Desigualdades raciais e a educação brasileira: alguns pontos estruturais / Racial Inequalities and Brazilian Education: Some Structural Points

Ronilson de Souza Luiz, Zilma Soares Correia

Resumo


Este artigo se insere nos estudos sobre a colonialidade e a educação. A escola brasileira foi durante anos marcada pela valorização do sujeito norma, no caso, o branco. No currículo escolar e até mesmo nos materiais didáticos, como podemos exemplificar com as Ilustrações e discursos presentes em livros, nos quais constata-se ainda a legitimação da ideia de uma supremacia da branquitude. Dentro deste contexto, o artigo é resultante de dissertação de mestrado e tem como objetivo analisar alguns pontos estruturais da nossa sociedade que fomentam a desigualdade racial e buscar alternativas no âmbito da educação que possam colaborar para o enfrentamento de tais mazelas. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, na qual o trabalho de investigação é constituído por pesquisa bibliográfica e documental. O corpo teórico deste trabalho está referenciado, sobretudo, pelos argumentos de Aníbal Quijano (2005), Boaventura de Sousa Santos (2010) e Catherine Walsh (2009), para abordarmos os reflexos da colonialidade em nossa sociedade. Os autores foram eleitos pela considerável influência nos campos de estudos pós-coloniais já há mais de duas décadas. Constamos que uma educação decolonial, intercultural e antirracista poderá contribuir para a transformação do cotidiano escolar, traçando caminhos para a emancipação e para o empoderamento dos sujeitos colonizados, subalternizados há séculos, a partir da contemplação da pluralidade de saberes e da superação da posição de inferioridade enraizada pela ideia de racialização.


Palavras-chave


Colonialidade; Pedagogia Decolonial; Interculturalidade Crítica.

Texto completo:

PDF

Referências


CANDAU, Vera Maria Ferrão. Didática crítica intercultural: Aproximações. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

CANDAU, Vera Maria Ferrão; OLIVEIRA, Luís Fernandes de. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.26, n.01,p.15-40, abr. 2010.

FANON, Frantz. Pele Negra, Máscaras Brancas. Salvador : EDUFBA, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 58. Ed. Rio de Janeiro : Paz e Terra, 2014.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: Perspectivas latinoamericanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, 2005.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs). Epistemologias do Sul. 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires : Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf Acesso em 20 mar. 2021.

SANTOS, Boaventura de Sousa. El milênio huérfano. Ensayos pra uma nueva cultura política. Madrid: Trotta, 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs). Epistemologias do Sul. 2010.

WALSH, Catherine. Interculturalidad crítica y pedagogía de-colonial: apuestas (des) de el in-surgir, re-existir y re-vivir. Revista Entre Palabras, 3, 1-29. 2009.

WALSH, Catherine (Org.). Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. TOMO I. Quito, Equador: Ediciones Abya-Yala, 2013.

WALSH, Catherine (Org.). Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. TOMO II. Quito, Equador: Ediciones Abya-Yala, 2017.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v15i55.3075

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Ronilson de Souza Luiz, Zilma Soares Correia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: