A Importância do Autoconhecimento para o Desenvolvimento do Repertório de Autocontrole / The Importance of Sel-Knowledge for the Development of the Self-Control

Rayanne de Lima Santos, Clarissa de Pontes Vieira Nogueira

Resumo


O presente estudo possui o objetivo de evidenciar a importância do autoconhecimento para o desenvolvimento do repertório de autocontrole. Para isto, adotou-se o método da pesquisa bibliográfica por este estudo possuir um caráter descritivo e natureza qualitativa. Através da elaboração da pesquisa, foi possível constatar que o comportamento de autocontrole se caracteriza pela a modificação de variáveis ambientais com o intuito de aumentar a probabilidade da ocorrência do comportamento desejado, e para isto, há a necessidade do sujeito saber discriminar as contingências envolvidas na resposta, partindo da premissa que estas variáveis determinam o comportamento. A pesquisa também possibilitou demonstrar a importância da comunidade verbal e do comportamento verbal para a aquisição e manutenção de ambos os comportamentos. Desta forma, evidencia-se ao longo do estudo a relevância do autoconhecimento para a aquisição e manutenção do comportamento de autocontrole para o repertório comportamental do sujeito.


Palavras-chave


Autoconhecimento; Autocontrole; Behaviorismo Radical;

Texto completo:

PDF

Referências


BATITUCCI, L.A.V. Autoconhecimento em contexto clínico: uma abordagem Behaviorista Radical. Monografia (Graduação em Psicologia)- Centro Universitário de Brasília- UNICEUB, Brasília, 2001. Disponível em: HTTPS://www.passeidireto.com/arquivo/45184363/autoconhecimento-em-contexto-clinico-uma-abordagem-behaviorista-radical. Acesso em: 19 de março 2019.

BARROS, R.S. Uma introdução ao comportamento verbal. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, v. V, n. 1, 2003. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbtcc/v5n1/v5n1a08.pdf. Acesso em: 19 março 2019.

BAUM, W.M. Compreender o Behaviorismo: comportamento, cultura e evolução. Porto Alegre: Artmed, 2006. Disponível em: https://tommyreforcopositivo.files.wordpress.com/2017/08/103187919-baum-compreender-o-behaviorismo.pdf. Acesso em: 19 março 2019.

CARVALHO NETO, M.B. Análise do comportamento: behaviorismo radical, análise experimental do comportamento e análise aplicada do comportamento. Interação em psicologia, 2002. Disponível em:. Acesso em: 20 de junho de 2018.

CASTANHEIRA, S.D.S. Autocontrole: a linguagem do cotidiano e a da Análise do Comportamento. IN/:WIELENSKA, R.C (Org). Sobre comportamento e Cognição. Santo André: ESETec, vol. 6, 2001. Disponível em: https://docero.com.br/doc/1nee0. Acesso em: 19 de março 2019.

CATANIA, A. C. (1999). Aprendizagem: Comportamento, linguagem e cognição. Porto Alegre: Artmed. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B6MZeBCnwUbkSHRFazNMWFRYa3M/view. Acesso em: 18 março 2019.

CORRÊA, B. A; CANTERO, C.R; MELO, C.M.D. O papel da comunidade verbal no ensino de autocontrole : implicações de uma visão dualista de homem. Perspectivas em Análise do Comportamento. Londrina, 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pac/v5n1/v5n1a02.pdf. Acesso em: 19 de março 2019.

CRUZ, R.N. Uma introdução ao conceito de autocontrole proposto pela análise do comportamento. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, v. VIII, n.1, 2006. Disponível em: http://www.usp.br/rbtcc/index.php/RBTCC/article/view/24/13. Acesso em: 19 março 2019.

MARÇAL, J. V. S. (2003). O autoconhecimento no behaviorismo radical de Skinner, na filosofia de Gilbert Ryle e suas diferenças com a filosofia tradicional apoiada no senso comum. Univ. Ci. Saúde. Brasília, v.2, n. 1, p. 1-151, 2004. Disponível em: http://www.intranetibac.com.br/download/texto_ibac/analise/auto%20conhecimento%20Marcal.pdf. Acesso em: 18 março 2019.

MARTINS, E.F.P. Autoconhecimento e Autoestima. Id on line, 2011. Disponível em:

https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/20/20. Acesso em: 19 março 2019.

MOREIRA, M.B.; MEDEIROS, C.A. Princípios básicos de análise do comportamento. Porto Alegre: Artmed, 2007.

NERY, V.D.F; FARIAS, A.K.C.R.D. Autocontrole na perspectiva da Análise do Comportamento. IN: FARIAS, A.K.C.R.D & COLABORADORES (Org). Análise Comportamental Clínica. Porto Alegre: Artmed, 2010.

NICO, Y.C. A contribuição de B. F. Skinner para o ensino do autocontrole como objetivo da educação. Dissertação- Pontíficia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2001. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/29437195_A_contribuicao_de_B_F_Skinner_para_o_ensino_do_autocontrole_como_objetivo_da_educacao. Acesso em: 19 de março 2019.

RANGÉ, B.P. Por que sou Terapeuta Cognitivo-Comportamental?. IN: BANACO, R. A (Org.). Comportamento e cognição. Santo André: Arbytes, v. 1, 1999. Disponível em: https://docero.com.br/doc/1nev0. Acesso em: 18 março 2019.

RIES, B.E. Condicionamento respondente: Pavlov. IN/: ROSA, J. L (Org). Psicologia e educação: o significado do aprender. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003. Disponivel em: https://books.google.com.br/books?id=K2Lf-uSQt-0C&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 19 março 2019.

ROSE, J.C.C; BEZERRA, M.S.L; LAZARIN, T. Consciência e Autoconhecimento. IN: HUBNER, M.M.C; MOREIRA, M.B (Org). Temas clássicos da Psicologia sob a ótica da Análise do Comportamento. Rio de Janeiro: Guanabara Koonan, 2012. Disponível em: https://www.academia.edu/11484320/fundamentos_de_psicologia_temas_classicos_da_psicologia_sob_a_ótica_da_análise_do_comportamento. Acesso em: 19 de março 2019.

SÉRIO, T.M.A.P. A concepção de homem e a busca de autoconhecimento: onde está o problema. IN: BANACO, R. A (Org.). Comportamento e cognição. Santo André: Arbytes, v. 1, 1999. Disponível em: https://docero.com.br/doc/1nev0. Acesso em: 18 março 2019.

SILVA, K.S; BRAVIN, A.A. O mundo encoberto de cada um: técnicas que auxiliam o autoconhecimento. IN: FARIAS, A.K.C.R; FONSECA, F.N; NERY, L.B (Org). Teoria e formulação de casos em Análise Comportamental Clínica. Porto Alegre: Artmed, 2018.

SKINNER, B.F. Comportamento Verbal. São Paulo: Cultrix, 1957. Disponível em: https://docero.com.br/doc/xv81x. Acesso em: 19 março 2019.

SKINNER, B.F. Questões recentes na análise do comportamento. Campinas: Papirus, 1991. Disponível em: https://www.academia.edu/10114890/skinner_b._f._19991_._questões_recentes_na_análise_comportamental. Acesso em: 19 março 2019.

SKINNER, B.F. Ciência e comportamento humano. São Paulo: Martins Fontes, 2003. (Obra original publicada em 1953). Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B6MZeBCnwUbkOVpMNjhlNmhLQmM/view. Acesso em: 19 março 2019.

SKINNER, B.F. Sobre o behaviorismo. 10. ed. São Paulo: Cultrix, 2006. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B6MZeBCnwUbkY2gyWFdqS2JfbmM/view. Acesso em: 19 março 2019.

TOURINHO, E. Z. O autoconhecimento na psicologia comportamental de B.F.Skinner. Belém: UFPA, 1993. Disponível em: https://www.passeidireto.com/arquivo/24174667/tourinho-1995-o-autoconhecimento-na-psicologia-comportamental-de-b-f-skinner-1. Acesso em: 19 março 2019.

TOURINHO, E.Z. Eventos privados em uma ciência do comportamento. IN: BANACO, R. A (Org.). Comportamento e cognição. Santo André: Arbytes, v. 1, 1999. Disponível em: https://docero.com.br/doc/1nev0. Acesso em: 18 março 2019.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i49.2311

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: