Percepção dos Enfermeiros da Atenção Primária diante da Violência Contra a Gestante /

Julliany Larissa Correia Santos, João Victor da Silva Rodrigues, Cláudia Daniele Barros Leite Salgueiro, Cláudia Fabiane Gomes Gonçalves, Taysa Vieira de Almeida, Gladyanny da Costa Veras Soares

Resumo


Objetivo: Conhecer como os profissionais da Estratégia de Saúde da família reconhecem e enfrentam o fenômeno da violência contra as gestantes. Método: Estudo descritivo e de abordagem qualitativa, composto por Enfermeiros do município de Pesqueira, Pernambuco, por meio de entrevista semiestruturada. A análise dos dados foi feita através da técnica da análise de conteúdo unida a uma pesquisa documental no Sistema de Informação de Notificação de Agravos. Resultados: Apesar de grande parte dos Enfermeiros terem visto o tema violência na graduação, e alguns já participaram de curso ou palestra que abordassem a temática, ainda é incipiente o enfrentamento deste profissional diante dos casos de violência contra a gestante, umas vez que grande parte destes profissionais não reconhecem todas as tipologias da violência, não se sentem capazes em realizar a notificação por medo de sofrerem represálias e tem escasso conhecimento sobre o trabalho em rede. Conclusão: Destaca-se a necessidade de sensibilizar e qualificar os profissionais a identificar e abordar qualquer tipo de violência promovendo educação em saúde no intuito de instruir as gestantes, empoderando este público para evitar a recorrência e o reflexo deste fenômeno em suas vidas.



Palavras-chave


Saúde Pública; Enfermagem; Violência; Gestantes

Texto completo:

PDF

Referências


Sousa GM de, Damasceno KCF, Borges L de CF. Estratificação dos tipos de violência notificados pelo SINAN, no município de Porto Nacional, TO, em 2014. Rev Interface. 2016 maio; (11): 34-45.

Pires MRGM, Silva LVS, Fonseca RMGS, Oliveira RNG, Gessner R, Gouveia E de P. Violetas-cinema&ação no enfrentamento da violência contra a mulher:concepção de subjetividade, gênero, cidadania e ludicidade nas regras e nas cartas do jogo. Rev Interdisciplinar em Cultura e Sociedade. 2017 jan./jul; 3(esp): 99-115.

Teixeira SVB, Moura MAV, Silva LR, Queiroz ABA, Souza KV, Netto LA. Violência perpetrada por parceiro íntimo à gestante: o ambiente à luz da teoria de Levine*. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(6): 882-9.

Brasil. Ministério da saúde. Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM). Óbitos de mulheres por causas externas. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?idb2011/c09.def

Leal SYP, Lima VL de A, Silva AF, Soares PDFL, Santana LR, Pereira A. Percepção de enfermeiras obstétricas acerca da violência obstétrica. Cogitare Enferm. 2018; 2(23).

Garcia-Moreno C, Jansen HA, Ellsberg M, Heise L, Watts CH. Prevalence of intimate partner violence: findings from the WHO multi-country study on women’s health and domestic violence. 2006 oct; 368(9543): 1260-9.

Carneiro JF, Valangueiro S, Ludermir AB, Araújo TVB de. Violência física pelo parceiro íntimo e uso inadequado do pré-natal entre mulheres do Nordeste do Brasil. Rev bras epidemiol. 2016 abr-jun; 19(2): 243-255.

Jesmin SS. Social Determinants of Married Women’s Attitudinal Acceptance of Intimate Partner Violence. Journal of Interpersonal Violence. 2015; 32(21): 3226-3244.

Oliveira LCQ de, Fonseca-Machado M de O, Stefanello J, Gomes- Sponholz FA.Violência por parceiro íntimo na gestação: identificação de mulheres vítimas de seus parceiros. Rev. Gaúcha Enferm. 2015; 36(esp): 233-8

Salcedo-Barrientos DM, Miura PO, Macedo VD, Egry EY. Como os profissionais da Atenção Básica enfrentam a violência na gravidez?. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2014 maio-jun; 22(3) 448-53.

Brasil. Lei Maria da Penha: Lei nº 11.340. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para Mulher, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Brasil Lei do Feminicído. Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/L13104.htm

Martins L de CA, Silva EB da, Dilélio AS, Costa MC da, Colomé IC, dos S, Arboit J. Violência de gênero: conhecimento e conduta dos profissionais da estratégia saúde da família. Rev Gaúcha Enferm. 2018; 39:e 2017-0030.

Silvino MCS, Silva LFF, Duartes SCF, Belantini L, Oliveira MLF de. Mulheres e Violência: Características e Atendimentos Recebidos em Unidades de Urgência. J Health Sci. 2016; 18(4): 240-4.

Galindo NA de L, Gonçalves CFG, Neto NMG, Santos SC dos, Santana CSC, Alexandre ACS. Violência infanto-juvenil sob a ótica da enfermagem. Rev enferm UFPE on line. 2017 mar; 11(3):1420-9.

Gil, AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

Minayo, MCS. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Pesqueira-PE. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=261090

CNES. Cadastro Nacional de Estabelecimentos em Saúde. Disponível em: http://www.cnes.datasus.gov.br/

Bardin, L. Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70; 2006

Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas; 2010.

Brasil. DATASUS. Departamento de Informática do SUS. Disponível em: http://datasus.saude.gov.br/datasus.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União, 2012.

Silva MDR, Violência contra a mulher: analise da Lei Maria da Penha e suas implicações no município de Codó-Maranhão 2006-2017 [monografia]. Codó: Universidade Federal do Maranhão Campus Codó; 2018.

Delzivo CR, Bolsoni CC, Nazaré NO, Coelho EBS. Características dos casos de violência sexual contra mulheres adolescentes e adultas notificados pelos serviços públicos de saúde em Santa Catarina, Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2017; 33(6).

Pereira JS, Silva JC de O, Borges NA, Ribeiro M de MG, Auarek LJ, Souza JHK de. Violência obstétrica: ofensa à dignidade humana. BrazilianJournal of Surgery and Clinical Research-BJSCR. 2016 jun-ago; 15(1): 103-8.

Brasil. Decreto n.º 5.452, De 1º de Maio de 1943. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 1943 mai.1. [Acesso em 2018 nov 20]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del5452.htm

Brasil. Presidência da República, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 10.048 de 08 de Novembro de 2000. Dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e dá outras providências [Internet]. Brasília, DF; 2000. [acesso em 2018 nov 20]. Disponível em:http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2000/lei-10048-8-novembro-2000-376937-normaatualizada-pl.html

Belentani L, Sartorelli ACM, Meschial WC, Lima MF, Oliveira MLF. Violência Contra Crianças, Adolescentes e Mulheres: Desfecho de casos atendidos em um Hospital Ensino. Rev Enferm UFSM [Internet]. 2012 Jan/Abr; 2(1):10-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.406, de 5 novembro de 2004. Institui serviço de notificação compulsória de violência contra a mulher nos serviços de saúde, e aprova instrumento e fluxo para notificação. Diário Oficial da União, 2004 nov. 9; Seção 1. p 84.

Cortes GR, Alves EC, Silva LKR da. Mediação da informação e violência contra mulheres: disseminando a informação estatística no Centro Estadual de Referência da Mulher Fátima Lopes. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 2015; João Pessoa.

Andrade JO, Castro SS, Heitor SFD, Andrade WP, Atihe CC. Indicadores da violência contra a mulher provenientes das notificações dos serviços de saúde de Minas Gerais-Brasil. Texto Contexto Enferm. 2016; 25(3): 1-9.

Cortes LF, Padoin SMM, Kinalski DDF. Instrumentos para articulação da rede de atenção às mulheres em situação de violência: construção coletiva. Rev Gaúcha Enferm. 2016; 37(esp): 2016-0056.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 154 de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Centro de Referência de Assistência Social. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Brasília, DF, 2009; ed 1. p 72.

Faraj GR, Siqueira AC. O atendimento e a rede de proteção da criança e do adolescente vítima de violência sexual na perspectiva dos profissionais do CREAS. Rev do dep de Ciências Humanas. 2012 jul/dez; (37): 67-87.

Souza L de, Cortez MB. A Delegacia da Mulher perante as normas e leis para o enfrentamento da violência contra a mulher: um estudo de caso. Rev. Adm. Pública. 2014 mai/jun; 48 (3): 621-639.

Brasília. Ministério da Justiça. Norma técnica de padronização das delegacias especializadas de atendimento as mulheres- DEAMs. 2010. Disponível em: http://www.spm.gov.br/lei-maria-da-penha/lei-maria-da-penha/norma-tecnica-de-padronizacao-das-deams-.pdf




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i47.2079

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: