A Bissexualidade Como Incógnita e Fragmentação Normativa Ligada a Dicotomia Hétero/Homo: Cartografando Produções em Ciências Humanas e Sociais / Bisexuality as Uncommanded and Normative Fragmentation Connected to the Dichotomy Hetero / Homo: Mapping Productions in Human and Social Sciences

Isaura Caroline Abrantes Silva, Francisco Francinete Leite Junior

Resumo


O presente artigo pretende investigar as percepções de vivências do corpo, do gênero e da sexualidade em indivíduos bissexuais, através de uma revisão sistemática da literatura, recorrendo a uma pesquisa de cunho qualitativo. A partir disso, se vislumbra diversas reflexões acerca da orientação sexual denominada bissexualidade. Entretanto, há uma escassez de pesquisas científicas que retratem a bissexualidade de forma protagonista entre as ditas “minorias sexuais”, dada a escassez de produções, pois poucos autores têm se debruçado sobre esse estudo de forma crítica, retratando a bissexualidade como uma forma de expressão legitimada e genuína de atração e de desejo. Destarte, é possível enxergar a bissexualidade como desvelamento de uma realidade múltipla, pois é capaz de implodir a binaridade heterossexual/homossexual, sendo uma fronteiriça sexual que subverte padrões normativos.  Sublinha-se a necessidade de vislumbrar a bissexualidade através de uma óptica em que seja primordial a problematização das representações sociais e dos estereótipos acerca dos bissexuais, como os relacionados a denominação de “fase” a essa orientação sexual, a autoidentificação como forma de fuga a homoafetividade e a ligação com a promiscuidade, visualizando esses preconceitos e discriminações bifóbicas como fonte de sofrimento.

Palavras-chave


Bissexualidade; Revisão Sistemática da Literatura; Corpo; Gênero; Sexualidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BUTLER, J. Desdiagnosticando o gênero. Physys, Rio de Janeiro, v. 19, n.1, p. 95-126, 2009.

BUTLER, J. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, 119 p.

CAVALCANTI, D. C. Práticas bissexuais: uma nova identidade ou uma nova indiferença? Polêm!ca, Rio de Janeiro, v. 9, n.1, p. 79-83, 2010.

CAVALCANTI, C.D. Visíveis e indivisíveis: práticas e identidade bissexual. 2007. 112 f. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

CORDEIRO, A. M.; OLIVEIRA, G. M. R.; RENTERÍA, J. M.; GUIMARÃES, C. A. Revisão sistemática: uma revisão narrativa. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, Rio de Janeiro, v. 34, n. 6, p. 428-431, 2007.

CORINO, L. C. P. Homoerotismo na Grécia Antiga: homossexualidade e bissexualidade, mitos e verdades. Biblos, Rio Grande, n. 19, p. 19-24, 2006

COSTA, A; POLI, M.C. Sexuação na adolescência: um ato performativo. Psicologia Política, Porto Alegre, v. 10, n. 19, p. 141-150, 2010

DELOUYA, D. A bissexualidade no eixo da escuta psicanalítica: considerações teóricas acerca da clínica. Ágora, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 205-214, 2003.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação e Sociedade, São Paulo, v.23, n.79, p. 257-272, 2002.

FERREIRA, A. B. H. Dicionário da língua portuguesa. 5. ed. Curitiba: Positivo, 2010.

FLICK, U. Introdução a pesquisa qualitativa. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2009, 405 p.

FLORES, V. M. P. A perversão e a teoria queer. Tempo psicanal. Rio de Janeiro, v. 42, n. 1, p. 131-148, 2010 .

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

HAUNDESCHILD, T. R. L. Escuta analítica da bissexualidade psíquica. Revista Brasileira de Psicanálise, São Paulo, v. 42, n. 4, p. 75-84, 2008.

LAURENTIS, T. A tecnologia do gênero. IN: HOLANDA, H.B (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

LEWIS, E. S. “Eu quero meu direito como bissexual": a marginalização discursiva da diversidade sexual dentro do movimento LGBT e as propostas para fomentar a sua aceitação. III SIDIS, Fortaleza, p. 1-22, 2008.

LOURO, G. L. O corpo educado. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, 127 p.

MÉNARD, M. D. Bissexualidade: deve-se dizer bissexualidade ou contingência na sexuação? Reverso, Belo Horizonte, v.36, n. 67, p. 61-70, 2014.

MEYER, D. A. Emergência do Gênero. IN: LOURO, G. L. (Org.). Gênero, sexualidade e educação. Petrópolis: Vozes, 1997.

MONTEIRO, M.; SILVA. S. Ambiguidade e bissexualidade: desdobramentos na recusa do campo transferencial e do pensamento. Jornal de Psicanálise, São Paulo, v. 44, n. 81, p. 175-186, 2011.

MORIGI, V. J. Teoria social e comunicação: representações sociais, produção de sentidos e construção dos imaginários midiáticos. E-compós, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-14, 2004.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

PAMPLONA, R. S.; DINIS, N. F. Possibilidades: discursos produzidos sobre a bissexualidade. Comunicações, Piracicaba, v.20, n. 2, p. 97-112, 2013.

PAVONI, M.S. Aspectos e significados de psicólogas e psicólogos frente às questões da bissexualidade. Unisalesiano, Lins, v. 5, n. 10, p. 105-120, 2014.

RISSON, N. M.; MIGOTT, A. B. B. A visão da bissexualidade pelo bissexual. Revista Fórum, Passo Fundo, v. 8, n.19, p. 19-23, 1996

ROCHA, C. C. S.; SANTOS, D. P. Estranhos familiares: a inserção das personagens homo/lesbo/bi/transexuais no cinema. Periódicus, Bahia, p. 1-16, 2014.

VANNUCCHI, A. M. S. Masculino e feminino: vicissitudes e mistérios. Jornal da Psicanálise, São Paulo, v. 42, n. 77, p. 65-88, 2009.

ZAGO, L. F. SANTOS, L. H. S. Os limites do conceito de empoderamento: a prevenção do HIV/AIDS entre jovens gays e bissexuais no Brasil. Physys, Santa Catarina, v. 23, n.3, p. 681-701, 2013.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i51.2617

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: