Percepção dos Enfermeiros da Atenção Primária diante da Violência Contra a Gestante /

Julliany Larissa Correia Santos, João Victor da Silva Rodrigues, Cláudia Daniele Barros Leite Salgueiro, Cláudia Fabiane Gomes Gonçalves, Taysa Vieira de Almeida, Gladyanny da Costa Veras Soares

Resumo


Objetivo: Conhecer como os profissionais da Estratégia de Saúde da família reconhecem e enfrentam o fenômeno da violência contra as gestantes. Método: Estudo descritivo e de abordagem qualitativa, composto por Enfermeiros do município de Pesqueira, Pernambuco, por meio de entrevista semiestruturada. A análise dos dados foi feita através da técnica da análise de conteúdo unida a uma pesquisa documental no Sistema de Informação de Notificação de Agravos. Resultados: Apesar de grande parte dos Enfermeiros terem visto o tema violência na graduação, e alguns já participaram de curso ou palestra que abordassem a temática, ainda é incipiente o enfrentamento deste profissional diante dos casos de violência contra a gestante, umas vez que grande parte destes profissionais não reconhecem todas as tipologias da violência, não se sentem capazes em realizar a notificação por medo de sofrerem represálias e tem escasso conhecimento sobre o trabalho em rede. Conclusão: Destaca-se a necessidade de sensibilizar e qualificar os profissionais a identificar e abordar qualquer tipo de violência promovendo educação em saúde no intuito de instruir as gestantes, empoderando este público para evitar a recorrência e o reflexo deste fenômeno em suas vidas.



Palavras-chave


Saúde Pública; Enfermagem; Violência; Gestantes

Texto completo:

PDF

Referências


Sousa GM de, Damasceno KCF, Borges L de CF. Estratificação dos tipos de violência notificados pelo SINAN, no município de Porto Nacional, TO, em 2014. Rev Interface. 2016 maio; (11): 34-45.

Pires MRGM, Silva LVS, Fonseca RMGS, Oliveira RNG, Gessner R, Gouveia E de P. Violetas-cinema&ação no enfrentamento da violência contra a mulher:concepção de subjetividade, gênero, cidadania e ludicidade nas regras e nas cartas do jogo. Rev Interdisciplinar em Cultura e Sociedade. 2017 jan./jul; 3(esp): 99-115.

Teixeira SVB, Moura MAV, Silva LR, Queiroz ABA, Souza KV, Netto LA. Violência perpetrada por parceiro íntimo à gestante: o ambiente à luz da teoria de Levine*. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(6): 882-9.

Brasil. Ministério da saúde. Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM). Óbitos de mulheres por causas externas. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?idb2011/c09.def

Leal SYP, Lima VL de A, Silva AF, Soares PDFL, Santana LR, Pereira A. Percepção de enfermeiras obstétricas acerca da violência obstétrica. Cogitare Enferm. 2018; 2(23).

Garcia-Moreno C, Jansen HA, Ellsberg M, Heise L, Watts CH. Prevalence of intimate partner violence: findings from the WHO multi-country study on women’s health and domestic violence. 2006 oct; 368(9543): 1260-9.

Carneiro JF, Valangueiro S, Ludermir AB, Araújo TVB de. Violência física pelo parceiro íntimo e uso inadequado do pré-natal entre mulheres do Nordeste do Brasil. Rev bras epidemiol. 2016 abr-jun; 19(2): 243-255.

Jesmin SS. Social Determinants of Married Women’s Attitudinal Acceptance of Intimate Partner Violence. Journal of Interpersonal Violence. 2015; 32(21): 3226-3244.

Oliveira LCQ de, Fonseca-Machado M de O, Stefanello J, Gomes- Sponholz FA.Violência por parceiro íntimo na gestação: identificação de mulheres vítimas de seus parceiros. Rev. Gaúcha Enferm. 2015; 36(esp): 233-8

Salcedo-Barrientos DM, Miura PO, Macedo VD, Egry EY. Como os profissionais da Atenção Básica enfrentam a violência na gravidez?. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2014 maio-jun; 22(3) 448-53.

Brasil. Lei Maria da Penha: Lei nº 11.340. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para Mulher, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Brasil Lei do Feminicído. Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/L13104.htm

Martins L de CA, Silva EB da, Dilélio AS, Costa MC da, Colomé IC, dos S, Arboit J. Violência de gênero: conhecimento e conduta dos profissionais da estratégia saúde da família. Rev Gaúcha Enferm. 2018; 39:e 2017-0030.

Silvino MCS, Silva LFF, Duartes SCF, Belantini L, Oliveira MLF de. Mulheres e Violência: Características e Atendimentos Recebidos em Unidades de Urgência. J Health Sci. 2016; 18(4): 240-4.

Galindo NA de L, Gonçalves CFG, Neto NMG, Santos SC dos, Santana CSC, Alexandre ACS. Violência infanto-juvenil sob a ótica da enfermagem. Rev enferm UFPE on line. 2017 mar; 11(3):1420-9.

Gil, AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

Minayo, MCS. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Pesqueira-PE. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=261090

CNES. Cadastro Nacional de Estabelecimentos em Saúde. Disponível em: http://www.cnes.datasus.gov.br/

Bardin, L. Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70; 2006

Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas; 2010.

Brasil. DATASUS. Departamento de Informática do SUS. Disponível em: http://datasus.saude.gov.br/datasus.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União, 2012.

Silva MDR, Violência contra a mulher: analise da Lei Maria da Penha e suas implicações no município de Codó-Maranhão 2006-2017 [monografia]. Codó: Universidade Federal do Maranhão Campus Codó; 2018.

Delzivo CR, Bolsoni CC, Nazaré NO, Coelho EBS. Características dos casos de violência sexual contra mulheres adolescentes e adultas notificados pelos serviços públicos de saúde em Santa Catarina, Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2017; 33(6).

Pereira JS, Silva JC de O, Borges NA, Ribeiro M de MG, Auarek LJ, Souza JHK de. Violência obstétrica: ofensa à dignidade humana. BrazilianJournal of Surgery and Clinical Research-BJSCR. 2016 jun-ago; 15(1): 103-8.

Brasil. Decreto n.º 5.452, De 1º de Maio de 1943. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 1943 mai.1. [Acesso em 2018 nov 20]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del5452.htm

Brasil. Presidência da República, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 10.048 de 08 de Novembro de 2000. Dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e dá outras providências [Internet]. Brasília, DF; 2000. [acesso em 2018 nov 20]. Disponível em:http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2000/lei-10048-8-novembro-2000-376937-normaatualizada-pl.html

Belentani L, Sartorelli ACM, Meschial WC, Lima MF, Oliveira MLF. Violência Contra Crianças, Adolescentes e Mulheres: Desfecho de casos atendidos em um Hospital Ensino. Rev Enferm UFSM [Internet]. 2012 Jan/Abr; 2(1):10-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.406, de 5 novembro de 2004. Institui serviço de notificação compulsória de violência contra a mulher nos serviços de saúde, e aprova instrumento e fluxo para notificação. Diário Oficial da União, 2004 nov. 9; Seção 1. p 84.

Cortes GR, Alves EC, Silva LKR da. Mediação da informação e violência contra mulheres: disseminando a informação estatística no Centro Estadual de Referência da Mulher Fátima Lopes. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 2015; João Pessoa.

Andrade JO, Castro SS, Heitor SFD, Andrade WP, Atihe CC. Indicadores da violência contra a mulher provenientes das notificações dos serviços de saúde de Minas Gerais-Brasil. Texto Contexto Enferm. 2016; 25(3): 1-9.

Cortes LF, Padoin SMM, Kinalski DDF. Instrumentos para articulação da rede de atenção às mulheres em situação de violência: construção coletiva. Rev Gaúcha Enferm. 2016; 37(esp): 2016-0056.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 154 de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Centro de Referência de Assistência Social. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Brasília, DF, 2009; ed 1. p 72.

Faraj GR, Siqueira AC. O atendimento e a rede de proteção da criança e do adolescente vítima de violência sexual na perspectiva dos profissionais do CREAS. Rev do dep de Ciências Humanas. 2012 jul/dez; (37): 67-87.

Souza L de, Cortez MB. A Delegacia da Mulher perante as normas e leis para o enfrentamento da violência contra a mulher: um estudo de caso. Rev. Adm. Pública. 2014 mai/jun; 48 (3): 621-639.

Brasília. Ministério da Justiça. Norma técnica de padronização das delegacias especializadas de atendimento as mulheres- DEAMs. 2010. Disponível em: http://www.spm.gov.br/lei-maria-da-penha/lei-maria-da-penha/norma-tecnica-de-padronizacao-das-deams-.pdf




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i47.2079

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Julliany Larissa Correia Santos, João Victor da Silva Rodrigues, Cláudia Daniele Barros Leite Salgueiro, Cláudia Fabiane Gomes Gonçalves, Taysa Vieira de Almeida, Gladyanny da Costa Veras Soares

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A ID on line. Revista de psicologia (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: