A Importância da Educação Ambiental para o avanço da Produção Agroecológica na Região do Semiárido Pernambucano / The Importance of Environmental Education for the Advancement of Agroecological Production in the Pernambuco Semi-Arid Region

Francisca Érica de Alencar, Marcos Vinicius Campelo Junior

Resumo


A agroecologia surgiu com o objetivo de resgatar e combinar o conhecimento do agricultor com as bases científicas, para que seja o mais sustentável possível. Na região semiárida de Pernambuco os níveis de assistência técnica são ainda muito baixos, mas alguns órgãos não governamentais realizam esses suportes. O objetivo do presente estudo foi discutir sobre a importância da educação ambiental para o avanço da produção agroecológica na região semiárida de Pernambuco. A metodologia constou de 23 estudos sobre a temática em questão, extraídos de maneira aleatória na base de dados Scielo entre Livros e artigos. Utilizou-se como filtro, as palavras-chave: Agroecologia, Agricultura Familiar e, Educação Ambiental. Os resultados levaram a crer que a  expansão das práticas agroecológicas junto à educação ambiental (EA), implicaram em  benefícios para a sociedade, desde o aprendizado sobre como manejar suas propriedades de forma sustentável, consumindo menos água, utilizando menos insumos externos, sem degradar o meio ambiente, bem como evitando prejudicar a saúde da sua própria família e da comunidade a que abastece com seus produtos.

 


Palavras-chave


Educação ambiental; Agronegócio; agroecologia; produtos naturais

Texto completo:

PDF

Referências


ALTIERI, M. A. Agroecologia: bases cientificas para uma agricultura sustentável. 3. ed. rev. ampl. São Paulo, Rio de Janeiro: Expressão popular, AS PTA, 2012.

BAPTISTA, N. Q.; CAMPOS, C. H. Formação, organização e mobilização social no Semiárido brasileiro. Convivência com o Semiárido Brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Brasília-DF: Editora IABS, 2013. p. 51-58.

BRASIL, Política Nacional de Educação Ambiental. 1999. Disponível em: Acesso em: 27 de Setembro de 2019.

BRANCALIONE, Leandro. Educação Ambiental: Refletindo sobre aspectos históricos, legais e sua importância no contexto social. Revista de educação IDEAL. Vol. 11 – Nº 23 – Janeiro - Junho – 2016

COSTA, A, J, V; WIZNIEWSKY, J G. O paradigma Agroecológico: reflexões teórico-metodológicas sobre os sistemas de produção agrícola familiar. IN: ESLABÃO. Daniel da Rosa [Organizador]. Oikos: Textos e contextos socioambientais. Pelotas: Editora Universitária/ UFPEL, 2010.

CARVALHO, I. C. M. Qual educação ambiental? Elementos para um debate sobre educação ambiental e extensão rural. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, v. 2, n. 2, p. 43-51, 2001.

FAO/INCRA. Projeto de cooperação técnica INCRA/FAO. Novo retrato da agricultura familiar. O Brasil redescoberto. Brasília, 2000.

FREITAS, B, B; JUNQUEIRA, M,B. Educação Ambiental: Ações educativas em espaços não formais. Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Curitiba, 23 de setembro de 2013.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. 2. ed. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2001. 653 p.

GOHN, M. G. Educação não formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v.14, n.50, jan./mar. 2006, p. 27-38.

GOMES, J,C,C. As muitas dimensões da pesquisa em agroecologia. Agriculturas - v. 3 - no 4 – Rio de Janeiro, dezembro de 2006

JACOBI, P. R.; TRISTÃO, M.; FRANCO, M. I. G. C. A função social da educação ambiental nas práticas colaborativas: participação e engajamento. Caderno Cedes, Campinas, v. 29, n. 77, p. 63-79, jan./abr. 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2019.

MDA. Programa de Aquisição de alimentos. Secretária especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário. 25 de outubro de 2014. Disponível em: http://www.mda.gov.br/sitemda/secretaria/saf-paa/modalidades-do-paa. Acesso em: agosto de 2019.

MILLER JR, G. Tyler. Ciência Ambiental. Tradução de: All Tasks. Revisão técnica de: DELITTI, Welington Braz Carvalho. 11ª ed. São Paulo: Cengage Lerning, 2008.

MORALES, A. Educação Ambiental em Busca de uma Sociedade Sustentável. Goiás, 2004. Disponível em www.amigosdanatureza.org.br >, acesso em: 22 setembro 2019.

PEGADO, F. J.; FLORENTINO, H. S. F. (Org.). Educação Ambiental: da pedagogia dialógica a sustentabilidade no semiárido. João Pessoa: Editora da UFPB, 2014.

RAMOS,E.C; Educação Ambiental: origem e perspectivas. Educar, Curitiba, n.18, p.201-218. 2001. Editora da UFPR.

REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental? São Paulo: Brasiliense, 2012.

RODRIGUES, C. M.; SUCHORONCZEK, A.; BROZOSKI, F.; PONTAROLO, E.; KATAOKA, A. M. A Educação Ambiental na relação consumidor-produtor da agricultura familiar. Educação Ambiental em Ação, n. 61, p. 2853, 2017.

SANTOS, C,F ; SIQUEIRA,E,S; ARAÚJO,I,T; MAIA,M,G. A agroecologia como perspectiva de sustentabilidade na agricultura familiar. Ambiente & Sociedade, São Paulo v. XVII, n. 2 n p. 33-52 n abr.-jun. 2014

SILVA, D,V; MACIEL,K,N; SANTOS,J,N; MENDES,J,G; BARBOSA,L,C,B,G; . Agroecologia e Convivência com o Semiárido Brasileiro: uma análise preliminar. DIVERSITAS JOURNAL. Santana do Ipanema/AL. vol 3, n.1, p.76-84, jan./abr. 2018

TABARELLI, M ; LEAL, l ; SCARANO,F.R; SILVA,J. Caatinga: legado, trajetória e desafios rumo à sustentabilidade. Cienc. Cult. vol.70 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2018.

TAMAIO, I. A Mediação do professor na construção do conceito de natureza. Campinas, 2000. Dissert.(Mestr.) FE/Unicamp

TEIXEIRA,C.T.M; PIRES,M.L.L.S. Análise da relação entre produção agroecológica, resiliência e reprodução social da agricultura familiar no sertão do araripe. Rev. Econ. Sociol. Rural vol.55 no.1 Brasília Jan./Mar. 2017

TEIXEIRA, M, N. O sertão semiárido. Uma relação de sociedade e natureza numa dinâmica de organização social do espaço. Revista Sociedade e Estado – Volume 31 Número 3 Setembro/Dezembro 2016

WARMLING D, Moretti P.RO. Meanings of agroecology in the production, distribution and consumption of agroecological food in Florianópolis, Santa Catarina State, Brazil. Interface (Botucatu). 2017; 21(62):687-98.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i50.2491

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: