A Gastronomia e o Sagrado: O alimento que satisfaz o corpo e o espírito / Gastronomy and the Sacred: Food that satisfies body and spirit

Izabel Cristina Francisco Souza, Cássia Lourdes Paradella

Resumo


O presente artigo é parte do corpus da pesquisa de dissertação de mestrado em Ciências das Religiões, objetivando compreender em que medida, no Candomblé, a alimentação entendida como comida de Santo pode representar significados e configurar-se como elemento de identidade e conexão com o sagrado. Uma vez que o processo alimentar, no campo religioso, especialmente no Candomblé, tem como base diretiva, as doutrinas/dogmas que indicam os alimentos como apropriados ou inapropriados. Para tanto, analisar as funções simbólicas da alimentação, na perspectiva do consumo e oferenda da comida de Santo e as funções simbólicas da linguagem, revela mais do que a necessidade orgânica; tem a ver com a cultura, com as crenças, a constituição de valores, de restrições, ritos e tabus; além de dar sentido à existência humana. O simbolismo agrega seguimentos tanto concretos, como abstratos, relacionados a valores morais, poder, conhecimento e sínteses. É nesse sentido que se pretendeu analisar a criação dos símbolos a partir de seu caráter religioso. Especialmente no que tange a particularidades culturais, mudanças histórico-sociais, devoção, e simbolismos ligados ao processo alimentar na prática religiosa do Candomblé.

 


Palavras-chave


Religião; Candomblé; Gastronomia

Texto completo:

PDF

Referências


BASTIDE, Roger. As religiões africanas no Brasil. São Paulo: Pioneira, 1975.

______________ O Candomblé da Bahia: Rito Nagô. São Paulo: Nacional, 1978.

BERNI, Rodrigo. Comer com os Deuses: a alimentação na religião do Candomblé. jul 03, 2015by runespin Dietas. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2018.

CANESQUI, Ana Maria; GARCIA, Rosa Wanda Diez. Antropologia e nutrição: um diálogo possível [online]. Olhares antropológicos sobre a alimentação. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005. 306 p. Antropologia e Saúde collection. ISBN 85- 7541-055-5. Available from SciELO Books. Disponível em: . Acesso em: 2 jan. 2018.

CARNEIRO, Henrique. Comida e Sociedade: uma história da alimentação. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

CARNEIRO, Edison. Religiões negras. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1936.

CASCUDO, Luís Câmara. História da Alimentação no Brasil. Global, 2011.

CERVO, Amado L.; BERVIAN, Pedro A.; SILVA, Roberto da. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007, p. 57.

ELIADE, Mircea. O Sagrado e o Profano: a essência das religiões. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

FIORE, Gabriela; FONSECA, Amélia de Lourdes Nogueira da. A influência da religião no hábito alimentar de seus adeptos. Disponível em: . Acesso em: 27 dez. 2017.

FRANCO, Ariovaldo. De caçador a gourmet: uma história da gastronomia/Ariovaldo Franco. – 2ª ed. Ver. – São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2001. 83 Revista Eletrônica de Teologia e Ciências das Religiões, Vitória-ES, v. 4, n 2, jul.-dez., 2016.

GONÇALVES, Fábio da Silva; OLIVEIA, Daniel Coelho de. A comida dos homens e a comida dos espíritos: um estudo sobre práticas alimentares no Candomblé e na Umbanda. VIII Encontro Nacional de Estudos do Consumo. IV Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo. II Encontro Latino-Americano de Estudos do Consumo Comida e alimentação na sociedade contemporânea 9,10 e 11 de novembro de 2016. Universidade Federal Fluminense em Niterói/RJ. Disponível em: . Acesso em: 2 jan. 2018.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1991.

LANG, Alice Beatriz da Silva Gordo. Espiritismo no Brasil. Cad. CERU, Dez 2008, vol.19, nº2, p.173.

LEVI-STRAUSS, C. O cru e o cozido. São Paulo: Cosac & Naif, 2004.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. 2. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2003, p. 150.

MINTZ, S.W. Comida e Antropologia: uma revisão. Revista de Ciências Sociais, N.47, V.16, 2001.

MOTTA, R. Sacrifício, mesa, festa e transe na religião afro-brasileira. Horizontes Antropológicos, 1(3): 31-38 [links]. Oro A. organizador (Trabalho Manjar dos deuses: as oferendas nas religiões afro-brasileiras / Stefan Hubert). 1995.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Órixas. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Candomblé e Umbanda: caminhos da devoção brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2005.

SIQUEIRA, Maria de Lourdes. Agô Agô Lonan. Belo Horizonte: Mazza Edições, 1998.

SILVEIRA, Renato da. "Jeje-nagô, iorubá-tapá, aon efan e ijexá: processo de constituição do Candomblé da Barroquinha, 1764-1851". Revista Cultura Vozes, Petrópolis, 94 (6):80-101. 2000.

SOUZA JÚNIOR, Vilson Caetano de. Comida de Santo e Comida de Branco. Revista Pós Ciências Sociais. v. 11, n. 21 (2014). Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2018.

SOUZA JÚNIOR, Vilson Caetano de. A Comida dos Órixas. Segunda-feira, 21 de outubro de 2013. Disponível em: . Acesso em: 3 fev. 2018.

VERGER, Pierre. Órixas: Deuses iorubas na África e no Novo Mundo. São Paulo: Nacional, 1985.

_____________ Lendas africanas dos Órixas. Salvador: Corrupio, 1985.

VERGER, Pierre. Os Orixas. (mundo dos espiritos). Salvador. Corro pio, 1981.

WALENT, Carol. Comidas de Santo/Ecos. setembro 6, 2008. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2018.

BASTIDE, R. O Candomblé da Bahia. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

COELHO-COSTA, Ewerton Reubens. Nos banquetes de candomblé os deuses comem: representatividade mitológica nas comidas de santo. Ágora. Santa Cruz do Sul, v.18,n. 01,p. 78-86, jan./jun. 2016. Universidade Estadual do Ceará– UECE, Fortaleza, Ceará. Disponível em http://online.unisc.br/seer/index.php/agora/index. Acesso em 2 de fevereiro de 2018.

PRANDI, R. Os orixás e os mitos. In: Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia das Letras; 2001. p. 359.

LIMA, V. C. A Anatomia do Acarajé e Outros Ensaios. Salvador: Corrupio; 2010.

LODY, R. Santo Também Come. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Pallas, 1998, p. 32.

SANTOS, J.E. Sistema dinâmico. In: Os Nagôs e a morte. 11 ed. Petrópolis: Vozes; 2002. p.40-2.

SOUZA JÚNIOR, V. C. O Banquete Sagrado – Notas Sobre Os “De Comer” Nos Terreiros De Candomblé. Salvador: Atalho, 2009, p. 82.

VOGEL, Arno et al. A galinha d'angola: iniciação e identidade na cultura afro-brasileira. Rio de Janeiro: Pallas, 2001. p. 17.

QUERINO, Manuel. Costumes africanos no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1938. p. 76.

OTTO, Rudolf. Le sacré: l‟élément non-rationnel dans l‟idée du divin et as relation avec le rationnel. Paris: Payot, 1949, p. 23.

FERNÁNDEZ-ARMESTO, Felipe. Comida: uma história. Rio de Janeiro: Record, 2004. p. 60.

NADALINI, Ana Paula. “O nosso missal é um grande cardápio”: Candomblé e alimentação em Curitiba. Revista Angelus Novus, nº 3, maio de 2012. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2018.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i49.2337

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Izabel Cristina Francisco Souza, Cássia Lourdes Paradella

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A ID on line. Revista de psicologia (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: