Nível de Compreensão de Pacientes Internados em um Hospital da Região Metropolitana do Cariri-CE sobre os Medicamentos Prescritos na Alta Hospitalar / Understanding Level of Hospitalized Patients in a Hospital in the Metropolitan Region of Cariri-CE About the Prescribed Drugs at Hospital Discharge

Gabriella Gonçalves Feitosa, José Leonardo Gomes Coelho, Willma José de Santana, Rafael de Carvalho Mendes, Emanuela Machado Silva Saraiva, Francisca Eritânia Passos Rangel

Resumo


Objetivando avaliar o nível de compreensão de pacientes hospitalizados em um Hospital da Região Metropolitana do Cariri-CE sobre os medicamentos prescritos na alta hospitalar, trata-se de um estudo exploratório, descritivo com abordagem quantitativo. Foram entrevistados 38 pacientes maiores de 18 anos que receberam alta hospitalar no mês de abril de 2019, por meio de um questionário aplicado de forma individual e reservada, em um Hospital localizado na Região do Cariri Cearense. Os resultados mostraram que 29% dos entrevistados não receberam orientações do médico no momento da alta hospitalar sobre o uso dos medicamentos em casa, 76% afirmaram que o médico não perguntou sobre alergia medicamentosa, 47% não sabem sobre efeitos adversos, 45% já interromperam ou trocaram a medicação por conta própria, mostrando que o nível de conhecimento dos pacientes sobre a utilização de medicamentos prescritos na alta hospitalar é ruim. Portanto, faz-se necessário ações de conscientização direcionadas aos prescritores enfatizando a necessidade de melhorar as informações passadas para o paciente no momento da alta hospitalar.


Palavras-chave


Alta do paciente. Conhecimento. Cuidados Farmacêuticos. Tratamento Farmacológico.

Texto completo:

PDF

Referências


ADRIANO, et al. Orientação farmacêutica na alta hospitalar de pacientes transplantados: estratégia para a segurança do paciente. Revista Einstein, v.14, n.3, p. 359-65, 2016.

AQUINO, et al. Fatores associados à adesão ao tratamento Farmacológico em idosos que utilizam medicamentos anti-hipertensivo. Revista Brasileira de Geriatria, Rio de Janeiro, v. 20 n. 1, p.116-127, 2017.

AQUINO, et al. Principais causas de internação por condições sensíveis à atenção primária no Brasil: uma análise por faixa etária e região. Revista Brasileira Saúde de Materno Infantil. Recife. p. 583-591, 2010.

BLATT, C. R; OENNING, D; OLIVEIRA, B, V. Conhecimento dos pacientes sobre os medicamentos prescritos após consulta médica e dispensação. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 17, p. 3277-3283, 2011.

BARROS, A. L. B; BEZERRA, A. S. M; LOPES, J. L. Adesão de pacientes hipertensos ao tratamento medicamentoso. Revista Brasileira de Enfermagem. v. 67, n. 4, p. 550, 2014.

BELEZI, et al. A terapêutica medicamentosa, interações potenciais e iatrogenia como fatores relacionados à fragilidade em idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 21 n.5, p. 610-619, Rio de Janeiro, 2018.

BEZERRA, et al. Conhecimento dos profissionais de saúde sobre eventos adversos em unidade de terapia intensiva. Revista de Enfermagem. v. 23, n. 4, p. 46 1-7. Rio de Janeiro, 2015.

CARVALHO, T.P., et al. Conhecimento dos pacientes sobre a prescrição medicamentosa no serviço de emergência. Revista Brasileira de Enfermagem. v.70, n.2, p.351-7, 2018.

CASTRO, L. L. C; MELO, D. O. A contribuição do farmacêutico para a promoção do acesso e uso racional de medicamentos essenciais no SUS. Revista Ciências e Saúde, 2015.

DEUSCHLE, et al. Importância da assistência e atenção farmacêutica non ambiente Hospitalar. Revista Ciência e Tecnologia, Rio Grande do Sul, v. 1, n.1, p. 20-28, 2015.

DOMINGUES, P. H. F., et al. Prevalência e fatores associados à automedicação em adultos no Distrito Federal: estudo transversal de base populacional. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde. v. 26, n.2, p. 319-330, 2017.

GOURLAR, F. C; LAZARINI, C. A; SILVA, F. M. Caracterização da prática de automedicação e fatores associados entre universitários do Curso de enfermagem. Revista Eletrônica de Enfermagem. v. 16, jul/set, 2014.

LACERDA, J. T; MONTEIRO, E. R. Promoção do uso racional de medicamentos uma proposta de modelo avaliativo da gestão Municipal. Saúde debate, v. 40, p. 101-116, out- dez 2016.

LATORRE, M. R. D. O. Tendência de hospitalizações por diabetes mellitus: implicações para o cuidado em saúde. Revista Acta paul Enfermagem. v.28, n. 95, p. 401-7. 2015.

LIEBER, N. S. R; MARQUES, L. F. G. Segurança do paciente no uso de medicamentos após a alta hospitalar: estudo explorativo. Saúde Soc. V. 23, n. 4, p. 1431-1444, São Paulo, 2014.

LUPATINI, E., et al. Conhecimentos dos pacientes de um hospital de ensino a respeito dos medicamentos prescritos na alta. Hu Revista, Juiz de Fora, v. 42, n.4, p.315-322, nov/dez. 2016.

LUPATINI, E. O; MUNCK, A. K; VIEIRA, R. C. Percepções dos pacientes de um Hospital de ensino quanto à farmacoterapia e à orientação farmacêutica na alta. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde. São Paulo, v. 5, n. 3, 28-33, jul-set. 2014.

MARQUEZS, et al. Transição do cuidado do Hospital para o domicilio: Revisão Integrativa. Rev. Cogitare Enfermagem, v. 22, 2017.

MATOS, et al. Prevalência, perfil e fatores associados à automedicação em adolescentes e servidores de uma escola pública profissionalizante. Caderno Saúde Coletiva. v.26, n.1, p. 78-83, Rio de Janeiro, 2018.

OLIVEIRA, S. G. Caracterização dos pacientes hipertensos e diabéticos em serviço de urgência e emergência no município de Dourados-MS. Escola Nacional de Saúde Pública, Campo Grande, setembro, 2010.

SANTOS, S. S; VASCONCELOS, D. F. S. Hospitalizações por hipertensão arterial essencial em caráter de urgência no Brasil, 2008- 2012. Revista Ciências Médica Biologia, Salvador, v.12, p. 465-471, dez. 2013.

SILVA, A. E. B. C., et al. Eventos Adversos a medicamentos em um hospital sentinela do Estado de Goiás, Brasil. Revista Latino Americana de Enfermagem, São Paulo, v. 19, n.2, p.1-9, 2011.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i49.2332

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: