Ocorrência de Schistosoma mansoni (SAMBON, 1907) (Digenea: Schistosomatidae) em um Município Endêmico no Sul da Bahia / Occurrence of Schistosoma mansoni (SAMBON, 1907) (Digenea: Schistosomatidae) in an Endemic Municipality in Southern Bahia- Brazil

Midian Lima Araújo, Jan Kleber de Oliveira Cardoso, Danilla Rodrigues de Almeida, Lorena Aguiar Leite Dourado, Viviane Amaral Toledo Coelho, Carla Giselly de Souza

Resumo


A esquistossomose é uma endemia parasitária, típica das Américas, Ásia e África e atualmente ainda representa um problema de saúde pública. Estima-se que aproximadamente 25 milhões de pessoas ainda correm risco de contrair essa doença. Onde, os estados de maior incidência são; Alagoas, Pernambuco, Sergipe, Minas Gerais, Bahia, Paraíba e Espírito Santo. Sua difusão ocorre principalmente pela precariedade e/ou ausência de saneamento básico. Deste modo, o objetivo desse estudo foi analisar a ocorrência da esquistossomose no distrito de Vila do Café, município de Encruzilhada – BA. A pesquisa foi realizada no distrito de Vila do Café, pertencente ao município de Encruzilhada-BA. Foram avaliadas 100 pessoas com idade entre 15 e 80 anos, sem distinção de gênero e os dados avaliados pelo método Kato-Katz. Dos 100 pacientes avaliados, 42% deram positivo para a patologia. Os dados desta pesquisa nos revelam que o distrito de Vila do Café, município de Encruzilhada – BA, é endêmico para ocorrência de esquistossomose. Diante disso, a atuação do poder público é indispensável no combate e prevenção ao Schistosoma mansoni, uma vez que a construção de uma infraestrutura sanitária adequada é um dever que cabe ao Estado.


Palavras-chave


esquistossomose, saneamento básico, saúde pública, inquérito coproscópico

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, L. M; KATZ, N. F. In: CIMERMAN B. Parasitologia humana e seus fundamentos gerais. 2ª ed. São Paulo: Atheneu; 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. 6ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Sistema de Informação de Agravos de Notificação–Sinan: normas e rotinas / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Vigilância da Esquistossomose Mansoni: diretrizes técnicas / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – 4. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Vigilância da Esquistossomose Mansoni: diretrizes técnicas / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – 4 ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

BROOKS. G.F. et al., Microbiologia Medica de Jawetz, Melnick e Adelbert. 25. ed. AMGH, 813 p. Porto Alegre, 2012.

CARDIM, L. L. et al., Análises espaciais na identificação das áreas de risco para a esquistossomose mansônica no Município de Lauro de Freitas, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol. 27 no. 5: p. 899-908, maio, 2011.

CHAVES, A. et al., Estudo comparativo dos métodos coprológicos de Lutz, Kato-Katz e Faust modificado. Rev. Saúde pública, S. Paulo, 13:348-52, 1979.

CUNHA, M. E. P. Fatores Culturais na Transmissão da Esquistossomose Mansônica. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 8, n. 1, 2012.

FARIAS, L. M. M. et al., Os limites e possibilidades do Sistema de Informação da Esquistossomose (SISPCE) para a vigilância e ações de controle. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol. 27 no. 10: p. 2055-2062, out, 2011.

FONSECA, C. S. M. Dislipidemias: comorbidade nos diferentes estágios da esquistossomose mansônica. Resumos Expandidos do I CONICBIO / II CONABIO / VI SIMCBIO (v.2) Universidade Católica de Pernambuco - Recife - PE - Brasil - 11 a 14 de novembro de 2013.

FREITAS, J. et al., Esquistossomose, uma doença no contexto da saúde pública brasileira. Nov@ Revista Cientifica. Vol. 2, no. 2. 2013. Disponível em: Acesso em: 18 mar. 2020.

GIOVANELLA, L. A atenção primária à saúde nos países da União Europeia: configurações e reformas organizacionais na década de 1990. Caderno Saúde Pública, v. 22. n. 6, p. 951-963, 2006.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística -. Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R. PR-5/02), 2020. Disponível em: Acesso em: 18 mar. 2020.

KATZ, N.; ALMEIDA, K. Esquistossomose, xistosa, barriga d’agua. Cienc. Cult. vol. 55 no. 1 São Paulo Jan./Mar 2003.

KATZ, N.; CHAVES, A.; PELLEGRINO, J. A simple device for quantitative stool tick smear tecnique in schistosomiasis mansoni. Rev. lnst. Med. Trop. São Paulo, v.14, p. 397-400, 1972.

PALMEIRA, D. C. C. et al. Prevalência da infecção pelo Schistosoma mansoni em dois municípios do Estado de Alagoas. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 43, n. 3, p. 313-317, 2010.

QUITES, H. F. et al. Avaliação das ações de controle da esquistossomose na Estratégia de Saúde da Família em municípios do Vale do Jequitinhonha em Minas Gerais. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 19, n. 2, p. 375-389, 2016.

SOUZA, F. P. C.; VITORINO, R. R.; COSTA A. P. Esquistossomose mansônica: aspectos gerais, imunologia, patogênese e história natural. Rev. Bras. Clin. Med, v. 9, n. 4. 2011.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v15i55.3058

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Midian Lima Araújo, Jan Kleber de Oliveira Cardoso, Danilla Rodrigues de Almeida, Lorena Aguiar Leite Dourado, Viviane Amaral Toledo Coelho, Carla Giselly de Souza

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: