Violência Doméstica Contra a Mulher: Um Estudo sobre o Cenário Atual no Estado do Ceará / Domestic Violence Against Women: A Study on the Current Scenario in the State of Ceará

Ana Carolina de Araújo Tomé, Vinícius Efraym Siqueira Lopes Soares, Alcylanna Nunes Teixeira Santiago

Resumo


Resumo: Por violência doméstica compreende-se qualquer ato que gere sofrimento (físico ou psicológico) e que seja cometido por familiares ou pessoas que residem juntos. Quando se fala nesse tipo de agressão, aparece no cenário a violência direcionada a mulher, a mesma é praticada, principalmente, por parceiros íntimos ou ex-companheiros motivados pelo sentimento de controle e posse sobre a vida da vítima. Desse modo, é objetivo desse estudo, conhecer o cenário da violência doméstica contra a mulher no Estado do Ceará. Para tal foi realizado levantamento de reportagens sobre a temática nos portais G1 e Diário do Nordeste. Usaram-se como critérios de inclusão as reportagens de que noticiam casos de violência doméstica e feminicídio no Estado do Ceará. Foram excluídas as reportagens onde o agressor não é companheiro ou ex-companheiro da vítima e as que trazem o companheiro ou ex-companheiro como suspeito do crime. A análise das informações encontradas aconteceu mediante a Análise de Conteúdo na perspectiva de Bardin. Os resultados obtidos foram divididos em eixos temáticas no intuito de melhorar a compreensão e organização do trabalho. Conclui-se com o estudo que o fenômeno da violência doméstica vem cada dia mais crescendo. Contudo, a visibilidade da mídia é imprescindível nesse cenário.

 


Palavras-chave


Violência doméstica. Violência contra a Mulher. Feminicídio

Texto completo:

PDF

Referências


ALEIXO, M. T. Do crime passional ao feminicídio: assassinatos de mulheres e Antropologia das Emoções no Correio do Povo. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, s/l, v. 18, n. 53, p. 55-69, 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BORBUREMA, T. L. R. et al. Violência contra mulher em contexto de vulnerabilidade social na Atenção Primária: registro de violência em prontuários. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Rio de Janeiro, v. 12, n. 39, p. 1-13, 2017.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Mapa da violência contra a mulher. Brasília: Câmara dos Deputados, 2018a.

BRASIL. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Atlas da Violência 2019. Brasília: IPEA, 2019.

BRASIL. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Atlas da Violência – 2018. Rio de Janeiro: Ipea/FBSP, 2018c.

BRASIL. Lei 11.340, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Presidência da República, Brasília, 2006b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acessado em: 15 Set. 2019.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil.2. ed. Brasília: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. IIPlano nacional de políticas para as mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Norma técnica de uniformização: centros de referência de atendimento à mulher em situação de violência. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2006a.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Plano nacional de políticas para as mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Rede de enfrentamento à violência contra as mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2011.

BRASIL. Senado Federal. Observatório da Mulher Contra a Violência. Panorama da violência contra as mulheres no Brasil [recurso eletrônico]: indicadores nacionais e estaduais, n. 2. Brasília: Senado Federal, 2018b.

BRITO, B. R. G.; FERREIRA, F. de B. Atuação policial no combate a violência doméstica. Biblioteca de Segurança Pública, Goiás, 2018. Disponível em: https://acervodigital.ssp.go.gov.br/pmgo/bitstream/123456789/1263/1/978787451-1855_Bruna_Renata_Gomes_Brito_Atua%c3%a7%c3%a3o_Policial_no_combate_a_viol%c3%aancia_dom%c3%a9stica_13447_575301245.pdf. Acessado em: 03 Nov. 2019.

CAMPOS, C. H. Feminicídio no Brasil: uma análise crítico-feminista. Sistema Penal & Violência, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 103-115, 2015.

CIFALI, A. C.; GARCIA, T. de O. Marco normativo e políticas públicas de enfrentamento à violência contra a mulher. Sistema Penal & Violência, Porto Alegre, v.7, n.2, p. 137-147, 2015.

CONCEIÇÃO, T. B. et al. Assimetria e simetria de gênero na violência por parceiro íntimo em pesquisas realizadas no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.23, n.11, p.3597-3607, 2018.

COUTO, V. A. et al. Intersetorialidade e ações de combate à violência contra a mulher. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.26, n.2, p. 1-19, 2018.

GARCIA, L.P.; FREITAS, L.R.S., SILVA; G.D.M.; HÖFELMANN, D.A. Estimativas corrigidas de feminicídios no Brasil, 2009 a 2011. Rev Panam Salud Publica. v. 37, n. 4/5, p. 251–257, 2015.

GARCIA, S. dos S.; CRUZ, R. M. Violência intrafamiliar contra idosos. In:ROVINSKI, S. L. R.; CRUZ, R. M. Psicologia Jurídica: perspectivas teóricas e processos de intervenção. 1. ed. São Paulo: Vetor, 2009. cap. 09, p. 117-128.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

GOMES, N. P. G. et al. Cuidado às mulheres em situação de violência conjugal: importância do psicólogo na Estratégia de Saúde da Família. Revista de Psicologia da USP, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 63-69, 2014.

GREIN, T. A. D. et al. Violência doméstica contra mulheres: produção de sentidos pela mídia televisiva no sudoeste de Mato Grosso, Brasil. Rev. Bras. Pesq. Saúde, Vitória, v.18, n.2, p.87-95, 2016.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

MARTINS, A. P. A.; CERQUEIRA, D.; MATOS, M. V. M. A institucionalização das políticas de enfrentamento à violência contra as mulheres no Brasil. Brasília, DF: IPEA, 2015.

MENEGHEL, S. N. et al. Feminicídios: estudo em capitais e municípios brasileiros de grande porte populacional. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.22, n.9, p. 2963-2970, 2017.

MENEGHEL, S. N. et al. Feminicídios: estudo em capitais e municípios brasileiros de grande porte populacional. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.22, n.9, p. 2963-2970, 2017.

MORGADO, R. Mulheres em situação de violência doméstica: limites e possibilidades de enfrentamento. In: GONÇALVES, H. S.; BRANDÃO, E. P. Psicologia Jurídica no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2015. cap. 7, p. 253-282.

OLIVEIRA, R. C. de; CAVALCANTI, E. C. T. Políticas públicas de combate e enfrentamento à violência de gênero. Revista Periferia, Educação, Cultura & Comunicação, Rio de Janeiro, v.9, n.2, p.121-138, 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo. Relatório Mundial Sobre Prevenção da Violência 2014. São Paulo: OMS, 2014.

PAULINO, N.; PINUSA, S. Ceará foi o segundo estado onde mais se matou mulheres em 2018. Portal G1 CE: Fortaleza, 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/ce/noticia/2019/03/08/ceara-foi-o-segundo-estado-onde-mais-se-matou-mulheres-em-2018.ghtml. Acessado em: 27 Nov. 2019.

PRODANOV, C. C.; FREITAS E. C. de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 4. ed. Nova Hamburgo: Feevale, 2016.

RIBEIRO, C. N. Violência doméstica contra a mulher: caracterização do fenômeno a nível municipal. Orientador: Lúcio do Carmo Moura. 2016. 58 f. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Saúde Sociedade e Ambiente) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, 2016.

SANTOS, M. C. et al. Violência contra a mulher no brasil: algumas reflexões sobre a implementação da lei maria da penha. Revista Cadernos de Graduação, Alagoas, v. 3, n. 3, p. 37-50, 2016.

SANTOS, N. do N. dos; SANTOS, G. B. dos. Impacto social da violência urbana. Revista da FAESF, v. 3, n. 1, p. 33-44, 2019.

SANTOS, W. et al.Feminicídio: uma perspectiva de gênero sobre as mortes violentas em mulheres. In: Semana de Pesquisa da Universidade Tiradentes, 18, 2016. Sergipe. Anais da 18° Semana de Pesquisa da Universidade Tiradentes. Sergipe: UNIT, 2016. p. 1-4. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/index.php/sempesq/article/view/4209/2784. Acessado em: 30 Out. 2019.

SELVATTI, C. et al. Violência doméstica: a busca pela efetividade dos direitos da mulher. Jornal Eletrônico Faculdades Integradas Vianna Júnior, Minas Gerais, v. 11, n. 1, p. 271-292, 2019.

SIMÕES, A. M. Feminicídio: a expressão máxima da violência contra a mulher. Orientador: Leocimar Rodrigues Barbosa. 2018. 42 f. Monografia (Bacharelado em Direito) – Faculdade Evangélica Raízes, Anápolis, 2018.

THÉRY, H. Retratos da violência no Brasil. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 22, n. 2, p. 457-465, 2018.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2015: homicídio de mulheres no brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

WERLANG, B. S. G.; SÁ, S. D.; BORGES, V. R. Violência doméstica contra a mulher e a Lei Maria da Penha. In: ROVINSKI, S. L. R.; CRUZ, R. M. Psicologia Jurídica: perspectivas teóricas e processos de intervenção. 1. ed. São Paulo: Vetor, 2009. cap. 08, p. 107-116.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i52.2741

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: