Violência Doméstica Contra a Mulher: Um Estudo sobre o Cenário Atual no Estado do Ceará / Domestic Violence Against Women: A Study on the Current Scenario in the State of Ceará

Ana Carolina de Araújo Tomé, Vinícius Efraym Siqueira Lopes Soares, Alcylanna Nunes Teixeira Santiago

Resumo


Resumo: Por violência doméstica compreende-se qualquer ato que gere sofrimento (físico ou psicológico) e que seja cometido por familiares ou pessoas que residem juntos. Quando se fala nesse tipo de agressão, aparece no cenário a violência direcionada a mulher, a mesma é praticada, principalmente, por parceiros íntimos ou ex-companheiros motivados pelo sentimento de controle e posse sobre a vida da vítima. Desse modo, é objetivo desse estudo, conhecer o cenário da violência doméstica contra a mulher no Estado do Ceará. Para tal foi realizado levantamento de reportagens sobre a temática nos portais G1 e Diário do Nordeste. Usaram-se como critérios de inclusão as reportagens de que noticiam casos de violência doméstica e feminicídio no Estado do Ceará. Foram excluídas as reportagens onde o agressor não é companheiro ou ex-companheiro da vítima e as que trazem o companheiro ou ex-companheiro como suspeito do crime. A análise das informações encontradas aconteceu mediante a Análise de Conteúdo na perspectiva de Bardin. Os resultados obtidos foram divididos em eixos temáticas no intuito de melhorar a compreensão e organização do trabalho. Conclui-se com o estudo que o fenômeno da violência doméstica vem cada dia mais crescendo. Contudo, a visibilidade da mídia é imprescindível nesse cenário.

 


Palavras-chave


Violência doméstica. Violência contra a Mulher. Feminicídio

Texto completo:

PDF

Referências


ALEIXO, M. T. Do crime passional ao feminicídio: assassinatos de mulheres e Antropologia das Emoções no Correio do Povo. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, s/l, v. 18, n. 53, p. 55-69, 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BORBUREMA, T. L. R. et al. Violência contra mulher em contexto de vulnerabilidade social na Atenção Primária: registro de violência em prontuários. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Rio de Janeiro, v. 12, n. 39, p. 1-13, 2017.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Mapa da violência contra a mulher. Brasília: Câmara dos Deputados, 2018a.

BRASIL. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Atlas da Violência 2019. Brasília: IPEA, 2019.

BRASIL. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Atlas da Violência – 2018. Rio de Janeiro: Ipea/FBSP, 2018c.

BRASIL. Lei 11.340, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Presidência da República, Brasília, 2006b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acessado em: 15 Set. 2019.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil.2. ed. Brasília: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. IIPlano nacional de políticas para as mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Norma técnica de uniformização: centros de referência de atendimento à mulher em situação de violência. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2006a.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Plano nacional de políticas para as mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Rede de enfrentamento à violência contra as mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2011.

BRASIL. Senado Federal. Observatório da Mulher Contra a Violência. Panorama da violência contra as mulheres no Brasil [recurso eletrônico]: indicadores nacionais e estaduais, n. 2. Brasília: Senado Federal, 2018b.

BRITO, B. R. G.; FERREIRA, F. de B. Atuação policial no combate a violência doméstica. Biblioteca de Segurança Pública, Goiás, 2018. Disponível em: https://acervodigital.ssp.go.gov.br/pmgo/bitstream/123456789/1263/1/978787451-1855_Bruna_Renata_Gomes_Brito_Atua%c3%a7%c3%a3o_Policial_no_combate_a_viol%c3%aancia_dom%c3%a9stica_13447_575301245.pdf. Acessado em: 03 Nov. 2019.

CAMPOS, C. H. Feminicídio no Brasil: uma análise crítico-feminista. Sistema Penal & Violência, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 103-115, 2015.

CIFALI, A. C.; GARCIA, T. de O. Marco normativo e políticas públicas de enfrentamento à violência contra a mulher. Sistema Penal & Violência, Porto Alegre, v.7, n.2, p. 137-147, 2015.

CONCEIÇÃO, T. B. et al. Assimetria e simetria de gênero na violência por parceiro íntimo em pesquisas realizadas no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.23, n.11, p.3597-3607, 2018.

COUTO, V. A. et al. Intersetorialidade e ações de combate à violência contra a mulher. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.26, n.2, p. 1-19, 2018.

GARCIA, L.P.; FREITAS, L.R.S., SILVA; G.D.M.; HÖFELMANN, D.A. Estimativas corrigidas de feminicídios no Brasil, 2009 a 2011. Rev Panam Salud Publica. v. 37, n. 4/5, p. 251–257, 2015.

GARCIA, S. dos S.; CRUZ, R. M. Violência intrafamiliar contra idosos. In:ROVINSKI, S. L. R.; CRUZ, R. M. Psicologia Jurídica: perspectivas teóricas e processos de intervenção. 1. ed. São Paulo: Vetor, 2009. cap. 09, p. 117-128.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

GOMES, N. P. G. et al. Cuidado às mulheres em situação de violência conjugal: importância do psicólogo na Estratégia de Saúde da Família. Revista de Psicologia da USP, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 63-69, 2014.

GREIN, T. A. D. et al. Violência doméstica contra mulheres: produção de sentidos pela mídia televisiva no sudoeste de Mato Grosso, Brasil. Rev. Bras. Pesq. Saúde, Vitória, v.18, n.2, p.87-95, 2016.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

MARTINS, A. P. A.; CERQUEIRA, D.; MATOS, M. V. M. A institucionalização das políticas de enfrentamento à violência contra as mulheres no Brasil. Brasília, DF: IPEA, 2015.

MENEGHEL, S. N. et al. Feminicídios: estudo em capitais e municípios brasileiros de grande porte populacional. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.22, n.9, p. 2963-2970, 2017.

MENEGHEL, S. N. et al. Feminicídios: estudo em capitais e municípios brasileiros de grande porte populacional. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.22, n.9, p. 2963-2970, 2017.

MORGADO, R. Mulheres em situação de violência doméstica: limites e possibilidades de enfrentamento. In: GONÇALVES, H. S.; BRANDÃO, E. P. Psicologia Jurídica no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2015. cap. 7, p. 253-282.

OLIVEIRA, R. C. de; CAVALCANTI, E. C. T. Políticas públicas de combate e enfrentamento à violência de gênero. Revista Periferia, Educação, Cultura & Comunicação, Rio de Janeiro, v.9, n.2, p.121-138, 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo. Relatório Mundial Sobre Prevenção da Violência 2014. São Paulo: OMS, 2014.

PAULINO, N.; PINUSA, S. Ceará foi o segundo estado onde mais se matou mulheres em 2018. Portal G1 CE: Fortaleza, 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/ce/noticia/2019/03/08/ceara-foi-o-segundo-estado-onde-mais-se-matou-mulheres-em-2018.ghtml. Acessado em: 27 Nov. 2019.

PRODANOV, C. C.; FREITAS E. C. de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 4. ed. Nova Hamburgo: Feevale, 2016.

RIBEIRO, C. N. Violência doméstica contra a mulher: caracterização do fenômeno a nível municipal. Orientador: Lúcio do Carmo Moura. 2016. 58 f. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Saúde Sociedade e Ambiente) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, 2016.

SANTOS, M. C. et al. Violência contra a mulher no brasil: algumas reflexões sobre a implementação da lei maria da penha. Revista Cadernos de Graduação, Alagoas, v. 3, n. 3, p. 37-50, 2016.

SANTOS, N. do N. dos; SANTOS, G. B. dos. Impacto social da violência urbana. Revista da FAESF, v. 3, n. 1, p. 33-44, 2019.

SANTOS, W. et al.Feminicídio: uma perspectiva de gênero sobre as mortes violentas em mulheres. In: Semana de Pesquisa da Universidade Tiradentes, 18, 2016. Sergipe. Anais da 18° Semana de Pesquisa da Universidade Tiradentes. Sergipe: UNIT, 2016. p. 1-4. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/index.php/sempesq/article/view/4209/2784. Acessado em: 30 Out. 2019.

SELVATTI, C. et al. Violência doméstica: a busca pela efetividade dos direitos da mulher. Jornal Eletrônico Faculdades Integradas Vianna Júnior, Minas Gerais, v. 11, n. 1, p. 271-292, 2019.

SIMÕES, A. M. Feminicídio: a expressão máxima da violência contra a mulher. Orientador: Leocimar Rodrigues Barbosa. 2018. 42 f. Monografia (Bacharelado em Direito) – Faculdade Evangélica Raízes, Anápolis, 2018.

THÉRY, H. Retratos da violência no Brasil. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 22, n. 2, p. 457-465, 2018.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2015: homicídio de mulheres no brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

WERLANG, B. S. G.; SÁ, S. D.; BORGES, V. R. Violência doméstica contra a mulher e a Lei Maria da Penha. In: ROVINSKI, S. L. R.; CRUZ, R. M. Psicologia Jurídica: perspectivas teóricas e processos de intervenção. 1. ed. São Paulo: Vetor, 2009. cap. 08, p. 107-116.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i52.2741

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Ana Carolina de Araújo Tomé, Vinícius Efraym Siqueira Lopes Soares, Alcylanna Nunes Teixeira Santiago

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A ID on line. Revista de psicologia (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: