Dor surda, grito abafado: Experiências e percepções de mulheres vítimas de violência obstétrica / Dull Pain, Muffled Scream: Experiences and Perceptions of Women victims of Obstetric violence

Iago Sávyo Duarte Santiago, Jeane Alves Silva, Natalle Wold Gomes da Silva, Gislene Farias de Oliveira, Estelita Lima Cândido

Resumo


Resumo: Objetivos: avaliar o conhecimento de gestantes acerca da violência obstétrica, o impacto da aplicação de um projeto de intervenção baseado no protagonismo feminino no parto e analisar percepções e consequências da violência obstétrica na vida de mulheres acometidas. Métodos: Pesquisa quali-quantitativa, quasi-experimental, realizada com 10 gestantes do Cariri cearense. O teste T de Student com significância a 0,05 foi aplicado para comparação das médias de acertos. A análise qualitativa ocorreu através do método de Bardin. Resultados: A comparação das médias de acertos nos questionários pré (m=7.22±2.43) e pós-intervenção (m=9.11±0.92) revelou diferença estatística (p=0.0234). A análise qualitativa evidenciou as seguintes categorias: Experiências de violência obstétrica, Direito à privacidade e à companhia, Sentimentos evocados nas experiências e Sequelas da violência obstétrica. Conclusões: Os relatos constatam a permanência da violência obstétrica no Cariri cearense, promovendo sentimentos e percepções negativas. Ao contrário do que se imagina, a coerção não facilita o trabalho dos profissionais.


Palavras-chave


Saúde da mulher; Violência de gênero; Violência obstétrica; Parto humanizado

Texto completo:

PDF

Referências


Tesser CD, Knobel R, Andrezzo HF, Diniz SG. Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. 2015 Jun 20; 10:1-12.

Organização Mundial de Saúde. Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. Genebra: Departamento de Saúde Reprodutiva e Pesquisa; 2014.

Martins FL. Violência Obstétrica: Uma expressão nova para um problema histórico. Revista Saúde em Foco. 2019 Mar; 11:413-423.

Sadler M, Santos MJ, Ruiz-Berdún D, Rojas GL, Skoko E, Gillen P, & Clausen JA. Moving beyond disrespect and abuse: addressing the structural dimensions of obstetric violence. Reproductive health matters. 2016 Mai; 24(47):47-55.

Venturini G, Godinho T. Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: Edições Sesc; 2013. 504 p.

Sena LM, Tesser CD. Violência obstétrica no Brasil e o ciberativismo de mulheres mães: relato de duas experiências. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2016 Nov; 21:209-220.

Aguiar JM, D‘Oliveira AP, Schraiber LB. Violência institucional, autoridade médica e poder nas maternidades sob a ótica dos profissionais de saúde. Cadernos de Saúde Pública. 2013 Nov; 29:2287-2296.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa. Edições 70;2009.

Hofmeyr JG, Nikodem CV, Wolman WL, Chalmers BE, Kramer T. Companionship to modify the clinical birth environment: effects on progress and perceptions of labour, and breastfeeding: effects on progress and perceptions of labour, and breastfeeding. An International Journal of Obstetrics and Gynecology. 1991 Ago; 98:756-764.

Velho MB, Santos EK, Brüggemann OM, Camargo BV. Vivência do parto normal ou cesáreo: revisão integrativa sobre a percepção de mulheres: revisão integrativa sobre a percepção de mulheres. Texto & Contexto - Enfermagem. 2012 Jun; 21:458-466.

Williams CR, Jerez C, Klein K, Correa M, Belizán JM, Cormick G. Obstetric violence: a latin american legal response to mistreatment during childbirth. An International Journal of Obstetrics & Gynecology. 2018 Jun 07; 125:1208-1211.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde (Brasil). Portaria nº 1.459, de junho de 2011.Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, a Rede Cegonha. Diário Oficial da União 25 Jun 2011; Seção 1.

Spacov LV, Silva DS. Violência Obstétrica: Um olhar jurídico desta problemática no Brasil. Derecho y Cambio Social. 2019 Jan; 485-499.

Conselho Regional de Medicina (Brasil). Resolução CFM nº 2.217, de 27 de setembro de 2018; modificado pelas Resoluções CFM nº 2.222 / 2018 e 2.226/2019. Código de Ética Médica, 2018.

Organização Mundial de Saúde. WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Genebra: World Health Organization; 2018.

Bruggemann OM, Parpinelli MA, Osis MJ, Cecatti JG, Neto AS. Support to woman by a companion of her choice during childbirth: a randomized controlled trial: a randomized controlled trial. Reproductive Health. 2007 Jul 06; 4:1-7.

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº 2.418, de 02 de dezembro de 2005. Regulamenta, em conformidade com o art. 1º da Lei nº 11.108, de 7 de abril de 2005, a presença de acompanhante para mulheres em trabalho de parto, parto e pós - parto imediato nos hospitais públicos e conveniados com o Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, 06 de dez 2005; Seção1.

Ministério da Saúde; Secretaria de Ciência; Tecnologia de Insumos Estratégicos. Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal. Brasília, DF: O Ministério, 2017.

Diniz CSG, D'Orsi E, Domingues RMSM, Torres JA, Dias MAB, Schneck CA, Lansky S, Teixeira NZF, Rance S, Sandall J. Implementação da presença de acompanhantes durante a internação para o parto: dados da pesquisa nacional Nascer no Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 2014 Ago; 30:140-153.

Bruggemann OM, Ebsen ES, Oliveira ME, Gorayeb MK, Ebele RR. Reasons which lead the health services not to allow the presence of the birth companion: nurses discourses. Texto & Contexto - Enfermagem. 2014 Jun; 23:270-277.

Wolff LR, Waldow VR. Violência consentida: mulheres em trabalho de parto e parto: mulheres em trabalho de parto e parto. Saúde e Sociedade. 2008 Set; 17:138-151.

Brandit GP, Souza SJ, Migoto MT, Weigert SP. Violência Obstétrica: A verdadeira dor do Parto. Revista Gestão & Saúde. 2018;19-37.

Silva FM, Silva ML, Araújo FN. Sentimentos causados pela Violência Obstétrica em Mulheres de Município do Nordeste Brasileiro. Revista Prevenção de Infecção e Saúde. 2018 Fev 27; 3:25-34.

Palma CC, Donelli TM. Violência obstétrica em mulheres brasileiras. Psico. 2017 Sep 29; 48:216-230.

Siraj A, Teka W, Hebo H. Prevalence of disrespect and abuse during facility based childbirth and associated factors, Jimma University Medical Center, Southwest Ethiopia. Bmc Pregnancy and Childbirth. 2019 May 27; 19:2-9.

Progianti JM, Araújo LM, Mouta RJ. Repercussões da episiotomia sobre a sexualidade. Escola Anna Nery. 2008 Mar; 12:45-49.

Souza KJ, Rattner D, Gubert MB. Institutional violence and quality of service in obstetrics are associated with postpartum depression. Revista de Saúde Pública. 2017 Jul 20; 51:69-80.

Arrais AR, Araújo TC, Schiavo RA. Fatores de Risco e Proteção Associados à Depressão Pós-Parto no Pré-Natal Psicológico. Psicologia: Ciência e Profissão. 2018 Out; 38:711-729.

Pereira PK, Lovisi GM, Lima LA, Legay LF. Complicações obstétricas, eventos estressantes, violência e depressão durante a gravidez em adolescentes atendidas em unidade básica de saúde. Archives Of Clinical Psychiatry (são Paulo). 2010; 37:216-222.)




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v15i55.3083

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Iago Sávyo Duarte Santiago, Jeane Alves Silva, Natalle Wold Gomes da Silva, Gislene Farias de Oliveira, Estelita Lima Cândido

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: