Sentimentos Emergentes nos portadores da Hanseníase ao anúncio do Diagnóstico / Emerging Feelings in Leprosy Patients to the Announcement of the Diagnosis

Ednardo de Souza Nascimento, Patrícia Alves Cardozo, Carla Giselly de Souza, Viviane Amaral Toledo Coelho

Resumo


A Hanseníase é uma doença milenar, considerada problema de Saúde Pública no Brasil, por persistirem altos índices de detecção e prevalência em algumas regiões. A Hanseníase impõe aos seus portadores prejuízos biopsicossociais, por ser incapacitante, pelas representações sociais, ancoradas em relatos de preconceito, abandono e exclusão, além do forte estigma a ela associado. O objetivo deste estudo, realizado com portadores da Hanseníase no município de Almenara - MG, é destacar alguns sentimentos emergentes no anúncio do diagnóstico e em seguida discutir a importância da reelaboração dos conhecimentos sobre a doença, à partir das informações e conceitos cientificamente elaborados, anunciados aos portadores através de profissionais da saúde. A coleta de dados foi realizada através de entrevistas semiestruturadas. Os dados revelaram que o conhecimento entre os sujeitos pesquisados era rudimentar, baseado na representação social (RS), carregado de autopreconceito, estigma e baseado na sua experiência de portador. Quanto ao gênero, não foi demonstrado diferença, exceto no tocante a um aspecto especialmente estruturante para o gênero feminino: a percepção da aparência e o seu significado para a estrutura do portador. Conclui-se pela necessidade de que seja estabelecido concomitante à terapêutica, um acompanhamento multiprofissional sistemático a fim de potencializar a superação dos seus prejuízos emocionais e psicossociais do portador da Hanseníase.

 


Palavras-chave


Hanseníase; Estigma; Preconceito; Representação social

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Lei 9.010 de 29 de março de 1995. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 1995.

BRASIL. Ministério da saúde. Guia para o controle da Hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância em Saúde: situação epidemiológica da Hanseníase no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

CLARO, L. B. L. Hanseníase: representações sobre a doença. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 1995.

CUNHA, A. Z. S. Hanseníase: aspectos da evolução do diagnóstico, tratamento e controle. Ciênc. Saúde Coletiva. 2002; 7(2): 235-242.

EIDT, L. M. Breve história da Hanseníase: sua expansão do mundo para as Américas, o Brasil e o Rio Grande do Sul e sua trajetória na saúde pública brasileira. Rev. Saúde e Sociedade. 2004. 13, (2), 76-88.

GYAPONG, J. O.; et al. Integration of control of neglected tropical diseases into health-care systems: challenges and opportunities. The Lancet. 2010;375(9709):160-5.

HERZLICH, C. Fragilidade da Vida e Desenvolvimento das Ciências Sociais no Campo da Saúde. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 15(2):193-203, 2005.

LANZA, F. M.; LANA, F. C. F. Decentralization of leprosy control actions in the micro-region of Almenara, State of Minas Gerais. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2011;19:187-94.

LANZA, F. M.; LANA, F.C.F. Acesso às ações de controle da Hanseníase na atenção primária à saúde em uma microrregião endêmica de Minas Gerais. Rev. APS. 2011 jul./set; 14(3): 343-353.

MENDES, C. M. Conhecimento científico versus manutenção de crenças estigmatizantes: Reflexões sobre o trabalho do psicólogo junto aos programas de eliminação da Hanseníase, Pesquisas e Práticas Psicossociais. 2007.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ed,

editor. São Paulo: Hucitec; 2010.

MINUZZO, D. A. O Homem paciente de Hanseníase (Lepra) Representação Social, Rede Social e Familiar, Experiência e Imagem Corporal [Dissertação] - Mestrado em Políticas de Bem-estar em perspectiva: evolução, conceitos e actores. Universidade de Évora, 2008.

MIOTTO, M. M. B.; BARCELLOS, L. A. Contribuição das Ciências Sociais nas práticas de Saúde Pública. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde 2009; 11(2):43-48.

OLIVEIRA, M.P.H; ROMANELLI, C.M. Hanseníase e sexualidade: convivendo com a diferença. Rev. latino-am. enfermagem, Ribeirão Preto. 1999; 7(1):85-91.

OPROMOLLA, P. A, MARTELLI, A. C. C. A terminologia relativa à Hanseníase. Rev. Bras. Dermatol. 2005; 80 (3): 293-294.

TURATO, E. R. Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetivos de pesquisa. Rev. Saúde Pública 2005; 39(3)507-14.

TSUTSUMI. et al. The quality of life, mental health, and perceived stigma of leprosy patients in Bangladesh. Social Science & Medicine. 2007; 64 (B Suppl.):2443–2453.

WHITE, C. Sociocultural considerations in the treatment of leprosy in Rio de Janeiro, Brazil. Lepr Rev. 2002; 73:356-365.

WHITE, C. Explaining a Complex Disease Process: Talking to Patients about Hansen's Disease (Leprosy) in Brazil. Medical Anthropology Quarterly. 2005;19 (3):310-30.

WHITE, C. Iatrogenic stigma in outpatient treatment for Hansen’s disease (leprosy) in

Brazil. Health Education Research. 2008;28(1):25–39.

WHO. Global leprosy situation. In: Wkly Epidemiol Rec. editor: WHO; 2010. p. 337–48.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i49.2386

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: