A Família como Centralidade nas Políticas Públicas e as Novas Composições Familiares: A adequação jurídica, política e temporal sobre a família contemporânea / The Family as a Centrality in Public Policies and new Family Compositions: the legal, political and temporal adequacy of the contemporary family

Zolnei Vargas Ernesta de Córdova, Ismael de Córdova, Katiuscia Angélica Micaela de Oliveira

Resumo


O presente artigo se dará, em suas apreciações históricas e legais, discutir o tema das políticas públicas nas novas composições familiares. Dialogando com autores e comentadores do assunto, poder-se-á traçar um apanhado do que envolvia sobre o conceito de família no período colonial, bem como nas composições indígenas e escravas que colaboraram de modo expressivo para a constituição familiar do Brasil. Não obstante, este artigo se debruçará, também, sobre a evolução da instituição familiar no Brasil; assinalando as composições familiares e como se definiam em tal concepção com base na legislação brasileira, como na declaração dos direitos humanos. Por fim, sem esgotar as possibilidades de debate sobre o assunto, se versará sobre a família e as novas composições familiares de acordo com as políticas públicas de assistência social, como das atribuições do estado em relação a essas famílias assistidas legalmente.

 


 

 


Palavras-chave


Políticas Públicas; Direitos adquiridos; Novas composições familiares.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, Fernanda Inêz Siqueira. A mulher desdobrável: a articulação entre as esferas pública e privada. Belo Horizonte, 2011. 153f.

ARAÚJO, Walter da Rocha. Representações sociais sobre família e classes sociais. Dissertação (Mestrado). Centro de Ciências Aplicadas, Universidade Federal de Pernambuco, Maceió, 116f. 2003.

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. LCT, Rio de Janeiro, 2011.

BARRETO, Ana Cristina Teixeira. A Igualdade entre homens e mulheres no ordenamento jurídico brasileiro. Disponível em: . Acesso em 12/abr 2014.

BATTINI, Odária. Política e Planejamento Social: decifrando a dimensão técnico-operativa na prática profissional. (2007). Disponível em: . Acesso em: 30 dez 2018.

BEHRING, E. R.; BOSCHETTI, I. Política social: fundamentos e história. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011

BERQUÓ, Elza. Arranjos Familiares no Brasil: Uma Visão Demográfica. In L. M. Schwarcs (org.), História da Vida Privada no Brasil (vol. 4). São Paulo, Companhia das Letras, pp. 411-437, 1998

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, de 5 outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em: 26 nov 2018.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil de 1946, de 18 de setembro de 1946. Disponível em: . Acesso em: 26 nov 2018.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 10 de novembro de 1937. Disponível em: . Acesso em: 26 nov 2018.

BRASIL. Constituição Imperial de 1924. Constituição Política do Império do Brasil, elaborada por um Conselho de Estado e outorgada pelo Imperador D. Pedro I, em 25.03.1824. Disponível em: . Acesso em: 26 nov 2018.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990.

Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 29 dez 2018.

BRASIL. Política Nacional de Assistência Social PNAS/ 2004 e Norma Operacional Básica NOB/SUAS. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social. Brasília, Novembro de 2005. Disponível em: . Acesso em: 29 dez 2018.

BRASIL. Presidência da República. Decreto-Lei nº 4.657, de 4 de setembro de 1942. Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro. Disponível em: . Acesso em: 19 nov 2018.

BRASIL. Presidência da República. Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em: . Acesso em: Acesso em: 03 dez 2018.

BRASIL-CDC. Decreto no 99.710, de 21 de novembro de 1990.

Promulga a Convenção sobre os Direitos da Criança. Disponível em: . Acesso em: 28 nov 2018.

CANEVACCI, Massimo. Dialética da família. Ed Brasiliense, 4ª ed., Rio de Janeiro, 1985.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7 ed. Coimbra: Edições Almedina. 2003.

CASTELLO BRANCO, Helena Alvim. Família: Indicadores Sociais 1981/1987. Rio de Janeiro, RJ: IBGE, 1989. V. 1, 28p.

CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (CNAS). Resolução Nº 207, de 16 de dezembro de 1998. Aprova por unanimidade a Política Nacional de Assistência Social - PNAS e a Norma Operacional Básica da Assistência Social - NOB2. Disponível em: . Acesso em: 15 nov 2018.

CORRÊA, Mariza. Repensando a família patriarcal brasileira. Cad. Pesq., São Paulo, (37): 5-16, Mai, 1981.

COSTA, Jurandir Freire. Psicanálise e contexto cultural. Ed. Campus, São Paulo, 1989.

COUTO, B. R. et al. O Sistema Único de Assistência Social no Brasil: uma realidade em movimento. 3ª. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

COUTO, B. R. O direito social e a assistência social na sociedade brasileira: uma equação possível? 4ª. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

D’INCAO, Maria Ângela (org.). Amor e família no Brasil. São Paulo: Contexto, 1989.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS (DUDH). Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. BR/1998/PI/H/4 VER. Disponível em: . Acesso em: 15 out 2018.

FARO. Luciana Martins de. A Família no novo Código Civil. Revista da Escola Superior da Magistratura de Sergipe, n° 03. 2002.

FISCHLOWITZ, E. Proteção social à família. Rio de Janeiro: FGV, 1963.

FONSECA, João José Saraiva da. Metodologia da pesquisa científica. (Apostila) Fortaleza: UEC, 2002.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa/Antônio Carlos Gil. - 4. ed. - São Paulo: Atlas, 2002.

GIORGIS, José Carlos Teixeira. Direito de Família Contemporâneo. Ed. Livraria do Advogado. Porto Alegre, 2010.

GOHN, Maria da Glória. O protagonismo da sociedade civil: movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. São Paulo: Cortez, 2005.

GONÇALVES, Elisa Pereira. Iniciação à pesquisa científica. São Paulo: Alínea, 2003.

HOGEMANN, Edna Raquel Rodrigues Santos.; SANTOS, Marcelo Pereira dos. Família, Casamento e Descompassos Normativos do Código Civil Brasileiro no Século XXI. Revista Brasileira de Direito Civil em Perspectiva. Curitiba, v. 2, n. 2, p. 21-41. Jul/Dez. 2016.

MADALENO, Rolf. Curso de direito de família. Ed. Forense, 5ª ed. Revista, atualizada e ampliada, 2013.

MALUF, Adriana Caldas do Rego Freitas Dabus. Novas modalidades de família na pós-modernidade. Tese (Doutorado) – Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) – SP, 2010.

MEDEIROS, A. P.; NELSON, R. A. R. R. A redefinição do conceito de família na perspectiva do neoconstitucionalismo. Revista de Direito Privado. São Paulo. V.55, p. 262, 2013.

MENDES, Jussara Maria Rosa. AGUINSKY, Beatriz Gersherson. Apresentação. Revista Textos & Contextos Porto Alegre v. 8 n.1 p. 1-2. jan./jun. 2009.

MIOTO, R. C. T. Considerando sobre o trabalho social com famílias: proposta para discussão. Seminário Nacional de Trabalho Social com Famílias na Política Nacional de Assistência Social - Promovido pela Secretaria Nacional de Assistência Social/MDS. Brasília: SNAS/MDS. 2014. p. 1-18.

NASCIMENTO, Alcileide Cabral do. Vida e esperança: o trabalho feminino na criação de bebês no Recife (1789 - 1831). Revista Esboços, Volume 14, nº 17 — UFSC, 2007.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Resolução 217-A III da ONU, de 10 de dezembro 1948. Disponível em: . Acesso em: 10 dez 2018.

PIMENTEL, Helen Ulhôa. O casamento no Brasil Colonial: um ensaio historiográfico. Em Tempo de Histórias - Publicação do Programa de Pós-Graduação em História PPG-HIS/UnB, n.9, Brasília, 2005.

RODRIGUES, M. M. A. Políticas públicas. São Paulo: Publifolha, 2010.

SANTOS, Keli Lopes.; HECKERT, Ana Lucia Coelho.; CARVALHO, Silvia Vasconcelos Carvalho. Família e mulher como instrumentos de governo na assistencia social. Psicologia & Sociedade, 29: e158080, 2017.

SCHIMIDT, João Pedro. Para entender políticas públicas: aspectos conceituais metodólogicos. REIS, Jorge Renato; LEAL, Rogério Gesta (Orgs.). Direitos sociais & políticas públicas: desafios contemporâneos.Santa Cruz do Sul:Edunisc, p. 2307-2333, 2008.

SCOTT, Ana Silvia. Família: O caleidoscópio dos arranjos familiares. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (org.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013.

SEGALEN, Martine. Sociologia da família. Lisboa, Portugal: Terramar, 1996.

SHORTER, Edward. The Making of the Modern Family. New York: Basic Books, 222p. 1975.

SIQUEIRA, Alessandro Marques de. O conceito de família ao longo da história e a obrigação alimentar. Âmbito Jurídico, Rio Grande do Sul, 2018.

SLENES, Robert Wayne Andrew. Na senzala, uma flor - Esperanças e recordações na formação da família escrava: Brasil Sudeste, século XIX. Editora da Unicamp (2a edição), 2011.

SOARES, Ricardo Pereira. A concepção de família da política de assistência social – Desafios à atenção a famílias homoparetais. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Política Social (PPGPS), Universidade de Brasília (UnB). Brasília, 2012.

SOUZA, Marcela Coelho de. Parentes de sangue: incesto, substância e relação no pensamento Timbira. MANA 10(1):25-60, 2004.

TERUYA, Marisa Tayra. 2000. A família na historiografia brasileira: bases e perspectivas teóricas. In: XII Encontro Nacional de Estudos Populacionais (ABEP), 2000, Caxambú/MG. Brasil, 500 anos: Mudanças e Continuidades.

TRIGO, Maria Helena Bueno. Amor e casamento no século XX. In: D’INCAO, Maria Ângela et al. (org.). Amor e família no Brasil. São Paulo: Contexto, 1989.

VANZETTO, Antonia Alves. O Sistema Único De Assistência Social e a centralidade na família. In: 2º Seminário Nacional de Assistência Social Estado e Políticas Sociais no Brasil. UNOESTE – Campus de Cascavel, de 13 a 15 de outubro, 2005.

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: direito das sucessões. 14ª ed. São Paulo: Atlas, 2014.

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: direito de família 9ª ed. Vol 6, São Paulo: Atlas, 2009.

VIANNA, Paula Cambraia de Mendonça; BARROS, Sônia. O papel das políticas sociais frente à reestruturação do modelo assistencial em saúde mental. Saúde em debate: Rio de Janeiro: 29(69): 27-35, jan-abr/2005.

WAMBIER, Teresa Arruda Alvim. Nulidades do Processo e da Sentença. Revista dos Tribunais, 3 ed. São Paulo: 1993.

XAVIER, Fernanda Dias. União estável e casamento: a impossibilidade de equiparação à luz dos princípios da igualdade e da liberdade [recurso eletrônico] / Fernanda Dias Xavier. – Dados eletrônicos. – Brasília: TJDFT, 2015.

ZONABEND, Françoise. An anthropoligical perspective on kinship and the family. In: BURGUIÈRE, André, et al. A history of the family. Cambridge: Harvard University Press, 1996.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i50.2509

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Zolnei Vargas Ernesta de Córdova, Ismael de Córdova, Katiuscia Angélica Micaela de Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A ID on line. Revista de psicologia (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: