Tipos de Escleroterapia em Telangiectasias e Microvarizes em Membros Inferiores / Types of Sclerotherapy in Telangiectasias and Varicose Veins in Lower Members

Thalita Grazielly Santos, Nicole Blanco Bernardes, Karina Maciel Pádua, Alessandra Bonacini Cheraim Silva

Resumo


Os microvasos são dilatações de capilares, veias ou artérias menores que 2 mm de calibre, que acomete 6 em cada 10 mulheres. Dificilmente apresentam problemas a saúde, sendo na maioria das vezes apenas um problema estético, classificado como tipo I, sem cunho patológico. A escleroterapia é o procedimento mais usado para o tratamento de telangiectasias e microvarizes. Os tipos de escleroterapia para telangiectasias e microvarizes mais utilizados nos dias atuais, são os esclerosantes químicos (glicose hipertônica e a espuma com polidocanol), e o esclerosante físico (laser transdérmico). Esse tratamento, pode apresentar complicações como flebite, úlcera e hiperpigmentação. Apesar da técnica de escleroterapia ser utilizada a tanto tempo, o esclerosante com total eficácia e ausência de complicações, ainda não foi descoberto. A revisão de literatura evidenciou que ainda precisa-se de mais estudos clínicos que comparem a eficiência e seguranças destes esclerosantes.

 

 


Palavras-chave


escleroterapia, telangiectasias, membros inferiores, terapia, soluções esclerosantes, laser.

Texto completo:

PDF

Referências


FIGUEIREDO M.; FIGUEIREDO M.F. Pesquisa sobre escleroterapia líquida em varizes dos membros inferiores. Jornal Vascular Brasileiro, v.12, n.1, Porto Alegre Jan./Marc. 2013.

SILVA M.A.M., SILVA S.G.J., CARDOSO R.S. O Uso do Laser em Cirurgia Vascular. Revista Ciências em Saúde, v.1, n.3, Nov. 2011.

TONI T. Z., PEREIRA P. P., Procedimento estético injetável de microvasos com glicose 75% e glicose 50%. Revista Iniciare, v.2, n.1, p.53-61, Jan./Jun. 2017. Campo Mourão.

CORREIA M. E., OLIVEIRA A. P. Complicações em Escleroterapia. Pitta GBB, Castro AA, Burihan E, editores. Angiologia e cirurgia vascular: guia ilustrado.Maceió: UNCISAL/ECMAL & LAVA; 2003. Disponível,em: URL: http://www.lava.med.br/livro.

ARAÚJO M.; VELASCO F. C.G. Métodos físicos utilizados para oclusão de varizes dos membros inferiores. J. vasc. bras. v.5, n.2 Porto Alegre jun. 2006.

OLIVEIRA R. R. Modelo experimental em galináceo (Gallus gallus) para terapia alternativa de microvarizes e telangiectasias venosas. Disponível em: Portal DomínioPúblico. Acesso em: junho de 2017.

BASTOS F. R. Escleroterapia com espuma Estudo retrospectivo. Flebologia e linfologia – Leituras vasculares, v.6, n.16, pág. 963 a 970, Set./Dez. 2011.

CERATTI S., OKANO F. M., PONTES A. B. G., PONTES A. L., NASTRI R. Ecoescleroterapia com espuma no tratamento da insuficiência venosa crônica. Radiol Bras. V.44, n.3, pág. 167-171, Mai./Jun. 2011.

BASTOS F. R., LIMA A. E., ASSUMPÇÃO A. C. Ecoescleroterapia de varizes com espuma: revisão de literatura. Revista de Medicina Minas Gerais. V.19, n.1, pág. 38-43, Jan./mar. 2009.

BERTANHA M., SOBREIRA M. L. Estudo clínico randomizado e duplo cego comparando dois métodos de escleroterapia para veias reticulares e telangiectasias em membros inferiores. Repositório Institucional UNESP. Disponível em: > Acesso em: julho 2017.

FILHO C. E. P. L. Comparação da eficácia e segurança de diferentes tipos de escleroterápicos utilizados rotineiramente na esclerose de telangiectasias e veias reticulares: Estudo experimental em coelhos. Repositório Institucional UNESP. Disponível em: < https://repositorio.unesp.br/handle/11449/150950> Acesso em: julho 2017.

GODOY A.S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63 Mar./Abr. 1995.

LIMA R.S.; ARAÚJO M.; PITTA G.B.B.; OLIVEIRA A. F. B.; PEREIRA G. C. G.; SILVA J. C. C.B. Eficiência do laser diodo 980 nm em comparação à da glicose a 75% na oclusão de veias da orelha de coelhos. J. vasc. bras. vol.10 no.2 Porto Alegre jun. 2011.

LUDKE M.; ANDRÉ M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, S.P.;EPU;2005.xii,99p.

MIYAKE R. K. Uso combinado de cirurgia de varizes e escleroterapia de telangiectasias dos membros inferiores no mesmo ato. J. vasc. bras. v.5 n.2 Porto Alegre jun. 2006.

NETO F.C.; KESSLER I.M.; ARAÚJO G. R. Fístula arteriovenosa após escleroterapia com espuma guiada por ultrassom: relato de caso. J. vasc. bras. vol.14 no.3 Porto Alegre jul./set. 2015.

OLIVEIRA R. R.; CALADO E. B.; MOTA D. L.; SILVA A. F. V.; CAVALCANTI J. S. Terapia alternativa para microvarizes e telangiectasias com uso de agulha. J. vasc. bras. v.6 n.1 Porto Alegre mar. 2007.

PASCHÔA A. F.; HAYASHIDA L.; SIQUEIRA M. K.; BELLEN B.V. Trombose venosa profunda como complicação da escleroterapia química no tratamento de telangiectasias dos membros inferiores. J. vasc. bras. v.4 n.4 Porto Alegre 2005.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANGIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR (SBACV). São Paulo. Disponível em: Acesso em: jan.2017.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA DERMATOLÓGICA (SBCD).São Paulo. Disponível em: < https://www.sbcd.org.br/pagina/1733




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i51.2651

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: