente portador de deficiência auditiva. Rev. Enferm UNISA, 10(2): 144-8, 2009. Disponível em: Acesso em 04 out 2016.

BORTAGARAI F., RAMOS A. A comunicação não-verbal na área da saúde, Rev. CEFAC, São Paulo, 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rcefac/2011nahead/186_10.pdf> Acesso em 04 out 2016.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília: Ministério da Justiça, 2005. Disponível em:< http://r1.ufrrj.br/graduacao/arquivos/docs_academico/decreto_5626_libras.pdf. >Acesso em 20 mai 2016.

CHAVEIRO, Neuma; BARBOSA, Maria Alves. Assistência ao surdo na área de saúde como fator de inclusão social. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo , v. 39, n. 4, p. 417-422, Dec. 2005. Disponível em: <. Acesso em 23 set 2016.

CHAVEIRO, Neuma; PORTO, Celmo Celeno; BARBOSA, Maria Alves. Relação do paciente surdo com o médico. Rev. Bras. Otorrinolaringol., São Paulo , v. 75, n. 1, p. 147-150, Feb. 2009. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-72992009000100023&lng=en&nrm=iso >Acesso em 20 out 2016.

CHICON. José Francisco; SOARES. Jane Alves. Compreendendo os Conceitos de Integração e Inclusão. 2013. Disponível em: < http://www.todosnos.unicamp.br:8080/ lab/links-uteis/acessibilidade-e-inclusao/textos/compreendendo-os-conceitos-de-integracao-e-inclusao/> Acesso em 04 nov 2016.

COSTA, Luiza Santos Moreira da; SILVA, Natália Chilinque Zambão da. Desenvolvendo atitudes, conhecimentos e habilidades dos estudantes de medicina na atenção em saúde de pessoas surdas. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 16, n. 43, p. 1107-1117, Dec. 2012 .

DESSEN. Maria Auxiliadora; BRITO. Angela Maria Waked de. Reflexões sobre a deficiência auditiva e o atendimento institucional de crianças no Brasil. 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/paideia/n12-13/09.pdf > Acesso em 05 jun 2016.

DIZEU, Liliane Correia Toscano de Brito; CAPORALI, Sueli Aparecida. A língua de sinais constituindo o surdo como sujeito. Educ. Soc., Campinas , v. 26, n. 91, p. 583-597, Aug. 2005. Disponível em: . Acesso em 07 jun 2016.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 6ª Ed. São Paulo. Editora: Atlas, 2010.

GLAT, R.; PLETSCH, M. D. O papel da Universidade no contexto da política de Educação Inclusiva: reflexões sobre a formação de recursos humanos e a produção de conhecimento. Rev. Educ. Espec, Santa Maria, v. 23, n. 38, p. 345-356, 2010. Disponível em: Acesso em 03 jun 2016.

HAMZE. Amelia. Integração ou Inclusão? 2010. Disponível em: < http://educador.brasilescola.com/trabalho-docente/integracao.htm> Acesso em 03 jun 2016.

LOPES. Marta Júlia Marques; LEAL. Sandra Maria Cezar. A feminização persistente na qualificação profissional da enfermagem brasileira. Cadernos pagu (24), janeiro-junho, 2005, pp.105-125.

NOBREGA, Juliana Donato et al . Identidade surda e intervenções em saúde na perspectiva de uma comunidade usuária de língua de sinais. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 17, n. 3, p. 671-679, Mar. 2012.

ORTIGARA, Elisangela P. F.; TRECOSSI, Micheli O. Importância e eficácia das consultas de enfermagem ao paciente surdo. Revista de Enfermagem. Vol.9, n.9, p.60-69, 2013. Disponível em: Acesso em 01 jun 2016.

PAGLIUCA, L. M. F.; FIÚZA, N. L. G.; REBOUÇAS, C. B. A. Aspectos da comunicação da enfermeira com o deficiente auditivo. RevEscEnferm USP,Fortaleza, v.41, n.3, p.411-8, 2007. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v41n3/10.pdf Acesso em 20 mai 2016.

SOUZA, M. T.;PORROZZI, R. Ensino de libras para profissionais de saúde: uma necessidade premente. Rev. Práxis, v.1, n. 2, p.43-6, 2009.

TEDESCO, Janaina dos Reis; JUNGES, José Roque. Desafios da prática do acolhimento de surdos na atenção primária. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 29, n. 8, p. 1685-1689, Aug. 2013 .




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v10i33.606

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: