Análise da Insolvência das Empresas Devedoras da Previdência Social / Analysis of the Insolvency of Companies Borning the Social Security

Mariana Costa Silva, Raimundo Nonato Lima Filho

Resumo


Esta pesquisa tem como objetivo a efetiva análise das principais empresas devedoras da Previdência Social, utilizando, para tanto, os índices: do endividamento, imobilizado, rentabilidade e retorno de investimento. Estas informações foram obtidas por meio da junção entre informações do site Bolsa de Valores de São Paulo (B3), somadas ao balanço patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) das instituições escolhidas para estudo, no período de 2010 a 2016, tentando, dessa forma, obter e evidenciar respostas aos fatores que levaram à insolvência das maiores devedoras da dívida ativa da Previdência Social. Para executar a pesquisa, foram utilizados os métodos qualitativo e quantitativo, apresentando-se então as contribuições dos estudos aplicados na análise feita, buscando compreender o que está acontecendo com a dívida, a realidade em que o país se encontra e as consequências da falta desse dinheiro. Entretanto, é preciso salientar desde já que as limitações de informações de algumas das empresas escolhidas, que acabaram declarando falência ou estão com processo judicial em andamento, foram fatores impeditivos para a obtenção das informações desejadas. Para trabalhos futuros, sugere-se adotar outros modelos para análise da estrutura de capital das empresas. 


Texto completo:

PDF

Referências


ALBANEZ, T.; VALLE, M. R. Impactos da assimetria de informação na estrutura de capital de empresas brasileiras abertas. Revista Contabilidade e Finanças, v. 20, n. 51, p.6-20, 2009.

ASSAF NETO, A. Estrutura e Análise de Balanços: um enfoque econômico financeiro. 11ª Edição. São Paulo: Atlas, 2015.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO

BRASIL. Análise da Seguridade Social 2016. Brasília: ANFIP, 2017. Disponível em: https://www.anfip.org.br/doc/publicacoes/Documentos_02_08_2017_08_01_57.pdf. Acesso em: 13 out. 2019.

BRASIL, Constituição (1988). Constituição da República Federal do Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 01 mai. 2019.

BRASIL, Ministério da Previdência Social. Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/. Acesso em: 10 jul. 2019.

BREALELY, R. A.; MYERS S.C. Princípios de Finanças Empresárias, 10ª Edição, Lisboa: Mcgraw-Hill,2013.

BRITO, G. A. S.; CORRAR, L. J.; BATISTELA, F. D. Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. Revista de Contabilidade & Finanças, FIPECAFI/FEA/USP, São Paulo, n 43, p. 9-19, 2007.

B3 – Bolsa de Valores de São Paulo (2019). Site: http://www.b3.com.br/pt_br/. Acesso em: 20 out. 2019.

BUESA, N. Y. A Evolução Histórica da Contabilidade como Ramo do Conhecimento. Revista Eletrônica Gestão e Negócios. v.1,n.1,p.7,2010. Faculdade de São Roque. Disponível em: http://www.facsaoroque.br/novo/publicacoes/pdfs/natasha_adm.pdf. Acesso em: 15 nov. 2019.

DE PAULA, L.F. & SARAIVA, P. A Review of the Research Program of the New Consensus Macroeconomics: An Assessment of the Mainstream Debate after the US 22 Financial Crisis. Artigo apresentado no IX Encontro Internacional da Associação Keynesiana Brasileira, 2016.

FRAGNANI, E.; CARDOSO JUNIOR, J. C. Falácias sobre o “déficit” da Previdência. Artigo veiculado originalmente no Jornal Folha de São Paulo de 02/08/2017.

FRANCO, H. Estrutura, análise e interpretação de balanços: de acordo com a nova lei das S/A, Lei 6.404 de 15/12/76. 15ª Edição. São Paulo: Editora Atlas, 2010.

FUTEMA, M. S.; BASSO L. F. C.: KAYO, E. K. Estrutura de capital, dividendos e juros sobre o capital próprio: testes no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, v. 20, n. 49, p. 44-62, 2014.

GARRISON, R. H.; NOREEN, E. W.: BREWER, P. C. Contabilidade Gerencial, 11ª. Edição. Rio de Janeiro: LTC. 2007.

HAMDAN, A.M. M. ABZAKH, M. H., & AI-ATAIBI, M. H. Factors influencing the level of accounting conservatism in the financial statements. International Business Research, v. 4, n. 3, p. 145-155, 2011.

IZERROUGENE, B. A macroeconomia da previdência social. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 31-46, 2009.

KAYO, E. K., & FAMA, R. A estrutura de capital e o risco das empresas tangível- intensivas e intangível-intensivas. Revista de Administração da USP, v. 39, n. 2, p. 164-176, 2004.

LEÓN, L. P. Devedores da Previdência respondem por quase três vezes o déficit do setor. Agência Brasil, Brasília, DF, 20 fev. 2017. Economia. Disponível em:http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2017-02/devedores-daprevidencia-devem-quase-tres-vezes-o-deficit-do-setor. Acesso em: 20 set. 2019.

MANO, M. K. A Previdência é sustentável, mas seus recursos estão em disputa. Carta: ideias em tempo real, São Paulo, 24 out. 2016. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/economia/a-previdencia-e-sustentavel-mas-seusrecursos-estao-em-disputa. Acesso em: 06 out. 2019

MARION, J. C. Análise das demonstrações contábeis, Contabilidade Empresarial. 7ª Edição. São Paulo: Atlas, 2012.

MATARAZZO, D. C. Análise financeira de balanços: abordagem básica e gerencial. 7ª Edição. São Paulo: Atlas, p. 44 -47, 2010.

MATARAZZO, D. C. Análise financeira de balanços: abordagem básica e gerencial. 7ª Edição. São Paulo: Atlas, p. 12, 2010.

MATTAR, R. O. B. Oferta e demanda de informação financeira pessoal: o Programa de Educação Financeira do Banco Central do Brasil e os universitários do Distrito Federal. 2007. 201 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da informação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

PADOVEZE, C. L. Introdução à Contabilidade, com abordagem para não contadores ed. Thomson. 2ª Edição. São Paulo, 2015.

PADOVEZE, C. L. Sistemas de informações contábeis: fundamentos e análise. 7ª Edição. São Paulo: Atlas, 2014.

PINHEIRO, R. P. Educação financeira e previdenciária: as novas fronteiras dos fundos de pensão. Fundos de Pensão e Mercado de Capitais. São Paulo: Peixoto Neto, 2008.

RIBEIRO, O. M. Contabilidade Intermediária. 5ª Edição. São Paulo: Saraiva, 2017.

SANTOS, C. M.: PIMENTA JÚNIOR, T.; CICCONI, E. G. Determinantes da escolha da estrutura de capital das empresas brasileiras de capital aberto. Revista Administração, São Paulo, v. 44, n. 1, p. 70-81, 2009.

SANTOS, D. F. C. Previdência Social no Brasil, 1923 – 2009: Uma Visão Econômica. Edição. AGE. São Paulo, 2009

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 24ª Ed. Ver. E atualizada – São Paulo: Cortez, 2018.

SILVA, J. E. A. Curso de direito constitucional positivo. Revista e atualidade, São Paulo, Malheiros, 35ª Edição, 2012.

SILVA, J. P. Análise financeira das empresas. 13ª Ed. São Paulo: Atlas, 2016.

SILVA, Marcela Vitoriano. O princípio da solidariedade intergeracional: um olhar do direito para o futuro. Veredas do Direito, Belo Horizonte, v.8, n.16, p.115-146, jul./dez. 2011. Disponível em: http://www.domhelder.edu.br/revista/index.php/veredas/article/view/179. Acesso em: 14 out. 2016.

STEFFEN, H. C.; ZANINI, F. A. M. Abertura de capital no Brasil: percepções de executivos financeiros. Revista Contabilidade e Finanças, v. 23, n. 59, págs. 102115, 2012.

VALLE, M. R.; ALBANEZ, T. Juros altos, fontes de financiamento e estrutura de capital: O endividamento de empresas brasileiras no período 1997 -2006. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 6, n. 16, p. 49-72, 2012.

VIANNA, J. E. A. Curso de direito previdenciário. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2012

WAGNER, J. L.; RAMBO, L. I.; ANDRADE, V. F. Cartilha crítica da reforma da previdência. Brasília, DF: Wagner Advogados Associados, 2017. Disponível em:https://www.anfip.org.br/doc/publicacoes/Documentos_20_03_2017_18_29_12.p df. Acesso em: 15 set. 2019.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i49.2327

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: