Análise das Características Clínicas em Mulheres com Disfunções do Assoalho Pélvico Atendidas em um Ambulatório no Interior da Bahia / Analysis of Clinical Characteristics in Women with Pelvic Floor Disorders Attended in an Ambulatory of the Interior of Bahia

Aline Marques Piloto, Eduarda Silva e Silva, Marilange Araújo de Almeida Souza, Rosana Porto Cirqueira

Resumo


O objetivo do presente estudo foi apresentar as características clínicas de mulheres com disfunções do assoalho pélvico atendidas pelo ambulatório de fisioterapia em uroginecologiade uma instituição privada de ensino superior da cidade de Vitória da Conquista – Bahia. Caracteriza-se como um estudo retrospectivo com caráter descritivo exploratório transversal e quantitativo, realizado de setembro de 2019 a outubro de 2019 no Núcleo de Estudos em Fisioterapia de uma instituição privada de ensino superior da cidade de Vitória da Conquista, no Sudoeste da Bahia. A maioria das mulheres analisadas tem idade maior ou igual a 60 anos (53%) com média de 77,12 ±10,2anos, eram casadas, da cor branca, se dedicam principalmente às atividades do lar e grande parte destas (45%) possuem o ensino médio completo.A paridade, histerectomia, idade avançada foram eventos frequentes nas pacientes com disfunções de assoalho pélvico. Apesar do amplo reconhecimento do problema entre os especialistas em saúde materna, estudos para avaliar a magnitude do distúrbio do assoalho pélvico são escassos. É importante que se faça mais estudos científicos acerca do tema, porque é algo que reflete diretamente com a população, sendo necessário que se entenda suas causas, tratamentos e formas deprevenções.

 

 


Palavras-chave


Disfunções do Assoalho Pélvico. Fisioterapia. Mulheres

Texto completo:

PDF

Referências


AMABILE C, PILLET H, LAFAGE V, BARREY C, VITAL JM, SKALLI W. A new quasi-invariant parameter characterizing the postural alignment of young asymptomatic adults. Eur Spine J. 2016; 25(11):3666-3674.

BATISTA R, SOUZA F, DIAS L, SILVA A, FREITAS M, SÁ M. Revisão sistemática das influências do hipoestrogenismo e do treinamento sobre a incontinência urinária. FEMINA. 2010 Mar;v. 38, n 3.

BEUTTENMÜLLER, L; CADER, SM; MACENA, RHM; ARAÚJO, NDOSS; NUNES, EFC; DANTAS, EHM. Contração muscular do aparelho pélvico de mulheres com incontinência urinária de esforço submetidas a exercícios e eletroterapia: um estudo randomizado. Fisioter Pesq. v.18, n.3, p. 210-216, 2011.

CAMILLATO ES, BARRA A A, SILVA Jr. Incontinência urinária de esforço: fisioterapia versus tratamento cirúrgico. Rev. FEMINA.v.40, n.4, p.187-194, 2012.

DE SOUSA, JG; FERREIRA, VR; DE OLIVEIRA, RJ; CESTARI, CE. Avaliação da força muscular do assoalho pélvico em idosas com incontinência urinária. Rev FisioterMov.v.24, n.1, p.39-46, 2011.

FERREIRA C. The Pad Test for urinary incontinence in women. Journal of Physiotherapy. 2015; 61(2): 98.

FITZ F, COSTA T, FEITOSA S, YUASO D, ALVES G, SARTORI M. Qual o índice de massa corporal de mulheres com disfunções dos músculos do assoalho pélvico que procuram tratamento fisioterapêutico?.Fisioter e Pesq.2012; v 19, n 4.

HAYLEN B, FREEMAN R, SWIFT S, COSSON M, DAVILA G, DEPREST J. An International Urogynecological Association (IUGA)/International Continence Society (ICS) joint report on the terminology for female pelvic floor dysfunction. International Urogynecol Journal .Jan. 2010; vol.21, n. 1, p. 5-26.

HIGA R, DE RIVORÊDO CRFS, CAMPOS LK, LOPES MHDEM, TURATO ER. Vivências de Mulheres Brasileiras com Incontinência Urinária. Texto e Contexto Enferm, v.19, n.4, p. 627-635, 2010.

HONÓRIO MO, SANTOS SM. A Incontinência urinária e envelhecimento: impacto no cotidiano e na qualidade de vida. Rev. Bras. Enferm.v.62, n.1, p.51-56, 2009.

KNORST M, RESENDE T, GOLDIM J. Perfil clínico, qualidade de vida e sintomas depressivos de mulheres com incontinência urinária atendidas em hospital-escola. Rev Bras de Fisioter.mar./abr. 2011;São Carlos, v. 15, n. 2, p. 109-116.

KRUGER A, LUZ S, VIRTUOSO J. Home exercises for pelvic floor in continent women one year after physical therapy treatment for urinary incontinence: an observational study.Rev. bras. Fisioter. 2011 Oct; São Carlos, v. 15, n. 5.

LAZARI, I. C. F.; LOJUDICE, D. C.; MAROTA, A. G. Avaliação da Qualidade de Vida de Idosas com Incontinência Urinária: idosas institucionalizadas em uma instituição de longa permanência. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 2009; v.12, n. 1. 3.

LEMOS, A. Parâmetros angulares da pelve e a função muscular do assoalho pélvico em mulheres com incontinência urinária. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Medicina e Saúde Humana da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador-BA, 2017.

MENEZES GMD, PINTO FJM, DA SILVA FAA, DE CASTRO ME, DE MEDEIROS CRB. Queixa de perda urinária: Um problema silente pelas mulheres. Revista Gaúcha de Enferm. v.3, n.1, p.100-108, 2012.

MORAES BERLEZI, E; DAL BEM, A; ANTONELLO, C; TAMBARA LEITE, M; BERTOLO, EM. Incontinência urinária em mulheres em período pós-menopausa: um problema de saúde pública. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol.v.12, n.2, p.159-173, 2010.

OBEID I, BOISSIÈRE L, YILGOR C, LARRIEU D, PELLISÉ F, ALANAY A, et al. Global tilt: a single parameter incorporating spinal and pelvic sagittal parameters and least affected by patient positioning. Eur Spine J. 2016; 25(11):3644-3649.

OLIVEIRA JR, GARCIA RR. Cinesioterapia no tratamento da Incontinência Urinária em mulheres idosas. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. v.14, n.2, p.343-351, 2011.

RAMOS, AL; OLIVEIRA, AAC. Incontinência Urinária em mulheres no climatério: efeitos dos exercícios de Kegel. Revista Hórus.v.4, n.2, p.264-275, 2010.

SILVA L, LOPES MHBM. Incontinência urinária em mulheres: razões da não procura por tratamento. Rev. Esc. Enferm.v.43, n.1, p.72-78, 2009.

SUNG V, HAMPTON B. Epidemiology of Pelvic FloorDysfunction.Clinical.Obstet&Ginecol.2009; v.36, p. 421– 443.

THÜROFF J, ABRAMS P, ANDERSSON K, ARTIBANI W, CHAPPLE CR, Drake MJ, et al. EAU Guidelineson Urinary Incontinence. European Urology. 2011;59:387-400.

TORREALBA F, OLIVEIRA L. Incontinência Urinária na população feminina de idosas. Ensaios e Ciência. 2010; v. 14, n. 1.

VASCONCELOS C, NETO J, BEZERRA L, KARBAGE S, FROTA I. Disfunções do assoalho pélvico: perfil sóciodemográfico e clínico das usuárias de um ambulatório de uroginecologia. Rev Eletrôn Gestão &Saúde.2013; v 4, n 1, p.1484-1498.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i48.2241

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: