Maternidade Prematura: A Experiência de Mães de Neonatos Internados na UTI Neonatal / Premature Maternity: The Experience of Mothers of Neonates Admitted to the Neonatal ICU

Sebastião Elan dos Santos Lima, Rodrigo sa Silva Maia, Hemily Taina de Melo Torres, Maria Gabriella Madruga de Macêdo, Eulália Maria Chaves Maia

Resumo


Resumo: A gravidez é um período de transição existencial, muito importante para o ciclo vital da mulher. Desse modo, um parto prematuro pode frustrar as expectativas maternas, provocando ansiedade e insegurança. Objetivou-se verificar a experiência de mães de neonatos pré-termos hospitalizados na unidade de terapia intensiva neonatal. Métodos: É uma pesquisa quantitativa, analítica e transversal, realizado com 90 mães. Os instrumentos utilizados foram, entrevista estruturada e questionário sociodemográfico e de saúde. Analisou-se a árvore de similitude gerada pelo software IRAMUTEQ. Resultados: evidenciaram a palavra medo como o léxico central relacionando-se: a hospitalização, cuidado com o filho e morte. Discussões: Verificou-se a espiritualidade, apoio social, e suporte da equipe de saúde, como fatores que podem contribuir positivamente para a puérpera. Conclusões: Por fim, ressalta-se a necessidade de um cuidado humanizado, com informações claras e fortalecimento do vínculo equipe-mãe-neonato.



Palavras-chave


mães; prematuridade; UTI neonatal

Texto completo:

PDF

Referências


Ainsworth, M. (1994). Attachements and other affectional bonds across the life cycle. In C. M. Parkes, J. Stevenson- Hinde, & F. Marris (Eds.), Attachement across the life cycle. London: Tavistock/Routledge.

Bowlby, J. (1989). Uma base segura: Aplicações clínicas da teoria do apego. Porto Alegre: Artes Médicas.

Brasil. Ministério da Saúde. (2014). Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. (2a ed.). Brasília.

Brazelton, T. B. (1988). O desenvolvimento do apego: uma família em formação. Porto Alegre: Artes Médicas.

Cáceres-Manrique, Flor de María, Molina-Marín, Gloria, & Ruiz-Rodríguez, Myriam. (2014). Maternidad: un proceso con distintos matices y construcción de vínculos. Aquichan, 14(3), 316-326. https://dx.doi.org/10.5294/aqui.2014.14.3.4

Cartaxo, L., Torquato, J., Agra, G., Fernandes, M., Platel, I., & Freire, M. (2014). Vivência de mães na unidade de terapia intensiva neonatal [Mothers’ experience in neonatal intensive care unit]. Revista Enfermagem UERJ, 22(4), 551-557. Recuperado de https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/15422/11664

Flach, K., Lobo, B. O. M., Potter, J. R., & Lima N. S. (2012). O luto antecipatório na unidade de terapia intensiva pediátrica: relato de experiência. Revista da Sociedade brasileira de psicologia hospitalar. 15(1), 83-100.

Fraga, Everliny, Dittz, Erika da Silva, & Machado, Letícia Guimarães. (2019). A construção da co-ocupação materna na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 27(1), 92-104. https://dx.doi.org/10.4322/2526-8910.ctoao1125

França EB, Lansky S, Rego MAS, Malta DC, França JS, Teixeira R, et al. (2017). Leading causes of child mortality in Brazil, in 1990 and 2015: Estimates from the Global Burden of Disease study. Rev Bras Epidemiol. 20:46–60.

Frigo J, Zocche DA, Palavro GL, Turatti LA, Neves ET, Schaefer TM. (2015). Perceptions of parents of premature newborns in neonatal intensive care unit. Rev Enferm UFSM. 5(1), 58-8. Disponível em: https://dx.doi.org/10.5902/2179769212900.

Iaconelli, V. (2007). Luto insólito, desmentido e trauma: clínica psicanalítica com mães de bebês. Revista latino-americana de psicopatologia fundamental. 10(4), 614-623.

Kami, Maria Terumi Maruyama, Larocca, Liliana Müller, Chaves, Maria Marta Nolasco, Lowen, Ingrid Margareth Voth, Souza, Viviam Mara Pereira de, & Goto, Dora Yoko Nozaki. (2016). Trabalho no consultório na rua: uso do software IRAMUTEQ no apoio à pesquisa qualitativa. Escola Anna Nery, 20(3), e20160069. Epub June 07, 2016.https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160069

Lansky, Sônia, Friche, Amélia Augusta de Lima, Silva, Antônio Augusto Moura da, Campos, Deise, Bittencourt, Sonia Duarte de Azevedo, Carvalho, Márcia Lazaro de, Frias, Paulo Germano de, Cavalcante, Rejane Silva, & Cunha, Antonio José Ledo Alves da. (2014). Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cadernos de Saúde Pública, 30(Suppl. 1), S192-S207. https://doi.org/10.1590/0102-311X00133213

Lima, S. E. S., Ferreira, C. A. R., Maia, E. M. C., & Cavalcante, F. L. N. F. (2019). Vivência do luto por mães de recém-nascidos com óbito em unidade de terapia intensiva neonatal. In I. Dickmann, I. Dickmann, & J. L. Carboni (Orgs.). Pluralidade de saberes. (Vol. 2, pp. 197-208). Editora Livrologia: Chapecó.

Lucca, S. A., Petean, E. B. L. (2016). Paternidade: vivências de pais de meninos diagnosticados com distrofia muscular de Duchenne. Ciência e saúde coletiva. 21(10), 3081-3089.

Maia, R. S., Araújo, T. C. S., & Maia, E. M. C. (2017) Plágio acadêmico: a percepção de estudantes de psicologia. Scientia plena. 13 (08). Doi: 10.14808/sci.plena.2017.087101

Maldonado, M. T., (2017). Psicologia da gravidez: gestando pessoas para uma sociedade melhor. São Paulo: ideias & letras.

Martins, M. F. (2000). Os Pais e a Possibilidade da Morte do Filho Prematuro de Risco. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Mota, Clarice Santos, Trad, Leny Alves Bomfim, & Villas Boas, Maria José Villares Barral. (2012). O papel da experiência religiosa no enfrentamento de aflições e problemas de saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 16(42), 665-675. https://doi.org/10.1590/S1414-32832012000300007

Oliveira JFB, Quirino GS, & Rodrigues DP . (2012). Percepção das puérperas quanto aos cuidados prestados pela equipe de saúde no puerpério. Reve Rene. 13(01). Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=324027980010

Oliveira, Kézia de, Veronez, Marly, Higarashi, Ieda Harumi, & Corrêa, Darci Aparecida Martins. (2013). Vivências de familiares no processo de nascimento e internação de seus filhos em UTI neonatal. Escola Anna Nery, 17(1), 46-53. https://doi.org/10.1590/S1414-81452013000100007

Parkes. C. M. (2009). Amor e perda: as raízes do luto e suas complicações. São Paulo: Summus

Rocha, Gabriele Pereira, Oliveira, Maria do Carmo Fontes, Ávila, Luciana Beatriz Bastos, Longo, Giana Zarbato, Cotta, Rosângela Minardi Mitre, & Araújo, Raquel Maria Amaral. (2018). Condicionantes da amamentação exclusiva na perspectiva materna. Cadernos de Saúde Pública, 34(6), e00045217. Epub September 03, 2018.https://doi.org/10.1590/0102-311x00045217

Scarabel, C. A. (2011). A experiência da puérpera com o parto prematuro e internação do seu recém-nascido numa Unidade de terapia Intensiva Neonatal: Estudo a partir da psicologia analítica. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado de: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-17042012-113540/pt-br.php.

Silva, Andressa Melina Becker da, & Enumo, Sônia Regina Fiorim. (2017). Descrição e análise de uma intervenção psicológica com bailarinos pelo Software IRAMUTEQ. Temas em Psicologia, 25(2), 577-593. https://dx.doi.org/10.9788/TP2017.2-11Pt

Sousa, Alcineide Mendes de, Mota, Carleandra da Silva, Cruz, Ionárya Araújo Costa da, Mendes, Sayonara dos Santos; Martins, Maria do Carmo de Carvalho & Moura, Maria Eliete Batista. (2011). Sentimentos expressos por mães de neonatos prematuros internados na uti neonatal. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online. (3), 100-110. http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=505750891013

Souza, Marli Aparecida Rocha de, Wall, Marilene Loewen, Thuler, Andrea Cristina de Morais Chaves, Lowen, Ingrid Margareth Voth, & Peres, Aida Maris. (2018). O uso do software IRAMUTEQ na análise de dados em pesquisas qualitativas. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 52, e03353. Epub October 04, 2018.https://doi.org/10.1590/s1980-220x2017015003353

Souza, Nilba Lima de, Araújo, Ana Cristina Pinheiro Fernandes, Costa, Íris do Céu Clara, Carvalho, Jovanka Bittencourt Leite de, & Silva, Maria de Lourdes Costa da. (2009). Representações de mães sobre hospitalização do filho prematuro. Revista Brasileira de Enfermagem, 62(5), 729-733. https://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000500013

Tinoco, V. O processo de luto na maternidade prematura (2015). In: Caselllato, G. O resgate da empatia: suporte psicológico ao luto não reconhecido. (pp. 29-47). São Paulo: Summus editorial.

Ued, Flávia da Veiga, Silva, Maria Paula Custódio, da Cunha, Isabela Lacerda Rodrigues, Ruiz, Mariana Torreglosa, Amaral, Jesislei Bonolo do, & Contim, Divanice. (2019). Percepção das mães ao visitar seu filho na unidade neonatal pela primeira vez. Escola Anna Nery, 23(2), e20180249. Epub 24 de janeiro de 2019.https://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2018-0249

Veronez, Marly, Borghesan, Nataly Alves Barbosa, Corrêa, Darci Aparecida Martins, & Higarashi, Ieda Harumi. (2017). Vivência de mães de bebês prematuros do nascimento a alta: notas de diários de campo. Revista Gaúcha de Enfermagem, 38(2), e60911. Epub July 20, 2017.https://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.02.60911

Viana V., Guimarães, H., Maia, T., Ramos, M., Mendes, F. (2005). Apoio às Mães em Crise num Serviço de Neonatologia. Psicologia Saúde & Doenças . 6( 2 ), 119-130.

Viorst J. (2005). Perdas necessárias. (4a Ed.) São Paulo: Melhoramento.

WHO | Preterm birth. (2016). WHO. World Health Organization.

Zanatta, Edinara, Pereira, Caroline Rubin Rossato, & Alves, Amanda Pansard. (2018). A experiência da maternidade pela primeira vez: as mudanças vivenciadas no tornar-se mãe. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 13(1), 1-16. Recuperado em 08 de maro de 2020, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082018000100005&lng=pt&tlng=pt.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v15i55.3084

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Sebastião Elan dos Santos Lima, Rodrigo sa Silva Maia, Hemily Taina de Melo Torres, Maria Gabriella Madruga de Macêdo, Eulália Maria Chaves Maia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: