Distribuição da Mortalidade Materna no Estado da Paraíba no período de 2007 a 2016 / Distribution of Maternal Mortality in Paraiba State from 2007 to 2016

Lívia Maria Costa Azevedo, Damito Robson Xavier de Souza, Kévia Katiúcia Santos Bezerra, Hermes Melo Teixeira Batista, Eduardo Sérgio Soares Sousa, Anne Milane Formiga Bezerra, Eliane de Sousa Leite

Resumo


Objetivo: aliar a distribuição da mortalidade materna no estado da Paraíba no período de 2007 a 2016. Métodos: pesquisa do tipo documental e quantitativa, realizada com dados secundários obtidos a partir do banco de dados online e de acesso livre do Sistema de Informações sobre Mortalidade. A população foi composta por mulheres em idade fértil residentes no estado da Paraíba, que foram a óbito por morte materna no período de 2007 a 2016. Os dados foram analisados por estatística descritiva e confrontados com a literatura pertinente ao tema estudado. Resultados: ocorreram 324 óbitos, com maior predomínio durante a gravidez, o parto ou o aborto até 42 dias de puerpério (74,3%) e realização de investigação (92%), em mulheres na faixa etária entre 30 e 39 anos (41%), de cor/raça parda (74,4%), com escolaridade ignorada (48,8%) e de estado civil solteira (36,4%), em que o óbito resultou de causas diretas (78,7%), destacando-se as síndromes hipertensivas específicas da gravidez (27,5%), com predominância de mortes nas microrregiões de João Pessoa (24.4%) e Campina Grande (14,8%). Conclusão: o perfil de mortalidade materna vem merecendo atenção especial no Estado da Paraíba, devido á presença dos altos valores de razão da mortalidade materna, acompanhados de causas evitáveis na maioria dos casos.

Palavras-chave


Mortalidade materna; Perfil epidemiológico; Sistema de informação em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Silva, B. et al. Mortalidade materna no Brasil no período de 2001 a 2012: tendência temporal e diferenças regionais. Rev Bras Epidemiol, v. 19, n. 3, p. 484-493, 2016. Disponível em . Acesso em: 03 abr. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201600030002

Carroll, AE. Why Is US Maternal Mortality Rising? JAMA. 2017;318(4):321. doi:10.1001/jama.2017.8390

Lopes, F. et al. Mortalidade materna por síndromes hipertensivas e hemorrágicas em uma Maternidade-escola referência de Alagoas. Ciências Biológicas e de Saúde Unit. Alagoas, v. 4, n.2, p. 149-162, 2017. Disponível em . Acesso em: 18 ago. 2018. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(30)687

Petersen, E. E., Davis, N. L., Goodman, D., Cox, S., Mayes, N., Johnston, E., … Barfield, W. (2019). Vital Signs: Pregnancy-Related Deaths, United States, 2011-2015, and Strategies for Prevention, 13 States, 2013-2017. MMWR. Morbidity and mortality weekly report, 68(18), 423–429. doi:10.15585/mmwr.mm6818e1

Hitimana, R., Lindholm, L., Mogren, I., Krantz, G., Nzayirambaho, M., Sengoma, J. S., & Pulkki-Brännström, A. M. (2019). Incremental cost and health gains of the 2016 WHO antenatal care recommendations for Rwanda: results from expert elicitation. Health research policy and systems, 17(1), 36. doi:10.1186/s12961-019-0439-9

Carreno, I; Bonilha, A; Costa, J. Evolução temporal e distribuição espacial da morte materna. Rev Saúde Pública. v. 48, n.4, p. 662-670, 2014. Disponível em . Acesso em: 03 abr. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005220

Adu-Bonsaffoh K., Gyamfi-Bannerman C., Oppong S.A., Seffah J.D. Determinants and outcomes of preterm births at a tertiary hospital in Ghana. Placenta, Volume 79, April 2019, Pages 62-67. https://doi.org/10.1016/j.placenta.2019.01.007

Anafcheh T, Yaghoubi Doust M, Mojadam M, Mirkazemi R, Khafaie MA. Temporal and spatial distribution of under-five mortality and factors associated with multiple cases of under-five deaths within a family in the rural area of Khuzestan, Southern Iran. Sci Rep. 2018 Dec 18;8(1):17930. doi: 10.1038/s41598-018-36438-5.

Szwarcwald, C. et al. Estimação da razão de mortalidade materna no Brasil, 2008-2011. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 30, p. 71-83, 2014. Disponível em . Acesso em: 20 de jul. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00125313

Vega, C.E.P. et al, Mortalidade materna tardia: comparação de dois comitês de mortalidade materna no Brasil. Cad. Saúde Pública 33 (3) 20 Abr 2017. https://doi.org/10.1590/0102-311X00197315

Forde I, Tripathi V. Association of Place of Residence and Under-Five Mortality in Middle- and Low-Income Countries: A Meta-Analysis. Children (Basel). 2018;5(4):51. Published 2018 Apr 18. doi:10.3390/children5040051

Mascarenhas, P. et al. Análise da mortalidade materna. Rev Enferm UFPE. v. 11, n. 11, p. 4653-4662, 2017. Disponível em < file:///C:/Users/Guest/Downloads/231206-75297-1-PB.pdf>. Acesso em 20 set. 2018. DOI: 10.5205/reuol.11138-99362-1-SM.1111sup201715

Santana DS, Silveira C, Costa ML, et al. Perinatal outcomes in twin pregnancies complicated by maternal morbidity: evidence from the WHO Multicountry Survey on Maternal and Newborn Health. BMC Pregnancy Childbirth. 2018;18(1):449. Published 2018 Nov 20. doi:10.1186/s12884-018-2082-9

Souza, Maria de Lourdes de, Laurenti, Ruy, Knobel, Roxana, Monticelli, Marisa, Brüggemann, Odaléa Maria, & Drake, Emily. (2013). Maternal mortality due to hemorrhage in Brazil. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(3), 711-718. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692013000300009

Laopaiboon M et al , Advanced maternal age and pregnancy outcomes: a multicountry assessment.WHO Multicountry Survey on Maternal Newborn Health Research Network. BJOG. 2014 Mar;121 Suppl 1:49-56. doi: 10.1111/1471-0528.12659.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica do Óbito Materno. Brasília: Ministério da Saúde; 2018. Disponível em . Acesso em: 05 jun. 2018.

Ministério da Saúde, (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2018: uma análise da situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. Disponível em . Acesso em: 22 set. 2018

Martins ACS, Silva LS. Epidemiological profi le of maternal mortality. 2018; 71(suppl 1):725-31. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0624

Albuquerque MV, Viana ALA, Lima LD, Ferreira MP, Fusaro ER, Iozzi FL. Regional health inequalities: changes observed in Brazil from 2000-2016. Ciênc Saúde Colet. 2017; 22(4):1055-64. Available from: http://www.scielo.br/pdf/csc/v22n4/en_1413-8123-csc-22-04-1055.pdf

Tomasi E, Fernandes PAA, Fischer T, Siqueira FCV, Silveira DS, Thumé E et al. Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. Cad Saúde Pública. 2017; 33(3):e00195815. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v33n3/1678-4464-csp-33-03-e00195815.pdf

Melo, E; knupp, V. Mortalidade materna no município do Rio de Janeiro: magnitude e distribuição. Esc Anna Nery Rev Enferm. v. 12, n. 4, p. 773-779, 2008. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452008000400023&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 20 set. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452008000400023.

Biano, R. et al. Mortalidade materna no Brasil e nos municípios de Belo Horizonte e Uberaba, 1996 a 2012. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro. v. 7, p. 1-10, 2017. Disponível em < http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/1464/1575>. Acesso em: 20 set. 2018. http://dx.doi.org/10.19175/recom.v7i0.1464

Dias, J.M.G. et al. Mortalidade Materna. Rev Med Minas Gerais 2015; 25(2): 173-179 DOI: 10.5935/2238-3182.20150034.

Botelho, N. et al. Causas de morte materna no Estado do Pará, Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. v. 36, n. 7, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em . Acesso em: 22 set. 2018. DOI: 10.1590/SO100-720320140004892

Moura, B. et al. Internações por complicações obstétricas na gestação e desfechos maternos e perinatais, em uma coorte de gestantes no Sistema Único de Saúde no Município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. v. 34, n.1, p. 1-13, 2018. Disponível em . Acesso em 22 set. 2018. doi: 10.1590/0102-311X00188016

Vega, C. Desafios na redução da mortalidade materna no Município de São Paulo. Rev Med. v. 97, n. 2, p. 235-243, 2018. Disponível em < https://www.revistas.usp.br/revistadc/article/view/143244/140805>. Acesso em: 28 de set. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v97i2p235-243




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i51.2614

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: