Disfunção temporomandibular em pacientes desdentados reabilitados com próteses totais / Temporomandibular dysfunction in pacients edentulos rehebilitated with phosthesis total

Neyane Cathaline Carvalho Pardim, Daniela Porto Cunha

Resumo


Nas últimas décadas, a disfunção temporomandibular (DTM) tem ganhado um papel de destaque no âmbito odontológico. Os primeiros estudos epidemiológicos foram direcionados a pacientes dentados. Porém, pesquisas mais atuais sobre a prevalência de DTM em paciente edêntulos tem mostrado resultados inconclusivos, por possuírem parâmetros diferentes para o diagnóstico dessa desordem. Por este motivo esse trabalho teve como objetivo analisar a prevalência dos sinais e sintomas de DTM em pacientes portadores de prótese total. Foi realizada uma revisão bibliográfica através nas bases de dados Bireme, PubMed, Scielo, periódico CAPES e Lilacs, utilizando os descritores prótese total, arcada desdentada, transtornos da articulação temporomandibular e prevalência e seus correspondentes em inglês, foram selecionados 20 artigos publicados entre os anos de 2000 e 2019. Levando-se em consideração esses aspectos, podemos notar que mesmo depois de muitos estudos, á uma deficiência de caráter metodológico, mas a maior parte das amostras, apontam que pacientes que fazem o uso de próteses totais em condições clinicas adequadas, respeitando os princípios básicos de execução e função, tem uma menor prevalência de apresentar os sinais e sintomas por si só e que essa relação entre DTMs e PT é possível quando se negligenciam esses princípios, tanto por parte do laboratórios protéticos, quanto por parte do cirurgião dentista, fazendo seu uso em condições clínicas insatisfatórias

 


 

 


Palavras-chave


Prótese Total. Arcada desdentada. Transtornos da articulação temporomandibular. Prevalência

Texto completo:

PDF

Referências


Cespedes IA, Sánchez AM, Matarán GAQ, Rubio JM, Barrilao RG, Lorenzo CM. Disfunción temporomandibular, discapacidad y salud oral en una población geriátrica semi-institucionalizada. Nutr Hosp. 2011;26(5):1045-51.

Chisnou AM, Picos AM, Popas S, Chisnoiu PD, Lascou L, Picos A, et al. Factors involved in the etiology of temporomandibular disorders – a literatura review, Clujul Medical. 2015;8(4):473-478.

Czernaik, M et al. Association between temporomandibular disorder symptoms and demographic, dental and behavioral factors in the ekderly: a population-basead cross-sectional study. BrJP. 2018; 1(3) 223-230.

Barreto, J. et al. Impactos psicossociais da estética dentária na qualidade de vida de pacientes submetidos a próteses. Arch Health Invest, v.7, 2018.

Moreira RdS, Nico LS, Tomita NE. O risco espacial e fatores associados ao edentulismo em idosos em município do Sudeste do Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 2011; 27(10):2041-54. 4.

Chuka, R. Implant Utilization and Time to Prosthetic Rehabilition in Conventional and Advanced Fibular Free Flap Reconstruction of the Maxila and Mandible. Int J Prosthodont, 2017; 30(3); 289-294.

Ribeiro JA, Resende CM, Lopes AL, Farias-Neto A, Carreiro Ada F. Associação entre fatores protéticos e disfunção temporomandibular em usuários de próteses totais. Gerodontologia 2014; 31:308-13.

Coronatto EAS, Zuccolotto MCC, Bataglion C, Bitondil MBM. Associação entre disfunção temporomandibular e ansiedade: estudo epidemiológico em pacientes edêntulos. Int J Dent. 2009;8(1):6-10

Souza, S. et al. Prevalência de desordens temporomandibulares em indivíduos desdentados reabilitados com próteses totais convencionais. Rev Odontol UNESP, 2014; 43(3): 105-110.

Andrade, D. et al. Redução parcial de zumbido por reabilitação protética: relato de caso clínico. REGS. 2016;15(1):46-53.

Silva, E. et al. O edentulismo no Brasil: epidemiologia, rede assistencial e produção de próteses pelo Sistema Único de Saúde. Tempus, actas de saúde colet. 2015; 9(3): 121-134.

Brasil. Ministério da Saúde. SB-Brasil. SB-Brasil 2010. Pesquisa Nacional de Saúde Bucal: Resultados principais [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Cano-Gutierres C et al. Edentulism and dental prostheses in the elderly: impact on quality of life measured with euroqol – visual analog scale (eq-vas). Acta Odontol. Latinoam 2015;28(2):149-155.

Cardoso SO et al. Representações ideativas sobre edentulismo e reabilitação protética na percepção de idosos. Revista Brasileira em Promoção da Saúde 2015;3(28):394-401, 2015.

Agostinho, A. et al. Edentulismo, uso de prótese e autopercepção de saúde bucal entre idosos. Rev Odontol UNESP. 2015; 44(2): 74-79.

Simões ACA, Carvalho DM. A realidade da saúde bucal do idoso no Sudeste brasileiro. Cien Saúde Colet. 2011;16(6):2975-82.

Williams SE, Slice DE. Influence of Edentulism on human Orbit and Zygomatic Arch Shape. Clinical anatomy 2014;27(1):408-416.

Moreira RS, Nico LS, Tomita NE. O risco espacial e fatores associados ao edentulismo em idosos em município do Sudeste do Brasil. Cad Saude Publica. 2011;27(10):2041-54.

Gabardo, M. et al. Self-rating of oral health according to the Oral Health Impact Profile and associated factors: a systematic review. Rev Panam Salud Publica. 2013: 33(6); 439-45.

Silva JMF, Fonseca EP, Batista MJ, Souza MLR. Spatial for biomedel acquisition through addtive manufacturing for health. RGO. Rev Gaúch Odontol. 2017; 65(2):115-20.

Romero MF, De Rosa TA. Modified Occlusal Rim Design and Use of Phonetics to Determine Anterior Tooth Position and Vertical Dimension: A Clinical Report. Compend Contin Educ Dent 2016; 37(6): 5-8.

Yen YY. Et al. Impact of removable dentures on oral health-releted quality of life among elderrly adults in Taiwan. BMC Oral Health. 2015: 15(1)

Cunha VPP, Marchini L. Prótese Total Contemporânea na Reabilitação Bucal. 2.ed. São Paulo: Editora Santos; 2014.

Mobilio, N. et al. Prevalence of self-reported symptoms related temporomandibular disorders in na Italian population. J Oral Rehab, 2015; 38(12).

Batistello, D. et al. Disfunção Temporomandibular em Pacientes Portadores de Próteses Totais Superiores com Redução da Dimensão Vertical de Oclusão. J Oral Invest, 2014;3(1):17-23

Lopes PRR, Campos PSF, Nascimento RJM. Dor e inflamação nas disfunções temporomandibulares: revisão de literatura dos últimos quatro anos. Revista de Ciências Médicas e Biológicas 2011; 10(3): 317-325.

Da Conceição Araújo, M. et al. Oferta de próteses dentárias na Atenção Primária à Saúde de 2010 a 2016 em Belo Horizonte, Minas Gerais. Arq Odontol. 2017;53(1):06.

Nascimento, J. et al. Reabilitação com prótese dentária total em idosos e melhoria na dimensão do OHIP. Arq Odontol, v. 54, 2018.

Ferreira, C. et al. Impaired orofacial motor functions on chronic temporomandibular disorders. J Electromyogr Kinesiol. 2014: 24(1); 65-71.

De Souza Renhe, L. et al. Importance of stability and retention of double total prostheses: factors related to its use in the etiology of temporomandibular disorders. Braz Dent Sci. 2016: 19(1); 55-59.

Bijjaragi, S. et al. Pain Management in Temporomandibular Joint Disorders by Active and Placebo Transcutaneous Electric Nerve Stimulation: A Comparative Study. Am J Drug Deliv Ther. 2015; 2(1); 20.

Schmd-Shwap, M. et al. Sex, specific differences in patients with temporomandibular disorders. J Orofac Pain, v. 27, n. 1, p. 42-50, 2013.

Dervis E. Alterações nas disfunções temporomandibulares após tratamento com novas próteses totais. J Oral Rehabil 2004; 31: 320-6.

Ribeiro RA, Mollo Junior FA, Pinelli LAP, Arioli JNJ, Ricci WA. Prevalência de disfunção crâniomandibular em pacientes portadores de próteses totais duplas e pacientes dentados naturais. Cienci Odontol Bras. 2002; 5:84-9.

Shibayama R, Garcia AR, Zuim PRJ, Prevalência de desordem temporomandibular (DTM) em pacientes portadores de próteses totais duplas, próteses parciais removíveis e universitários. Rev.Odonto Araçatuba 2004;25:18-21.

Silva, A. et al. Pain, click and crepitation as factors associated with temporomandibular dysfunction in Parkinson’s disease. BrJP, v. 1, n. 3, p. 248-254, 2018.

Almeida LHM, Farias ABL, Soares MSM, Cruz JS, Cruz RES, Lima MG. Disfunção temporomandibular em idodos. 2008;13:35-38.

Shetty R. Prevalência de sinais de disfunção da articulação temporomandibular em indivíduos desdentados assintomáticos: estudo transversal. J Indian Prosthodont Soc 2010, 10: 96-101.

Kirov DN, Krastev DS. Prevalência de sinais e sintomas de disfunção temporomandibular em pacientes em uso de prótese total. Int J Sci Res 2014; 3: 947-9.

Almeida LHM, Farias ABL, Soares MSM, Cruz JS, Cruz RES, Lima MG. Disfunção temporomandibular em idodos. 2008;13:35-38.

Lundeen TF, Scruggs RR, MW McKinney, Daniel SJ, Levitt SR. Sintomatologia da DTM entre pacientes de prótese. J Craniomandib Disord 1990, 4: 40-6.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i48.2143

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: