Estratégias Bioclimáticas Para Cidade de Alta Floresta-MT/Brasil / Bioclimatic Strategies for the City of Alta Floresta-Mt / Brazil

Marlize Zinelli Viezzer, Odorico Konrad, Maurício Dallastra, Rodrigo Spinelli, Alisson de Souza da Silva

Resumo


Este estudo objetivou a elaboração de uma carta bioclimática para o Município de Alta Floresta, localizado no norte do Estado de Mato Grosso. Essa carta tem o intuito de apresentar estratégias bioclimáticas capazes de conferir conforto ambiental ao mesmo tempo que promove ações que sejam mais sustentáveis ao setor da construção civil. A relevância desta pesquisa para a região está na apresentação de diretrizes para a elaboração de projetos arquitetônicos pensados especificamente ao clima local, tornar compatível as condições térmicas ao conforto térmico humano no interior da edificação como estratégia bioclimática eficiente para proporcionar mais eficiência energética à construção civil. As médias mensais e anuais dos dados climáticos, temperatura e umidade relativa   do período de 2008 a 2018, disponibilizados pelo Instituto Nacional de Meteorologia, foram inseridas no Software Analysis Bio, que gerou a carta bioclimática, apresentando como resultado os meses de junho a setembro (Zona 1), conforto térmico, e de outubro a maio (Zona 2), recomendando a estratégia de ventilação. O resultado do artigo demonstra que o Município de Alta Floresta/MT está localizado em uma zona de conforto, recomendando apenas aberturas médias e sombreadas para as edificações que possibilitem a circulação de ar.


Palavras-chave


Carta Bioclimática; Conforto Térmico; Climatologia; Eficiência Energética; Zonas Climáticas.

Texto completo:

PDF

Referências


AYOADE, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. 332p.

ALMEIDA, H. A. de; Climatologia Aplicada à Geografia (Livro Eletrônico). Campina Grande: EDUEPB, 2016. 6000KB. 317p. Disponível em: http://http://www.uepb.edu.br/ebooks/. Acesso em: 27 set. 2019.

CONSOLI.O.I; CANTU. A.F. Arquitetura Bioclimática como Instrumento para o desenvolvimento de comunidades Sustentáveis. Revista Orbis Latina. Foz do Iguaçu, vol.7, n. 2, p.150-158, jul. 2017. Disponível em: https://revistas.unila.edu.br/index.php/orbis. Acesso em: 27 set. 2019.

DALLASTRA, M.; SILVA, A. F.; SPINELLI, R.; DALLACORT, R.; BALZOCHIO, M. S.; KONRAD, O. Bioclimatic strategies for the city of Tangará da Serra / MT – Brazil. Revista Brasileira de Climatologia. ano 15, vol.25, p.399-423, jul/dez. 2019. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistaabclima/article/view/66379. Acesso em: 27 set. 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v25i0

FGV - Fundação Getúlio Vargas. Amazônia Legal: Proposta para uma exploração agrícola sustentável. 2016. 232p. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/17672/Amaz%C3%B4nia_Legal_Propostas_para_uma_Explora%C3%A7%C3%A3o_Agr%C3%ADcola_Sustent%C3%A1vel_Relat%C3%B3rio_Completo.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 27 set. 2019.

FROTA, A.B.; SCHIFFER, S. R; Manual de conforto térmico: arquitetura, urbanismo. — 5. ed. — São Paulo : Studio Nobel, 2001. 244p.

GIVONI, B. Man, Climate and architecture. Londres: Applied Science, 1969.

GIVONI, B. Comfort Climate Analysis and Building Design Guidelines. Energy and Buildings. v. 18, p. 11-23. 1992. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/037877889290047K. Acesso em: 27 set. 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/0378-7788(92)90047-K

GONÇALVES, J; BODE, K (Orgs.). Edifício Ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2015.

HAUBRICHT, D. M. Variabilidade dos elementos climáticos no município de Alta Floresta/MT: uma abordagem agroambiental. 83 f. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade e Agro Ecossistemas Amazônicos, Universidade do Estado de Mato Grosso, Alta Floresta-MT, 2015.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2010. Disponível em: www.ibge.gov.br/home/geociencias/cartogramas/relevo.html. Acesso em: 27 set. 2019.

KINSEL, L. S. Avaliação do conforto e da energia em edifícios residenciais de Porto Alegre. 2009. 194f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura). Programa de Pesquisa em Arquitetura (PROPAR) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

LabEEE - Laboratório de Eficiência Energética em Edificações. Estratégias Bioclimáticas: Ventilação Natural. UFSC. Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: http://projeteee.mma.gov.br/estrategia/ventilacao-natural/. Acessado em: 26 de fev. 2019.

LAMBERTS, R; DUTRA, L; PEREIRA, F.O.R; Eficiência Energética na arquitetura. 3.ed. Rio de Janeiro, 2014, 382p. Disponível em: http://www.labeee.ufsc.br/sites/default/files/apostilas/eficiencia_energetica_na_arquitetura.pdf.

LAMBERTS, R; TRIANA, M. A. Levantamento do Estado da arte: Energia. São Paulo, 2007, 95p. Disponível em: http://carbonok.com.br/Downloads/HabitacaomaisSustentavel-D2-3-energiasolar.pdf.

LASVAUX, S.; ACHIM, F.; GARAT, P.; PEUPORTIER, B.; CHEVALIER, J.; HABERT, G. Correlations in Life Cycle Impact Assessment methods (LCIA) and indicators for construction materials: What matters? Ecological Indicators. v. 67, p. 174-182, ago.2016. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1470160X16300103. Acesso em: 27 set. 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ecolind.2016.01.056

LEÃO, E.F.T. Carta Bioclimática de Cuiabá- Mato Grosso. 163 p. Dissertação (mestrado). Programa de Pós-Graduação em Física e Meio Ambiente, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2017.

LEE. S; KIM. S; NA. Y. Comparative analysis of energy related performance and construction cost of the external walls in high-rise residential buildings. Energy Build, v. 99, p.67-74, jul. 2015. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0378778815002765?via%3Dihub. Acesso em: 27 set. 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.enbuild.2015.03.058

MARTINI A, BIONDI D. Microclima e Conforto Térmico de um Fragmento de Floresta Urbana em Curitiba, PR. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 22, n. 2, p. 182-193, jun. 2015 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-80872015000200182&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 27 set. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/2179-8087.082114.

MARTINS, T. A. L; BITTENCOURT, L. S; KRAUSE, B.L.M.C. Contribuição ao zoneamento bioclimático brasileiro: reflexões sobre o semiárido nordestino. Ambiente Construído. Porto Alegre. vol.12, n.2, p.59-75, abr./jun. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-86212012000200005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 27 set. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-86212012000200005.

MOREIRA, P.S.P; Análise de variáveis meteorológicas em diferentes biomas do estado de Mato Grosso. Dissertação (mestrado). Universidade do Estado de Mato Grosso, Tangará da Serra. Programa de Pós-Graduação em Ambientes e sistemas de produção agrícola. 2015. 64p.

PARK, J.H; KANG, Y; LEE, J; CHANG, S.G; WI,S; KIM, S. Development of wood-lime boards as building materials improving thermal and moisture performance based on hygrothermal behavior evaluation. vol. 204, p. 576-585, abr. 2019. Disponível em:https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0950061819301850?via%3Dihub#! Acesso em: 27 set. 2019.

CEAAF – Portal da Amazônia. Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável. Conselho Executivo de Ações da Agricultura Familiar. Alta Floresta, MT 2010. 46p. Disponível em: http://sit.mda.gov.br/download/ptdrs/ptdrs_qua_territorio074.pdf. Acesso em: 27 set. 2019.

PERLOVA, E.; PLATONOVA, M.; GORSHKOV, A.; RAKOVA,X. Concept Project of Zero Energy Building Procedia Engineering. V.100, p. 1505-1514, 2015. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1877705815005494. Acesso em: 27 set. 2019.

SECRETARIA DE TRABALHO MINISTÉRIO DA ECONOMIA 2019. Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – CAGED. Disponível em: http://trabalho.gov.br/trabalhador-caged. Acesso em 26 fev. 2019.

SERAFIM, G; REMOR, R; FENATO, C. S. P. M. Estratégias bioclimáticas para projeto arquitetônico na cidade de Umuara¬ma – PR. Akrópolis. Umuarama, v. 25, n. 2, p. 91-101, jul./dez. 2017. Disponível em: https://revistas.unipar.br/index.php/akropolis/article/download/5948/3683. Acesso em 26 fev. 2019. DOI: 10.25110/akropolis.v25i2.5948

SILVA, V. G. da; PARDINI, A. F. Contribuição ao entendimento da aplicação da certificação LEEDTM no Brasil com base em dois estudos de caso. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 10, n. 3, p. 81-97, jul./set. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1678-86212010000300006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 26 fev. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-86212010000300006

SIMIONOVSKI, C. S; Variação de recursos financeiros com a aplicação do regulamento técnico da qualidade do nível de eficiência energética de edifícios comerciais, de serviços e públicos (RTQ-C) na fase de projeto de uma biblioteca padronizada de um instituto federal. 2018. Dissertação (Mestrado) – Programa de pós-graduação em Engenharia e Ciências Ambientais, Universidade de Caxias do Sul, 2018. 97p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 15220-3: Desempenho térmico de edificações. Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social. Rio de Janeiro, 2005.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v15i55.3079

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Marlize Zinelli Viezzer, Odorico Konrad, Maurício Dallastra, Rodrigo Spinelli, Alisson de Souza da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: